Coluna – Aprovados em concurso eleitoreiro da Polícia Civil aguardam convocação

Certame foi realizado em 2014, em pleno período eleitoral para favorecer candidatos e até hoje aprovados não foram chamados

Olha essa

O DER, aquele órgão que mal tem tratores e não consegue dar conta de resolver os problemas das estradas de Rondônia havia criado, com autorização da Assembleia Legislativa e com o aval do governador Confúcio Moura, a tal coordenadoria de operações aéreas, agora também criou um aeródromo. Isso mesmo, você não leu errado. O DER, que deveria cuidar das estradas, agora tem um aeródromo que já tem até gerente nomeado, M. A. M. F., que ganha um CDS -08 mais produtividade.

Para esclarecer

Aeródromo é uma área que possui a infraestrutura e instalações adequadas para aterrissagem e decolagem de aeronaves, mas não de transporte de pessoas e cargas ao nível de um aeroporto. Geralmente quando se chama de aeródromo é por seu menor tamanho, ou por ser de caráter privado. Os aeroportos são espaços públicos. Também pode se conhecer como campo de aviação. O Ministério Público bem que poderia pousar uma equipe do CAEX lá pelo DER para saber mais sobre essa história.

DER não tem aeronaves, mas fica a sugestão...
DER não tem aeronaves, mas fica a sugestão…

Enquanto isso

Os aprovados no concurso da Polícia Civil realizado em 2014 com o claro objetivo de dar votos para Confúcio Moura e o ex-sherife Marcelo Bessa, estão desesperados com a tal reforma da Academia de Polícia que não acaba nunca. Foram 144 vagas para os cargos de Delegado de Polícia Civil, Perito Criminal, Agente de Polícia Civil, Escrivão de Polícia Civil, Datiloscopista Policial, Técnico de Necropsia, Agente de Criminalística e Técnico de Laboratório. Todos aguardam a convocação. Não gosto de estragar esperanças, mas quando esse concurso foi anunciado, a coluna avisou que a coisa ia ser enrolada.

[su_frame align=”right”] [/su_frame]Nesta quarta

A partir das 19 horas, horário de Brasília, o Tribunal Superior Eleitoral, em sessão extraordinária, deve julgar o mérito da ação que cassou o mandato de Confúcio Moura, em decisão do Tribunal Regional Eleitoral no dia 5 de março deste ano. O assunto, apesar de parecer relativamente simples, não é. Trata-se de abusos cometidos durante convenção partidária. Houve distribuição de comida para os mais de 2 mil presentes ao evento, que passaram o dia inteiro na Talismã 21, enquanto os candidatos trabalhavam em acordos. A convenção, em tese, serve para que os delegados dos partidos e filiados, escolham os candidatos nas eleições. A convenção pode ser de um partido ou vários. Porém, por via de regra, os candidatos definem quem vai disputar e os convencionais apenas avalizam, assinando a ata que segue para registro no Tribunal Regional Eleitoral.

O problema

Foi a comida. A legislação proíbe a distribuição de qualquer vantagem aos eleitores, daí não podem mais ser feitos churrascadas, como antigamente ou distribuir camisetas, bonés ou qualquer outro brinde, coisa que eram comum até bem pouco tempo. Outro ponto crucial levantado nesse julgamento específico, é em relação ao suposto caixa 2 da campanha, já que não aparece na prestação de contas de nenhum partido ou candidato, o pagamento dessa comida. Levantamento rápido aponta que não sairia por menos de R$ 20 mil a quantidade que foi servida. E todos comeram, inclusive crianças e pessoas que moram no entorno da Talismã, uma casa de shows localizada na periferia da capital, cuja vizinhança é composta por famílias carentes.

Além disso

O momento político não anda muito favorável a abusos cometidos por políticos durante as eleições. A defesa de Confúcio alega que a convenção ocorreu durante o calendário eleitoral, mas antes da campanha eleitoral propriamente dita. O problema é que já era público, notório e amplamente difundido que Confúcio era candidato à reeleição. Ou seja, o argumento de que o processo não havia iniciado é frágil. Na pauta do TSE para esta quarta-feira estão vários processos, mas o de Confúcio é o primeiro e deve ocupar boa parte do tempo. Pode ser que aconteça um pedido de vistas ao processo por algum ministro, e aí o julgamento é suspenso até que o ministro entregue seu voto.

Em Brasília

O clima é de ansiedade, tanto por parte de Expedito Júnior quanto de Confúcio Moura. O governador sabe que o caso é sério e pode lhe custar o mandato. Pior ainda, é perder o cargo por causa de algum aloprado que resolveu alimentar uma multidão. Um ato tresloucado, desnecessário e que a Procuradoria Regional Eleitoral falhou gravemente em não ter comparecido ao local do evento e prendido em flagrante tanto os candidatos quanto os executivos dos partidos. Por aqui, já tivemos candidato preso por distribuir pintinhos, coisa que ele fazia a vida toda; tivemos candidato preso por prometer um aparelho de som para uma turma de faculdade fazer uma rifa, mas não tivemos prisões para candidatos que distribuíram comida para um exército, mesmo a procuradoria tendo recebido dezenas de telefonemas no dia, além da circulação de vídeos enquanto o evento estava sendo realizado.

De qualquer forma

Se não houver pedido de vistas, essa situação encerra nesta quarta. Bom lembrar que o Tribunal Regional Eleitoral vem protelando o julgamento das outras ações contra o governador, e todas elas pedem a cassação do mandato.

Na pauta

Do TSE também está o deputado estadual Alex Redano, cujo processo deve ser julgado também ainda esta semana. Ele foi acusado de usar sua fundação para promoção pessoal e teria, na condição de vereador do Município de Ariquemes, alocado recursos financeiros por meio de emendas aditivas em benefício de associação ligada ao seu nome (Projeto Redano).

Cartórios

Pagar as taxas cartorárias já é desagradável. São serviços caros e necessários. E para piorar ainda mais, alguns cartórios contam com servidores mal educados, que tratam o público como se eles (cartórios) estivessem fazendo um favor à população. Cartório é uma concessão, e não custa nada os servidores atenderem o público com educação. Não se trata de uma crítica a um cartório específico, e sim a todos.

Distanciando

E Dilma Roussef está a cada dia mais se afastando do PT e agora deve reduzir o espaço da legenda dentro do seu governo. Ela, que nunca foi petista de fato (para quem não sabe, sua militância política na legalidade, foi no Instituto de Estudos Políticos e Sociais (IEPES), ligado ao então único partido legalizado de oposição na época, o Movimento Democrático Brasileiro (MDB). Mesmo não tendo se filiado ao partido, Dilma organizava debates no instituto, que recebia palestras de intelectuais). Depois ela foi para o PDT, partido que ajudou a fundar e só saiu em 2001. Mesmo assim, ela se identifica mais com os pedetistas que com os petistas. Nesta terça-feira, informa Gerson Camarotti, O Palácio do Planalto já avisou a bancada do PMDB na Câmara que os deputados irão levar dois ministérios com a reforma administrativa: Saúde e Portos. Assim, Dilma deve manter Aviação Civil e Portos como pastas separadas para poder acomodar todas as alas do PMDB. E o Planalto já sinalizou que vai aceitar a sugestão de caciques peemedebistas de dar um sétimo ministério ao partido para acomodar o atual ministro da Pesca, Helder Barbalho. Com isso, a tendência é de que o espaço do PT no primeiro escalão do governo seja reduzido.

Via o Antagonista

Para tentar salvar a pele, Dilma Rousseff agora avalia dar sete ministérios, em vez de seis, ao PMDB. Estamos assistindo a um espetáculo grotesco.

Clínica Mais Saúde informa: Lavar louça ajuda a reduzir o stress

Lavar a louça atentamente pode garantir uma desintoxicação eficaz para mentes exaustas. É o que sugere um novo estudo publicado recentemente na revista científica Mindfulness e realizado por pesquisadores da Universidade Estadual da Flórida em Tallahassee, nos Estados Unidos. Para a pesquisa, foram recrutados 50 estudantes com idade média de 20 anos. Metade leu um trecho de 230 palavras, onde destacava-se a experiência sensorial de lavar a louça. Em seguida, eles tiveram que lavar 18 pratos limpos. O outro grupo leu um texto do mesmo tamanho, mas que explicava sobre técnicas ideais para lavar a louça corretamente. Eles então lavaram a mesma quantidade de pratos. Ao fim do experimento, todos os indivíduos interpretaram as leituras verbalmente e por escrito. Para chegar as conclusões, os pesquisadores avaliaram, antes e depois da atividade, traços positivos e negativos da personalidade, estado de atenção e bem-estar psicológico. Os resultados mostraram que o nervosismo diminuiu 27% naqueles que lavaram a louça com atenção plena e a inspiração mental aumentou 25%. De acordo com os pesquisadores, ambas as mudanças foram estatisticamente significativas. Lavar a louça atentamente também provocou sensação do tempo passava mais devagar. Estudos têm associado a percepção de alteração do tempo com um aumento na sensação de bem-estar. Não houve a mesma alteração no grupo de controle.

Anúncios
Alan Alex é jornalista, editor do site e da coluna Painel Político. Natural de Porto Velho foi criador e editor do site Portal364, trabalhou na redação dos jornais Diário da Amazônia, Folha de Rondônia, revista Painel Político, foi assessor de imprensa, é roteirista, editor de conteúdo e relações públicas. Também atuou como repórter de TV e rádio. É filiado à ABRAJI.

Participe do debate. Deixe seu comentário