Dilma considera reajuste de até 78% para Judiciário “insustentável”

A presidente lembrou que os valores aprovados pelo plenário do Senado comprometeriam o ajuste fiscal

A presidente Dilma Rousseff classificou o reajuste de até 78% a servidores do Judiciário como “insustentável”. Ela fez a declaração após visitar a sede da empresa norte-americana Google, no Vale do Silício, no último dia da visita oficial aos Estados Unidos.

[su_frame align=”right”] [/su_frame]”É insustentável, um país como o nosso, em qualquer circunstância, dar níveis de aumento tão elevados”, declarou a presidente, que ressaltou que os valores comprometeriam o ajuste fiscal.

O reajuste escalonado foi aprovado nesta terça-feira (30/6), em votação no Senado. O pagamento deverá ser feito em seis parcelas, entre julho deste ano e dezembro de 2017. “Congresso, como a democracia, é assim: tem dia que você ganha, tem dia que você perde”, disse a presidente sobre a decisão, lembrando que no mesmo dia a redução da maioridade penal não foi aprovada na Câmara.

O ministro do Planejamento, Nelson Barbosa, que também está nos Estados Unidos, já adiantou que o governo vai vetar o projeto. Para ele, a decisão irá provocar um efeito cascata nos servidores de estados e municípios e uma corrida pela isonomia no Executivo.

Carro sem motorista

Durante a visita, a presidente teve a oportunidade de andar no carro autônomo da Google. Ela e a filha Paula testaram um veículo do modelo Lexus sem motorista, e ficaram impressionadas com a tecnologia: “Acabei de descer do futuro”, disse ela ao descer do carro após uma volta de 20 minutos, “É um nível de desenvolvimento que eu não imaginei que houvesse.”

Anúncios
Alan Alex é jornalista, editor do site e da coluna Painel Político. Natural de Porto Velho foi criador e editor do site Portal364, trabalhou na redação dos jornais Diário da Amazônia, Folha de Rondônia, revista Painel Político, foi assessor de imprensa, é roteirista, editor de conteúdo e relações públicas. Também atuou como repórter de TV e rádio. É filiado à ABRAJI.

Participe do debate. Deixe seu comentário