[su_frame align=”right”] [/su_frame]Encolhendo

O PSB de Mauro Nazif está encolhendo em Rondônia. Elegeu apenas um deputado estadual, e isso graças a um esforço gigantesco, inclusive com denúncias de abuso de poder político que estão sendo investigadas pelo Ministério Público e Câmara de Porto Velho, já que o maquinário utilizado seria da Secretaria Municipal de Agricultura. O PSB perdeu uma cadeira na Câmara dos Deputados e não fosse a competência de Jesualdo Pires à frente da prefeitura de Ji-Paraná, a situação do partido estaria bem complicada. Se depender dos Nazif, a coisa desanda de vez.

Ameaças

Daniel Pereira, um dos expoentes do partido, e candidato a vice-governador de Confúcio Moura esteve reunido esta semana com militantes da legenda em Ji-Paraná. Entre as articulações propostas pelo líder sindical estava a demissão dos servidores comissionados que não estariam fazendo campanha para a reeleição de Confúcio, “uma outra coisa, que eu pedi pro Governador hoje é o seguinte: nós passamos noventa dias de campanha dizendo o seguinte “Ó, tem gente que tem cargo comissionado no Governo e que tá fazendo campanha contra o Governo.” A conta é simples: se o cara tem cargo comissionado no Governo e ele não defende esse Governo, nós não precisamos dele. Manda ele embora, que ou você economiza dinheiro pro erário público e ele deixa de incomodar a gente, ou então a gente pega e acomoda um outro companheiro nosso que possa exercer essa mesma função. Eu sou muito pragmático nas coisas, e pra mim, a menor distância entre dois pontos é uma reta…não tem que ficar fazendo curva pra discutir nada não. Agora, isso cabe ao Governador fazer, se ele vai exonerar ou não é algo dele, né?! Eu faria isso de imediato”.

Não é só isso

Em postagem em seu perfil no Facebook, Pereira, que é presidente do Sindicato dos Servidores Públicos Federais (Sindsef) vai mais além .Ele afirma que “o pessoal do Governo, amanhã, o Governador vai fazer duas coisas que eu queria que ele fizesse já no primeiro turno. Vai mudar o horário de atendimento do serviço público, pra a tarde liberar todo mundo que quer fazer campanha”. Ele ainda afirma que vai pedir ao prefeito de Ji-Paraná, Jesualdo Pires que faça o mesmo, assim como “todos os prefeitos que estão nos apoiando, e pedir se possível que façam isso para nos ajudar, por que isso é muito importante pra gente”.

Essa ação

É criminosa e isso carateriza abuso de poder político, uso descarado da máquina pública em prol de uma candidatura. Modificar o horário de atendimento do serviço público apenas para uma campanha de segundo turno chega a ser uma afronta, já que a maioria da população, que precisa desse atendimento, encontra dificuldades em horário normal devido ao grande volume de trabalho, imagine em horário corrido. O próximo passo vai ser qual, obrigar os servidores a ficarem parados em esquinas balançando bandeirinhas amarelas?

Essa reunião

Em que foram dadas as declarações de Daniel Pereira mostram que o “jeito PT” de administrar continua enraizado no dirigente sindical. Daniel foi deputado estadual por dois mandatos e foi expulso do PT por dar sustentação política a gestão do então presidente da Assembleia Legislativa Natanael Silva (atualmente foragido da justiça, condenado a 14 anos de prisão), mais ou menos nos moldes do grupo flagrado na Operação Termópilas, que prendeu o também ex-presidente da Assembleia, Valter Araújo. Na época, o PT ainda era um partido com ideais e ideologias sérias. Natanael havia contratado a então esposa de Daniel na Assembleia. Ao ser denunciado, Daniel Pereira devolveu o dinheiro recebido por ela, mas mesmo assim foi expulso da legenda.

Essa mania

De achar que servidor comissionado e prefeituras devem trabalhar em prol de reeleição é típica de militância de esquerda. É bom olhar se Mauro Nazif não andou publicando nenhum decreto para alterar os horários de trabalho na prefeitura de Porto Velho também. Isso, se concretizado, pode virar ação de improbidade contra o prefeito.

Falando em prefeitura

Na próxima terça-feira o tempo deve fechar lá pelas bandas da Câmara de Vereadores em relação a prefeitura de Porto Velho. Os vereadores tem recebido farta documentação com uma série de denúncias de supostos atos de corrupção por parte do primeiro escalão da gestão Nazif.

Um dos assuntos

A ser discutido será o contrato “emergencial” entre a prefeitura e a empresa paulista Lara, para a coleta de lixo na capital. Um dia antes da licitação, Painel Político antecipou que a empresa sairia vencedora do certame. O Tribunal de Contas pediu explicações sobre o ocorrido e o secretário municipal de serviços públicos disse que “o contrato vai continuar”. É bom o secretário lembrar que seu antecessor saiu daquela secretaria preso, e pelo andar da carruagem…

Na coordenação

Mariana Carvalho, a “namoradinha” de Porto Velho vai coordenar a campanha de Expedito Júnior na capital. Ela já está organizando o ninho e a partir de segunda-feira todo seu time vai estar em campo.

No outro time

O governo escalou o deputado federal milionário Lúcio Mosquini, que assume a coordenação de campanha e já chegou botando pressão nos prefeitos. Telefonou para vários na tarde desta quinta-feira e determinou apoio incondicional a reeleição, sob pena de ficarem vetados no governo. Mosquini está sendo investigado pelo Ministério Público por enriquecimento ilícito.

Violência

O que deveria ser uma “ilha de tranquilidade” vem se tornando palco de uma série de eventos violentos nos últimos anos. Apesar de não ser possível prever reações, esta semana, uma mulher efetuou três disparos contra um rapaz dentro do Porto Velho Shopping e o evento poderia ter virado uma tragédia. Na semana passada uma mulher sofreu sequestro relâmpago no estacionamento, e o incidente terminou com ela batendo seu carro e o assaltante sendo capturado. O shopping precisa rever seus protocolos de segurança com urgência, antes que ocorra algo pior.

Na verdade

A escalada da violência está atingindo patamares assustadores em Rondônia. Reflexo de uma gestão desastrosa.

Ebola

O governo adotou algumas medidas para conter a entrada do vírus ebola. No aeroporto, onde não chega nenhum imigrante. Eles entram de carro ou de ônibus vindo pelo Acre ou por Guajará-Mirim, via Bolívia. A fiscalização tem que ser intensificada nas estradas e não no aeroporto. Refugiado não tem dinheiro para comprar passagem aérea.

Para contatos

Fale conosco pelos telefones (69) 3225-9979 ou 9363-1909. Também estamos no https://www.facebook.com/alan.alex.pvh e no Twitter (@painelpolitico). Caso prefira, envie correspondência para Rua da Platina, 4326, Conjunto Marechal Rondon. Whatsapp 9248-8911.

Deficientes visuais têm quatro vezes mais pesadelos do que pessoas com visão normal
Um novo estudo dinamarquês revela que as pessoas cegas têm consideravelmente mais pesadelos do que as pessoas com visão normal e aqueles que se tornaram cegos mais tarde na vida. O estudo, recentemente publicado na revista “Sleep Medicine”, mostra que uma média de 25% dos sonhos vividos por pessoas que nasceram cegas são pesadelos – enquanto eles representam apenas 6% dos sonhos de pessoas cuja visão é intacta. Durante um período de quatro semanas, a equipe de cientistas da Universidade de Copenhague e Glostrup Hospital seguiram 11 pessoas que nasceram cegas, 14 que se tornaram cegas mais tarde na vida e 25 pessoas com a visão normal. Eles pediram aos participantes para tomarem nota do que eles sonharam. Os resultados mostram que as pessoas que nascem cegas não têm sonhos com conteúdo visual e 25% dos seus sonhos eram pesadelos. Já as pessoas que perderam a visão mais tarde na vida podem ter conteúdo visual em seus sonhos, embora quanto mais tempo eles estão sem a visão, menos são os sonhos que têm com qualquer conteúdo visual. Sete por cento dos seus sonhos eram pesadelos. Os sonhos das pessoas com vista normal são baseados em imagens e elas têm pesadelos apenas 6% do tempo. Os assuntos dos sonhos dos participantes da pesquisa “foram muitas vezes relacionados com ameaças vividas no cotidiano”. Uma mulher muitas vezes tinha pesadelos sobre ser atropelada por um carro ou entrar em situações sociais embaraçosas, como derramar uma xícara de café.

Anúncios
Alan Alex é jornalista, editor do site e da coluna Painel Político. Natural de Porto Velho foi criador e editor do site Portal364, trabalhou na redação dos jornais Diário da Amazônia, Folha de Rondônia, revista Painel Político, foi assessor de imprensa, é roteirista, editor de conteúdo e relações públicas. Também atuou como repórter de TV e rádio. É filiado à ABRAJI.

Participe do debate. Deixe seu comentário