Delcídio diz que algumas CPIs são feitas para ‘achacar’ empresários

Em delação, ex-senador já havia acusado alvos de nova fase da Lava Jato de cobrarem ‘pedágio’ de empresários investigados em troca de proteção na CPI da Petrobrás em 2014

O ex-senador Delcídio Amaral (sem partido-MS) disse nesta segunda-feira, 5, em entrevista ao programa Timeline, da Rádio Gaúcha, que existem Comissões Parlamentares de Inquérito (CPIs) que são criadas para “achacar” empresários e empresas. Ele fez as declarações após a Polícia Federal e a Procuradoria-geral da República deflagrarem na manhã desta segunda uma nova etapa da Lava Jato no Supremo Tribunal Federal (STF), tendo como alvo o ministro do Tribunal de Contas da União Vital do Rêgo e o deputado federal Marco Maia (PT-RS). Os dois são suspeitos de blindar empreiteiros na CPI Mista da Petrobrás realizada em 2014.

A investigação foi aberta em maio com base na delação de Delcídio, que acusou Maia e Vital de cobrarem “pedágio” de empresários investigados na Lava Jato em troca de proteção na CPI Mista da Petrobrás. Vital do Rêgo era presidente da comissão e Marco Maia, relator.

“Existem CPIs que são feitas para achacar as pessoas. Então fica aquela ameaça de convoca, não convoca (para depor). Um empresário, por exemplo, quando senta numa mesa de uma CPI para prestar depoimento, isso para a empresa é corrosivo, traz uma série de problemas para a imagem (da companhia)”, disse Delcídio na entrevista à Rádio Gaúcha.
De acordo com o ex-senador, o ato de criar uma CPI com um propósito alheio à intenção de investigar irregularidades é frequente. “Não estou generalizando, mas muitas CPIs são feitas para achacar empresários, achacar empresas. Esse tipo de coisa não está acontecendo (somente) agora. É histórico”, afirmou.

Delcídio reforçou as acusações feitas em sua delação premiada, de que no âmbito da CPI Mista da Petrobrás eram feitas negociações para poupar empresários de serem convocados a prestar esclarecimentos. “Não sei se todo mundo sabia, mas todo mundo desconfiava. E como eu sempre tive uma relação muito franca, conversava com todos os setores e todos os segmentos, eu tinha mais informações”, mencionou. Ele acrescentou, no entanto, que a base do processo que investiga corrupção na CPI é o relato dos próprios empresários, como o executivo Léo Pinheiro, da OAS, e o lobista Júlio Camargo.

Anúncios
Painel Político, principal fonte de informações políticas de Rondônia. Com noticiário completo sobre economia, variedades e cultura.

Participe do debate. Deixe seu comentário