Depoimento de Marcelo Odebrecht sobre bilhete é adiado

Empreiteiro escreveu mensagem para advogados com os dizeres “destruir e-mail sondas”. Para a PF, pode ter sido uma orientação para destruir provas

A Polícia Federal adiou nesta quinta-feira o depoimento do presidente da construtora Odebrecht, Marcelo Odebrecht, preso desde 19 de junho em Curitiba por suspeitas de envolvimento com o escândalo do petrolão. Esta seria a primeira oitiva do executivo desde que ele foi [su_frame align=”right”] [/su_frame]detido na 14ª fase da Operação Lava Jato e teria como tema principal um bilhete redigido pelo empreiteiro e apreendido no final de junho pelos policiais.

No manuscrito, Odebrecht diz a seus defensores: “Destruir email sondas”. Sobre o teor do bilhete, duas interpretações se contrapõem. Para os investigadores, o bilhete poderia representar uma ordem para a destruição de provas em uma tentativa de obstruir a investigação. Para os advogados do empresário, o uso de destruir era metafórico: Odebrecht apenas os orientava a desconstruir com argumentos a suspeita de ter superfaturado contratos com a Petrobras.

O depoimento desta quinta-feira, originalmente agendado para as 9h30, foi adiado porque a Polícia Federal não concordou que a advogada Dora Cavalcanti acompanhasse a fala do executivo. Dora é uma das pessoas que recebeu o bilhete e, segundo a PF, poderá ser ouvida como investigada ou como testemunha do caso. Na época do episódio, os policiais deram prazo de 24 horas para a apresentação do manuscrito pela Odebrecht, mas não obteve retorno. O original do bilhete está com a seção do Paraná da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), que acusa a PF de quebra ilegal do sigilo profissional dos defensores de Marcelo Odebrecht.

Anúncios
Alan Alex é jornalista, editor do site e da coluna Painel Político. Natural de Porto Velho foi criador e editor do site Portal364, trabalhou na redação dos jornais Diário da Amazônia, Folha de Rondônia, revista Painel Político, foi assessor de imprensa, é roteirista, editor de conteúdo e relações públicas. Também atuou como repórter de TV e rádio. É filiado à ABRAJI.

Participe do debate. Deixe seu comentário