Saída de Fauzi e Élvio Tavares garantiu promoção e ascensão de Antônio Reis e Elizeu Muller à categoria de “delegados de classe especial”. Aposentados estão perdendo R$ 10 mil cada devido à saída forçada

Fica olhando

Desde a Constituição de 1988, que sindicalistas, representantes de associações de classes e alguns “avulsos” procuram congressistas para pressionar por “direitos adquiridos” por suas categorias. Alguns com razão, outros por puro oportunismo, que enxergam na peneira que são nossas leis, brechas onde cabem interpretações esdrúxulas que vão se transformando em penduricalhos salariais ou ações coletivas e individuais cujos valores são astronômicos. Um desses monstrengos são os tais “precatórios do Sintero”, que atingiram números absurdos. Também temos aqui em Rondônia, a tal “transposição”.

Antes de começar o mimimi

Preste atenção às próximas linhas e siga o raciocínio. A transposição surgiu da necessidade de garantir o emprego de servidores que haviam sido contratados sem concurso pelo governo do Estado quando Rondônia era território. José Bianco, em um ato necessário devido a recém-criada Lei de Responsabilidade Fiscal, precisava adequar a folha e mandou para a rua cerca de 2 mil servidores, a maioria cargos de baixos salários (copeiras, cozinheiras de escolas, auxiliar de serviços gerais, etc). Mas eles foram demitidos injustamente, deveriam ter ido para os quadros da União, como foram os de Roraima e Amapá. Porém, a bancada federal da época, irresponsavelmente, não atentou para a questão, daí a origem do problema.

Continuando

Após anos de discussão, reuniões intermináveis e muito papo furado, a tal transposição foi aprovada, originalmente favorecendo os contratados até 1988, ano da Constituição. Porém, como Rondônia passou a ser Estado em 1982 e a União bancou as despesas da “nova estrela” até 1992 (dez anos), a turma viu uma oportunidade de “empurrar mais” nos cofres públicos e tivemos início a uma outra discussão, se quem foi contratado até esse período tem direito. Outros mais espertos, querem “perdas salariais” referentes a todo esse tempo, tomando como base os salários dos servidores federais. Em síntese, são tantos “direitos” que a brincadeira tomou uma proporção gigantesca e virou um balaio de gato. Fiz esse breve e grosseiro resumo para continuar falando sobre a questão dos salários no serviço público brasileiro.

[su_frame align=”right”] [/su_frame]É claro

Que ninguém nunca está (nem pode) satisfeito com o que ganha. Se aumenta o salário, aumentam os descontos e as dívidas, mas entenda, não tem como você, servidor público, enriquecer como funcionário público, a não ser que você seja corrupto. É, não se ofenda, mas é verdade. O funcionalismo público tem teto salarial, seus proventos são publicados nos portais de transparência e essas “ações reparatórias” só deram dinheiro para aquela turma antiga. Você que está entrando agora vai ficar só na vontade. Portanto, se você quer ficar rico, vá para a iniciativa privada, seja empreendedor, se arrisque, seu país precisa de você, e não de mais um burocrata atrás de uma mesa inventando moda. Já temos atualmente 10 milhões fazendo isso nas esferas federal, estaduais e municipais.

Por cima

Jesualdo Pires, prefeito de Ji-Paraná, informou oficialmente nesta terça-feira que não é candidato à reeleição. Ele comunicou sua decisão ao PSB e confirma informação antecipada pela coluna em 9 de dezembro do ano passado. Jesualdo quer dedicar os próximos dois anos a organizar sua vida e sai cacifado para disputar uma das 8 vagas na Câmara dos Deputados ou quem sabe voos mais altos, como Senado e governo.

Pulando fora

Espertamente o deputado federal Nilton Capixaba (PTB) resolveu pular fora da barca furada que é a relatoria do processo contra o presidente da Câmara Eduardo Cunha na comissão de ética da Câmara dos Deputados. O deputado de Cacoal fez as contas rapidamente e viu que era mais fácil ele ser cassado antes de Cunha. Capixaba rapidamente virou manchete dos principais jornais e revistas do país, que relembraram seu processo que tramita no STF. E não é apenas “um processo”, é uma Ação Penal, a 644, que tramita na mesma velocidade que uma sanguessuga anda….

Na marra

Dois delegados da polícia civil de Rondônia foram aposentados compulsoriamente, de forma ilegal, ferindo a Constituição que foi alterada pela tal “PEC da Bengala”. Já existe decisão do STF que proíbe essa prática, mas Mohamed Fauzi e Elvio Tavares não puderam nem questionar, foram mandados para o “pijama”, o que representou uma redução em seus contracheques de cerca de R$ 10 mil. Obviamente eles ingressaram na justiça, e deverão ser reintegrados.

[su_frame align=”right”] [/su_frame]Porém

A manobra foi feita por um detalhe, para que os delegados Antônio Reis e Elizeu Muller fossem promovidos à delegados de classe especial e pudessem assumir a secretaria de Defesa e Direção Geral de Polícia, respectivamente.  Ocorre que existe um quantitativo de delegados de classe especial, e se a justiça determinar o retorno de Fauzi e Tavares, o que vai acontecer com as “promoções” de Reis e Muller? Eles vão devolver os salários que receberam nos últimos tempos, já como classe especial?

Não dá mesmo

O STF proibiu a venda dos veículos do senador Fernando Collor para ressarcimento dos cofres públicos. O pedido havia sido feito pela Procuradoria Geral da República, mas os ministros negaram. 

Medium

Bruna Surfistinha, ex-garota de programa que blogava suas aventuras e conseguiu um livro e um filme, agora lida com o além. A moça descobriu que tem poderes mediúnicos e agora também é mão-de-santo em São Paulo. Disse que estava numa roda quando “caiu no chão e incorporou uma pombagira”. Só falta agora ela descobrir que pode ser vereadora…

0,38%

É quanto Dilma Roussef quer de CPMF, para, segundo ela, “poder dividir com estados e municípios e acelerar o crescimento do país”. Ela também já tem bons olhos para o projeto do senador Ciro Nogueira que prevê a legalização dos jogos de azar no Brasil, mas segundo a presidente, “o projeto de Ciro – que será discutido pelo plenário do Senado – poderia reforçar em pelo menos 15 bilhões de reais os cofres do governo em impostos”. Pois é… parece que o governo petista não consegue administrar sem transformar isso aqui em um grande cassino…

Confirmado

Familiares reconheceram em partes de corpos localizados no fundo do litoral catarinense, marcas de cirurgia e um tênis do empresário Robson Guimarães e também vestes do piloto Marlon Neves. Com isso, chega definitivamente ao fim um drama que durou duas semanas. Piloto e empresário, um dos mais importantes de Rondônia morreram em acidente aéreo no dia 1 de fevereiro, quando o avião caiu cerca de 3 minutos após decolar de Florianópolis com destino a Ji-Paraná. Agora terão início as investigações sobre a causa do acidente.

Posse

Nesta quinta-feira, 18, toma posse no Palácio das Artes em Porto Velho, a nova diretoria da OAB-RO. O evento acontece a partir das 19 horas e vai contar com a presença do presidente nacional da entidade, Cláudio Lamachia. Por aqui, Andrey Cavalcante foi reeleito.

Clínica Mais Saúde informa – Desempenho na escola é mais alto pela manhã, diz pesquisa

Crianças que reclamam que determinada nota baixa apareceu no boletim porque elas estavam desconcentradas na hora da prova — e não porque tinham estudado pouco — podem ter um argumento cientificamente comprovado. Uma pesquisa da Escola de Negócios de Harvard, nos EUA, revela que o desempenho em testes escolares costuma ser melhor quando os exames são realizados durante a manhã ou logo após intervalos de 20 ou 30 minutos. Segundo o estudo, as notas alcançadas diminuem 0,9% a cada hora que passa, o que indica que, em geral, fazer provas à noite é uma péssima ideia. A pesquisa destaca, ainda, que as notas tendem a subir 1,7% quando os alunos são avaliados depois de um intervalo de, no máximo, meia hora. A razão para essas alterações é o que a pesquisadora Francesca Gino, autora do estudo, chama de fadiga cognitiva. O cansaço mental, que afeta de forma negativa as atividades do dia a dia de cada indivíduo, teria uma influência maior ou menor de acordo com a hora do dia. Publicada ontem na revista “Proceedings of the National Academy of Sciences” (PNAS), a pesquisa mostra que o horário afetou o desempenho de alunos entre 8 e 15 anos que frequentaram escolas públicas da Dinamarca de 2010 a 2013. No total, foram avaliados cerca de dois milhões de testes. Embora o estudo de Harvard eleve o horário da manhã ao patamar de melhor momento para um aluno ser avaliado, a Academia Americana de Pediatria recomenda que as crianças e os adolescentes não entrem na escola antes das 8h30. Segundo a entidade, este seria o horário ideal para permitir que os jovens durmam uma quantidade de tempo suficiente durante a noite — entre 8h30 e 9h30 —, o que considera essencial para a saúde deles. Em agosto do ano passado, o Centro de Controle e Prevenção de Doenças (CDC, na sigla em inglês) dos Estados Unidos chegou a divulgar um relatório afirmando que a condição física e mental e o sucesso acadêmico dos jovens poderia ser comprometido caso eles continuassem acordando muito cedo para estudar. Em média, nos EUA, as aulas começam às 8h. No Brasil, grande parte dos colégios abre às 7h.

Alan Alex

Alan Alex

Alan Alex é jornalista, editor do site e da coluna Painel Político. Natural de Porto Velho foi criador e editor do site Portal364, trabalhou na redação dos jornais Diário da Amazônia, Folha de Rondônia, revista Painel Político, foi assessor de imprensa, é roteirista, editor de conteúdo e relações públicas. Também atuou como repórter de TV e rádio. É filiado à ABRAJI.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *