Coluna – Jesuíno “amarela” e retira acusações contra Emerson Castro

Parlamentar chegou a aprovar criação de comissão para investigar o Chefe da Casa Civil acusado de pressionar servidores comissionados para que fizessem empréstimos e ajudassem a pagar advogado do governador

Deu ruim

O governador Confúcio Moura devia estar meio distraído na noite da última terça-feira no jantar com governadores do PMDB e o vice-presidente da República, Michel Temer em Brasília. Confúcio declarou abertamente ser favorável ao retorno da CPMF, o famigerado imposto criado pelo então ministro da saúde Adib Jatene com o nobre propósito de ser um reforço no caixa da saúde, mas tornou-se uma salvação para os cofres públicos que sempre sofreram nas mãos dos perdulários governantes. Para ser historicamente justo e informar a nova geração, Jatene era bem intencionado, o então presidente Fernando Henrique e sua equipe, não. Veja como se deu a história.

Recordar é viver

Quando perguntado se sua saída do Governo FHC teve relação com a CPMF, Jatene respondeu: “Teve relação direta. Eu disse ao presidente Fernando Henrique que precisava de recursos. Ele pediu para falar com o Pedro Malan [ministro da Fazenda]. O Malan me disse que, em dois ou três anos, daria o dinheiro que eu precisava. Não podia esperar tanto tempo. Propus a volta do imposto sobre o cheque, que se chamava IPMF e havia sido extinto em 94. O presidente disse: ‘Você não vai conseguir aprovar isso.’ Respondi: Posso tentar? Ele autorizou. Pedi o compromisso dele de que o orçamento da Saúde não seria reduzido. A CPMF entraria como o adicional. E ele: ‘Isso eu posso te garantir’. Depois da aprovação, a Fazenda reduziu o meu orçamento. Voltei ao presidente. Disse: no Congresso, me diziam que isso ia acontecer. Eu respondia que não, porque tinha a sua palavra. Se o senhor não consegue manter a sua palavra, entendo a sua dificuldade. Mas me faça um favor. Ponha outro no meu lugar. Foi assim que eu saí, em novembro de 1996.”

Pois é

Esse episódio serve para ilustrar que nesse ninho não tem sabiá, só tem carcará. Apesar de ser o “pai do Real”, Fernando Henrique e sua trupe também aprontou, e muito. A sorte dele é que a internet engatinhava no Brasil da época. Se fosse hoje, possivelmente ele estaria em situação vem diferente. Bom, voltando ao governador de Rondônia….

Saudosismo

Bom destacar que apenas Confúcio e o governador do Rio Grande do Sul, Ivo SartorI apoiaram essa insanidade. O brasileiro não aguenta mais impostos, e mesmo assim os estados estão com dificuldades financeiras. O melhor caminho é reduzir os gastos da máquina pública, e ai sim, pensar em ampliar o caixa com mais impostos. A classe política está brincando com coisa séria e estamos caminhando para o caos. Tentar retomar um imposto que sempre foi antipático (para quem não sabe ou não lembra, qualquer movimentação bancária pagava um percentual) é, no mínimo, uma brincadeira de mau gosto.

Mudando de assunto

Nesta quarta-feira o Homem do Tempo circulou uma foto em seu perfil no Facebook mostrando uma fileira de ônibus que estariam à caminho de Porto Velho e atenderiam o transporte coletivo urbano. Rapidamente a imagem viralizou e teve mais de 240 compartilhamentos e centenas de comentários, todos comemorando a boa nova. Se de fato os ônibus são da nova empresa, não sei, o fato é que a população não aguenta mais as latas velhas que estão rodando pela cidade.

Imagem postada pelo Homem do Tempo
Imagem postada pelo Homem do Tempo

Porém

Os vereadores de Porto Velho, ao menos uma parte, continua insistindo com a permanência das atuais empresas, isso indo contra todas as decisões e determinações do Tribunal de Justiça sobre o assunto. O caso está encerrado, não tem mais o que ser discutido. Deixem a empresa nova chegar e começar e começar a operar. O contrato é emergencial e é simples, se ela não cumprir os resquisitos estabelecidos em edital, perde o direito de operar e se convoca um novo chamamento ou abre-se processo licitatório.

Essa situação

Já passou dos limites, o que está em jogo é o bem estar da população. Porto Velho precisa de união e não de mais confusão. Se Câmara, prefeitura e demais instituições trabalharem juntas, poderemos resolver grande parte dos problemas, que na maioria das vezes são causados por discussões que não chegam a lugar algum. As atuais empresas estão fora, já era, essa discussão acabou por determinação judicial. Qualquer insistência nesse sentido vai gerar um desgaste ainda maior para a Câmara, que no quesito “popularidade” está pau a pau com Mauro Nazif.

Na assembleia

O deputado estadual Jesuíno Bobaid aprovou na última terça-feira requerimento para criar uma Comissão Temporária Especial, destinada a apurar a convocação de servidores de cargos comissionados do Estado que teriam sido obrigados a fazer empréstimo bancário, no total de R$ 1,5 milhão. A finalidade seria garantir o pagamento de honorários advocatícios, decorrente do processo de cassação do governador Confúcio Moura (PMDB). Nesta quarta-feira, por volta do meio-dia, inexplicavelmente o deputado Jesuíno Boabaid retirou o pedido…

Com isso

A denúncia foi esvaziada e tá “tudo certo”. Os motivos da retirada por parte de Jesuíno ainda são desconhecidos. Ainda. Vai que ele conta para a gente amanhã. Porque hoje, a coluna tentou contato telefônico com o deputado durante todo o dia. Pela manhã ele chegou a atender e disse que “retornaria em seguida”, pois estava “resolvendo uma situação”. E a tarde seu telefone estava fora de área.

O povo ficou cantando "me dê motivo"....e o deputado fora de área
O povo ficou cantando “me dê motivo”….e o deputado fora de área

Na SEDAM

A coisa anda complicada. Fora o fato de até hoje ninguém ter dito uma palavra sequer sobre a compra das 17 camionetes com recursos do BNDES que não poderia ter sido feita, outros digamos, incidentes começam a aparecer. Um deles diz respeito a liberação de licenças de funcionamento de postos de combustíveis. A SEDAM emitiu comunicado essa semana informando que vai apertar a fiscalização, só esqueceu de avisar que por lá, não está liberando nada. Os postos que estão “em dia” são, em sua maioria, “doadores de campanha”. Os novos empreendimentos e os que não “ajudaram” não conseguem liberar nada por lá. E a ordem não partiu de Confúcio, é coisa de assessor aloprado.

[su_frame align=”right”] [/su_frame]Castanheiras

Prestem muita atenção nessa árvore. Mudas de castanheiras serão motivo de um escândalo cabeludo lá pelas bandas da SEDAM. E não vai demorar.

Via O Antagonista

Sergio Moro esteve no Senado, para defender a aprovação do projeto de lei que dá um basta à impunidade no Brasil. Pelo projeto, acusados de crimes como homicídio, peculato, corrupção e lavagem de dinheiro seriam presos imediatamente depois da condenação em segunda instância. Hoje, criminosos condenados e confessos podem aguardar em liberdade até que o caso chegue a um tribunal superior e seja emitida sentença definitiva. E o número de recursos é tamanho que um bom chicaneiro empurra o processo até que o crime prescreva. O atual modelo um absurdo evidente. Trata-se de uma distorção do princípio da presunção de inocência. Na esmagadora maioria dos países civilizados, um criminoso vai para a cadeia após ser condenado em primeira instância. Disse Moro: “(O nosso é) um sistema de recursos sem fim. E temos vários casos, até criminais de homicidas confessos, que levam dez anos, quinze anos, que nem chegam ao fim. Sem falar em crimes graves de malversação de recursos públicos que demoram muito. Então, esse quadro tem de ser alterado”.

Via PAINEL POLÍTICO

Há tempos defendemos que essa enormidade de recursos para julgamentos de casos de corrupção beiram o ridículo. Rondônia é um exemplo clássico disso. Condenados, por exemplo, na Operação Dominó (2006), continuam livres, leves e faceiros. Aliás, os condenados em todas as operações realizadas por essas bandas desde então….

Para contatos

Fale conosco pelos telefones (69) 3225-9979 ou 9363-1909. Também estamos no www.painelpolitico.com e www.facebook.com/painel.politico e no Twitter (@painelpolitico). Caso prefira, envie correspondência para Rua da Platina, 4326, Conjunto Marechal Rondon. Whatsapp 9248-8911.

Clínica Mais Saúde informa – Vitamina C reduz o risco de doenças cardiovasculares

Tomar suplementos diários de vitamina C pode ser tão benéfico para a saúde cardíaca de pessoas com sobrepeso ou obesas, quanto a prática de atividade física. É o que diz um novo estudo conduzido pela Universidade do Colorado, nos Estados Unidos, e apresentado recentemente na 14ª Conferência Internacional da Sociedade Americana de Fisiologia. A explicação é simples: o sobrepeso faz com que os vasos sanguíneos tenham alta atividade da endotelina-1 (ET-1), uma proteína que causa vasoconstrição. A vasoconstrição, por sua vez, aumenta a pressão arterial e, portanto, o risco de doenças cardiovasculares. Os pesquisadores descobriram que ingerir o equivalente a 500mg de vitamina C por dia ajuda a reduzir a atividade da ET-1 tanto quanto a prática de exercícios. Participaram do estudo 35 adultos sedentários, com sobrepeso ou obesos. Ao longo de três meses, os voluntários foram divididos em dois grupos: o primeiro, com 20 participantes, tomou suplementos diários de vitamina C; o segundo, com 15 integrantes, realizou um treinamento diário de exercícios aeróbicos. Os resultados mostraram que o grupo que tomou uma dose diária de 500mg de vitamina C conseguiu reduzir a atividade da endoletina-1 tanto quanto a equipe da caminhada. Os pesquisadores ressaltam que, embora os suplementos de vitamina C não devam ser considerados uma alternativa à atividade física, sua ingestão regular já é um começo para ajudar na redução do risco de doenças. Eles também ressaltam que tomar 500mg de vitamina C diariamente é uma dose alta que pode causar alguns efeitos colaterais como cólica abdominal, diarreia e náusea. Por isso, o acompanhamento médico é fundamental.

Alan Alex é jornalista, editor do site e da coluna Painel Político. Natural de Porto Velho foi criador e editor do site Portal364, trabalhou na redação dos jornais Diário da Amazônia, Folha de Rondônia, revista Painel Político, foi assessor de imprensa, é roteirista, editor de conteúdo e relações públicas. Também atuou como repórter de TV e rádio. É filiado à ABRAJI.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *