Antônio Carlos Reis teria sido o principal articulador da saída do coronel Pretz do comando da Polícia Militar

Deu ré

Mangabeira Unger, ministro de “alguma coisa que ninguém sabe o que é” desistiu de vir para Rondônia. Na manhã desta segunda-feira, a agência de notícias do governo informava laconicamente que a entrevista coletiva que seria realizada às 9, havia sido cancelada. Não informaram os motivos da mudança na agenda, tampouco deram nova data para a visita do guru de Confúcio Moura. Quer saber? Melhor não ter vindo mesmo. Não tem nada para apresentar e só ia gastar dinheiro público e jogar conversa fora.

Olha essa

Só a título de recordação, logo após a coluna divulgar a viagem da cúpula da segurança pública à Colômbia, o governador Confúcio Moura declarou que “agora todos estavam capacitados e não tinha mais desculpas para que as coisas não acontecessem”. Dias depois, em um ato de bravata, o governador afirmou, “hoje, em dia, basta saber, de ouvido mesmo, que algo errado esteja acontecendo, não tenho como aprofundar na investigação, por certo, serei injusto em muitos casos, mas, tomarei decisões imediatas, inclusive, exonerando sem dar explicações”. Pois é, desde então a coluna já revelou vários casos de nepotismo e coisas erradas e nada aconteceu.

[su_frame align=”right”] [/su_frame]Opa

Quer dizer, aconteceu sim. No Diário Oficial do último dia 9, em uma rápida contagem a coluna detectou 183 autorizações de viagens de servidores para todos os lados do Brasil. Teve gente viajando para encontros, seminários, palestras, cursos, capacitação, ufa, tanta coisa que acho que o serviço público de Rondônia deverá ser o mais bem preparado do Brasil.

Enquanto isso

Falta gente para trabalhar em praticamente todas as áreas. Mas isso não deve incomodar o governador, não. Como ele próprio declarou, “eu, aqui, sozinho jamais darei conta de ver tudo. Mas, por delegação de confiança, preciso que todo corpo de secretariado aumente a vigilância e os controles”. Pelo jeito governador, seu secretariado está lhe traindo “de com força”. Nunca na história desse Estado os servidores viajaram tanto.

Oficial

A exoneração do Coronel Pretz como comandante da Polícia Militar foi publicada no Diário Oficial do último dia 9. Associações de policiais militares querem a cabeça do secretário de Defesa Antônio Carlos Reis, que segundo informações teria sido um dos principais articuladores da queda de Pretz. Eles ameaçam inclusive com manifestações. O governo se faz de morto, tanto no caso da saída do coronel quanto em relação ao secretário de Defesa. O governador sequer deu alguma satisfação sobre a troca de comando. A notícia sobre a pressão pela saída de Reis circulou em todos os grupos de informação tanto da polícia civil quanto militar.

Essa foi boa

Em 2009 quando Lula esteve zanzando por aqui, o helicóptero da presidência da república não conseguia comportar todos os convidados da comitiva, então um dos aloprados, o ministro com o sugestivo nome de Marcos Raposo teve a brilhante idéia de pedir “uma ajuda” da construtora Camargo Correia que integrava o consórcio construtor de Jirau e solicitou um helicóptero, por e-mail, à diretoria da empresa. A aeronave seria para levar a comitiva composta pelos à época senadores Expedito Júnior e Fátima Cleide, além do senador Valdir Raupp e Anderson Dorneles (assessor de Dilma, que na época era ministra), Jair Meneghelli (presidente do SESI) e José Manoel Martins (diretor-geral do Senai).

Claro

Que se o Brasil fosse um país sério isso bastaria para um enorme processo contra Lula e certamente seria bem embaraçoso para o ex-ministro Marcos Raposo. O e-mail com o pedido veio à público nas investigações da Operação Lava-Jato e a presidencia da república encarou o episódio como corriqueiro e destacou que “a licitação já havia ocorrido, portanto não haveria em que se falar de favorecimento”. Mas não é isso que está em questão. O “empréstimo” mostra a promiscuidade do governo federal em relação ao uso de “favores” por parte de empresas privadas que ganham bilhões com obras públicas. E pior, financiadas com recursos públicos.

Por aqui

O senador Valdir Raupp foi autor da melhor resposta sobre o episódio. Ao ser indagado pela reportagem do jornal O Estadão de São Paulo ele afirmou, “como é que vou saber que cor é a vaca que eu tomo o leite?”. O ex-senador Expedito Júnior seguiu a mesma linha de raciocínio e lembra bem da viagem, “fomos nesse voo sim, mas de fato não tínhamos como saber se a aeronave era do governo ou da empresa, não temos acesso a esse tipo de informação”, declarou a PAINEL POLÍTICO. Detalhes sobre esse caso você pode ler AQUI!

Em Guajará

No sábado chegou ao fim o impasse causado pela Receita Federal com os bolivianos em relação ao transporte de mercadorias. Na semana passada, com o apoio da Receita, um empresário local resolveu fazer valer a legislação que obriga que todas as mercadorias só podem cruzar o rio sobre uma balsa, e não em pequenas embarcações. A coisa não funcionou porque o custo de transporte pela balsa é infinitamente mais caro que o modelo atual, que emprega cerca de 200 pessoas, só no lado brasileiro. Os bolivianos, irritados com a medida adotada pela Receita, fecharam o porto no lado deles, impossibilitando o transporte.

[su_frame align=”right”] [/su_frame]Com isso

Os comerciantes brasileiros ficaram sem poder mandar suas mercadorias. O bloqueio durou cerca de três dias, mas, para o alívio de todos, a balsa “quebrou” no último sábado e pela falta dela, passou a ser novamente “legal” fazer o transporte em embarcações pequenas. O problema na balsa não tem data para ser resolvido.

Falando em balsa

O DNIT informou que a balsa que faz a travessia em Abunã vem causando uma série de transtornos e atrasos nas obras da ponte. A empresa que opera as balsas, que pertence ao ex-deputado federal pelo Mato Grosso Roberto Dorner afirma que “são acidentes que ocorrem”. Esses “acidentes” estão custando uma fortuna e dando mais tempo para Dorner engordar seu cofrinho. A família do ex-deputado federal também é dona dos refrigerantes Dydyo, em Porto Velho.

Massacre

Fim de semana com 5 mortos apenas em Porto Velho. Uma das vítimas, um policial civil que teve a casa invadida por assaltantes.

Para contatos

Fale conosco pelos telefones (69) 3225-9979 ou 9363-1909. Também estamos no www.painelpolitico.com e www.facebook.com/painel.politico e no Twitter (@painelpolitico). Caso prefira, envie correspondência para Rua da Platina, 4326, Conjunto Marechal Rondon. Whatsapp 9248-8911.

Internet vicia! Excesso pode causar doenças e depressão 

Você não larga o celular, tecla enquanto dirige ou caminha, fica ansioso quando não pode acessar a rede social e bota a mão no bolso achando que o aparelho vibrou, quando na verdade nada aconteceu? Cuidado, você pode estar viciado em internet. Parece brincadeira, mas o uso excessivo da web pode resultar em doenças graves como depressão , cada vez mais comum. O chamado estresse digital indica falta de habilidade em lidar com as pressões do cotidiano atual, como a “obrigatoriedade” em estar sempre conectado e de saber logo sobre tudo que se passa no mundo. “Somos bombardeados de novidades e de pressões para usar a internet o tempo todo. Já chegamos em um nível em que um mundo sem internet parece impossível. Mas o problema é quando a falta da web passa a gerar sofrimento intenso”, afirma o médico Hewdy Lobo, psiquiatra do Hospital Lacan. Sentar à frente de uma tela de computador por cinco horas diárias pode aumentar drasticamente o risco de depressão e insônia, segundo uma nova pesquisa realizada na Chiba Univertsity, no Japão. Segundo a mostra, que durou três anos com 25 mil trabalhadores, a maioria reclamou de se sentir depressivo, ansioso e relutante em acordar e ir trabalhar de manhã. Eles ainda reclamaram de sono quebrado, pos acordam muitas vezes durante a noite, “O resultado demonstra que é preciso ficar menos tempo conectado à internet”, disse a médica e responsável pela pesquisa, Tetsuya Nakazawa. O psquiatra Lobo alerta que a falta da internet pode causar reações e efeitos parecidos com aqueles que são encontrados em dependentes químicos.

Anúncios
Alan Alex é jornalista, editor do site e da coluna Painel Político. Natural de Porto Velho foi criador e editor do site Portal364, trabalhou na redação dos jornais Diário da Amazônia, Folha de Rondônia, revista Painel Político, foi assessor de imprensa, é roteirista, editor de conteúdo e relações públicas. Também atuou como repórter de TV e rádio. É filiado à ABRAJI.

Participe do debate. Deixe seu comentário