Chega a 3 mil o número de combatentes europeus no Iraque e na Síria

Estima-se que pelo menos 30% destes soldados regressa ao seu país de origem.

O chefe de antiterrorismo da União Europeia, Gilles Kerchove, divulgou nesta terça-feira que pelo menos 3 mil combatentes europeus abraçaram a causa islamita e partiram para o Iraque ou para a Síria.

O número é considerado alto se comparado a dois meses atrás, quando cerca de 2 mil europeus estavam no Oriente Médio para combater pelas duas nações.

Kerchove acredita que este aumento pode ter sido estimulado pela declaração divulgada em junho deste ano, pelo Estado Islâmico, sobre a criação de um califado entre a Síria e o Iraque.

— O fluxo não diminuiu e provavelmente a proclamação de um califado teve algum impacto — afirmou ele.

Os combatentes europeus que estão em guerras externas, conhecidos como jihadistas, são oriundos principalmente da França, Grã-Bretanha, Alemanha, Bélgica, Holanda e Suécia. Ainda de acordo com o chefe de antiterrorismo, estima-se que cerca de 30% destes combatentes regressam a seus países de origem. Alguns acabam se radicalizando e se tornam ameaças dentro do continente europeu.

com informações da AFP

Anúncios
Painel Político, principal fonte de informações políticas de Rondônia. Com noticiário completo sobre economia, variedades e cultura.

Participe do debate. Deixe seu comentário