A partir das 17 horas moradores são proibidos de circular nos bairros e quem é de fora nem circula na área

A licitação

Aquela das obras de saneamento de Porto Velho ficou assim, após a coluna revelar quem seria a vencedora. A empresa Goetze Lobato Engenharia LTDA foi a vencedora do certame com uma proposta inexequível de R$ 484.600 milhões, que evidentemente receberá todos os tipos de aditivos possíveis e imagináveis. Especialistas ouvidos por PAINEL POLÍTICO garantem que o valor mínimo necessário para a execução das obras propostas no edital seria de R$ 550 milhões, “e talvez fosse necessário ao menos um dois aditivos”.

[su_frame align=”right”] [/su_frame]Porém

Vale destacar que a EMSA, que apresentou o preço de “tabela cheia” está como segunda colocada, podendo assumir o contrato no lugar da Goetze. E tem mais um pequeno detalhe, a documentação exigida em edital teria sido apresentada pela empresa, mas esses documentos não estão disponíveis no site da Supel, onde deveriam estar. A Goetze precisava ter apresentado em seu acervo técnico, a construção de uma estação de tratamento de esgoto com vazão de 1.285 litros por segundo, e até onde se sabe, a única empresa que tem esse acervo é a EMSA.

Portanto…

Conforme havíamos adiantado, estamos perto de termos mais uma obra iniciada e não terminada na cidade de Porto Velho, com o agravante da cidade ficar toda revirada, já que são obras de saneamento.

Xarope

O Brasil virou um país chato, o país do politicamente correto, mas apenas nas redes sociais públicas. Atualmente o que não é dito publicamente no Facebook é dito através dos grupos de Whatsapp. O patrulhamento beira a insanidade. A discussão que tomou conta do país esta semana foi o comercial de uma marca de perfumes que mostra um casal gay (ops, homossexual) trocando presentes no dia dos namorados. É uma discussão tola, preconceito existe porque somos ainda um país jovem que engatinha no quesito civilidade. No Brasil circulam vídeos em redes sociais de mulheres brasileiras sendo decapitadas, de pessoas sendo espancadas, linchadas física e moralmente.

E pior

Não percebemos esse mesmo nível de indignação, “ela deve ter merecido”, dizem uns, “mulher de bandido”, afirmam outros ou “estava roubando, tem que morrer”. Esse é o mesmo Brasil que quer reduzir a maioridade penal, mas sem avaliar as consequências, ou pior, como isso vai funcionar. Sou favorável a redução, desde que exista um plano de execução dessas penas. Da forma como querem fazer, reduzir para jogar um menor que roubou um toca cds em um Urso Branco, junto com assassinos e estupradores, sou contra. Não defendo marginais sanguinários, como o caso de Champinha, ou mesmo os mais recentes, como os três menores que estupraram e atiraram para a morte quatro meninas no Piauí. Mas defendo o bom senso. E isso está em falta no Brasil, em praticamente todas as esferas. Lamentável.

[su_frame align=”right”] [/su_frame]Em dezembro

Do ano passado foi deflagrada a “Operação Platéias” que prendeu meio mundo de gente do governo da cooperação, inclusive o cunhado de Confúcio, Francisco de Assis e o ex-secretário de Finanças Gilvan Ramos, e conduziu coercitivamente o próprio governador, que passou 10 horas na superintendência da Polícia Federal sem poder sair. Assis e Gilvan haviam sido encaminhados ao Pandinha, por determinação judicial, uma vez que nos pedidos de prisão o Ministério Público determinou os locais onde os presos ficariam.

Ocorre

Que ambos, à revelia da justiça e do Ministério Público, foram transferidos para o presídio Aruana, então recém-inaugurado. O promotor de Justiça Rogério José Nantes, que instaurou inquérito civil público a fim de investigar essa transferência, que caracteriza  violação aos princípios da Administração Pública, e pode ser enquadrada como improbidade administrativa. É mais uma dor de cabeça para Confúcio administrar.

Toque de recolher

Moradores do bairro Ulisses Guimarães estão sendo submetidos a um toque de recolher a partir das 17 horas todos os dias. Gente de fora do bairro nem entra a partir desse horário, e são aconselhados pelos moradores a retirar relógios, esconder qualquer tipo de jóia  ou bolsa. Gangues de vagabundos da área estão aterrorizando e a falta de policiamento na área (PM só vai quando ocorre algum crime) vem colaborando para isso. Porto Velho é uma cidade de porte médio, sem efetivo policial necessário para combater a criminalidade.

Vale lembrar

Que quando o poder público se omite, a vagabundagem toma conta. Isso aconteceu nas favelas do Rio de Janeiro e até hoje essa retomada é traumática. Aqui em Porto Velho está ocorrendo o mesmo fenômeno. Marginais estão patrulhando os bairros, aterrorizando principalmente os mais pobres, aqueles cujo o poder público contumazmente ignora, e só lembra no período eleitoral. A irresponsabilidade do atual governo em relação a segurança pública é assombrosa. É uma incompetência generalizada, um faz de contas do começo ao fim.

É bom ressaltar

Que isso tem um preço altíssimo, o de vidas humanas que são ceifadas por causa dessa irresponsabilidade. Por enquanto a coisa está restrita a bairros mais distantes e o governo e seus asseclas estão encastelados em condomínios cercados de segurança com muros de 10 metros. Mas em pouco tempo essas mesmas milícias de marginais estarão invadindo esses muros sem nenhum tipo de problema. E aí pode ser que talvez, apenas talvez, alguém resolva se mexer para tentar arrumar uma solução.

No TJ

O julgamento do caso envolvendo o juiz do interior que desacatou uma decisão de um desembargador foi concluso e foi dado provimento ao agravo, reestabelecendo a decisão proferida pelo Desembargador em sede de liminar, a qual vinha sendo descumprida pelo magistrado do Interior. Foram encaminhados cópia dos autos à corregedoria do Tribunal de Justiça para apuração dos atos praticados por este. Com isso, a OAB consegue uma importante vitória em relação a esse caso, que gerou um enorme mal estar na categoria.

[su_frame align=”right”] [/su_frame]Para contatos

Fale conosco pelos telefones (69) 3225-9979 ou 9363-1909. Também estamos no www.painelpolitico.com e www.facebook.com/painel.politico e no Twitter (@painelpolitico). Caso prefira, envie correspondência para Rua da Platina, 4326, Conjunto Marechal Rondon. Whatsapp 9248-8911.

Comer sozinho e em prato vermelho ajuda a emagrecer
Você sabia que fazer o pedido assim que chega ao restaurante faz com que aprecie mais a escolha? Ou que comer em um prato vermelho e sozinho é uma boa maneira de perder peso? Essas são algumas das constatações do professor Charles Spence, da Universidade de Oxford , na Inglaterra. O autor do livro The Perfect Meal (em tradução livre, A Refeição Perfeita) e defensor de uma nova ciência chamada “gastrofísica” afirma que todos os tipos de influências multissensoriais entram em jogo na hora de comer, a tal ponto que a comida realmente apresenta gosto diferente. Os dados são do jornal Daily Mail. Por exemplo, em uma das degustações de vinho envolvendo 3 mil pessoas, todos receberam um copo de vinho branco e tiveram de avaliar seu gosto. Posteriormente, a iluminação e a música foram alteradas e todos provaram outra taça do mesmo vinho, sem que soubesse da repetição do produto, e preencheram o mesmo questionário. As respostas foram alteradas em 20%. “A mesma comida e bebida em circunstâncias diferentes tem gostos completamente diferentes. Às vezes, as coisas que não são conscientes têm mais impacto do que as coisas de que nós somos conscientes”, comentou o especialista. O prato vermelho é uma boa dica para quem quer moderar na alimentação e perder peso. “O vermelho é um sinal de perigo primitivo, mas também dá à comida menos contraste, o que a torna menos desejável, então você vai comer menos”, comentou. Comer sozinho também é bom quando se está em dieta . Consome-se cerca de 35% mais alimentos quando se faz a refeição com outra pessoa, subindo para 75% quando está acompanhado de três.

Alan Alex

Alan Alex

Alan Alex é jornalista, editor do site e da coluna Painel Político. Natural de Porto Velho foi criador e editor do site Portal364, trabalhou na redação dos jornais Diário da Amazônia, Folha de Rondônia, revista Painel Político, foi assessor de imprensa, é roteirista, editor de conteúdo e relações públicas. Também atuou como repórter de TV e rádio. É filiado à ABRAJI.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *