Dilma quer celeridade no impeachment e defende que Congresso se reúna em janeiro

A presidente Dilma Rousseff defendeu nesta segunda-feira (7), após se reunir com um grupo de juristas contrários ao impeachment, que o Congresso Nacional não deve entrar de recesso. O início da folga dos parlamentares está marcado para começar no dia 23 de dezembro. Eles retomariam os trabalhos no dia 2 de fevereiro. Segundo a presidente, o país não vive um momento para o recesso.

“Eu prefiro e acho que não deve haver recesso. Não podemos nos dar ao direito de parar o país até 2 de fevereiro. Acho justo parar nas festas. Agora, o Congresso pode funcionar em janeiro assim que passarem as festas. Aí retoma e julga as coisas pendentes. Não pode o país ficar em compasso de espera até 2 de fevreiro.”, afirmou a presidente.

[su_frame align=”right”] [/su_frame]Após o presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), ter dado prosseguimento, na última semana, ao pedido de impeachment de Dilma, o trâmite começou a correr no Congresso. Uma comissão especial na Câmara será instalada e deverá elaborar um parecer sobre o tema, que depois será analisado no plenário da Casa. Se for aprovado na Câmara, o impeachment deve ser votado no Senado.

Com o recesso parlamentar, os trâmites do processo obrigatoriamente se estenderiam para os primeiros meses de 2016, o que não é de interesse do governo.

“Eu acredito que, em situação de crise, como esta política e econômica pela qual o país passa, seria importante que o Congresso fosse convocado [para trabalhar nas férias]. Ele pode ser convocado por mim, pelos presidentes da Câmara e do Senado. Vou conversar com o presidente do Senado para ver como as coisas vão se dar”, continuou Dilma.

A presidente falou também sobre os danos que, segundo ela, um processo de impeachment causaria à democracia do país. Na opinião de Dilma, a democracia no Brasil foi conquistada com luta “e até mortes”, por isso deve ser defendida dentro da “legalidade”.

“O Brasil conquistou de forma bastante lutada, com grandes sacrifícios de pessoas, inclusive com mortes, a democracia. Nós temos de fato uma democracia punjante. Daí a importância da preservação da legalidade. Só dentro da legalidade, nós, de fato unificaremos o país”, afirmou a presidente.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *