Deputados federais gastaram R$ 1,13 milhão em restaurantes em 6 meses

Foram necessários seis meses para a Câmara Federal torrar mais de um milhão de reais com alimentação. A crise financeira não afetou a farra dos 513 deputados federais, que, de janeiro a julho, gastaram R$ 1,13 milhão em restaurantes, segundo levantamento da Operação Política Supervisionada (OPS), coordenada pelo ativista Lúcio Batista.

O valor foi ressarcido por meio da Cota de Auxílio de Atividade Parlamentar (Ceap). Em comparação com igual período do ano passado, houve aumento de 21,5%, R$ 197,2 mil.

O valor gasto por suas excelências seria suficiente para comprar 2.856 cestas básicas, considerando o valor da cesta em São Paulo, a mais cara do Brasil, que custava, em julho, R$ 395,83.

Lúcio Big, como é conhecido o ativista, detalhou os gastos mensais. Em março, suas excelências bateram o recorde do ano até o momento, gastando R$ 234,1 mil. O menor valor foi em julho, no recesso: R$ 94,08 mil.

A principal surpresa acontece em janeiro, quando não há expediente no Congresso. No mês, os deputados federais gastaram R$ 95,6 mil em restaurantes. Tudo isso ressarcido com dinheiro do contribuinte. Em 2014, no primeiro mês do ano, R$ 71,6 mil voltaram para o bolso dos parlamentares.

Pelo desenrolar dos fatos, os parlamentares fecharão 2015 com o maior gasto com alimentação em cinco anos. Em média, neste ano, foram desembolsados R$ 161,5 mil por mês. Faltando cinco meses para encerrar 2015, os deputados torrarão algo em torno de R$ 2 milhões até dezembro, levando-se em consideração o ritmo atual.

Numa comparação com anos anteriores, em 2011, foram desembolsados R$ 1,76 milhão. Em 2012, 1,53 milhão. Em 2013, a Câmara pagou R$ 1,72 milhão com alimentação. O menor gasto aconteceu no ano passado: R$ 1,44 milhão.

Quem mais gastou com alimentação, no semestre passado, foram Rogério Peninha Mendonça (PMDB-SC). Sozinho, ele pediu o ressarcimento de R$ 19,92 mil com despesas com comida.

Na segunda posição, aparece o deputado Paulão (PT-AL), com R$ 16,11 mil. Roberto Freire (PPS-SP) solicitou a devolução de R$ 15,70 mil. Francisco Floriano (PR-RJ) e Zeca Dirceu (PT-PR) encerram a lista dos cinco mais gastões, com R$ 13,66 mil e R$ 12,67 mil, respectivamente.

A Câmara permite a utilização do Cotão para despesas alimentares. No entanto, elas precisam “custear gastos exclusivamente vinculados ao exercício da atividade parlamentar”, conforme determina o ato da Mesa Diretora que disciplina o uso de dinheiro público para tais despesas.

Diário do Poder

Anúncios
Alan Alex é jornalista, editor do site e da coluna Painel Político. Natural de Porto Velho foi criador e editor do site Portal364, trabalhou na redação dos jornais Diário da Amazônia, Folha de Rondônia, revista Painel Político, foi assessor de imprensa, é roteirista, editor de conteúdo e relações públicas. Também atuou como repórter de TV e rádio. É filiado à ABRAJI.

Participe do debate. Deixe seu comentário