É recorde número de pessoas que morrem no Mediterrâneo tentando chegar à Europa

[su_frame align=”right”] [/su_frame]Mais de 3,4 mil pessoas morreram este ano nas águas do Mediterrâneo enquanto tentavam chegar à Europa, informou hoje (10) o Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados (Acnur).

Mais de 207 mil pessoas fizeram a perigosa travessia marítima desde janeiro, quase três vezes o número dos que se arriscaram em 2011, durante a guerra civil na Líbia (70 mil pessoas), segundo o Acnur.

Desses, 3.419 morreram, um número recorde, tendo em vista o total de mortes de migrantes em barcos em todo o mundo neste ano (4.272).

A maioria das pessoas partiu da Líbia em direção à Itália e Malta, em busca de emprego ou asilo – os números incluem 60.051 sírios e 34.561 eritreus.

Os dados foram divulgados no início de uma reunião de dois dias em Genebra com o alto comissário das Nações Unidas para os Refugiados, Antônio Guterres, em que se discutem formas de proteger as pessoas que se arriscam a fazer essas travessias para escapar de perseguições, guerras, instabilidade e pobreza.

Guterres alertou que muitos estados parecem estar mais preocupados em defender as fronteiras do que em prevenir mortes.

Sem citar países específicos, o ex-primeiro-ministro português classificou essa atitude de “a reação errada numa época em que números recorde de pessoas estão fugindo de guerras”.

Anúncios
Alan Alex é jornalista, editor do site e da coluna Painel Político. Natural de Porto Velho foi criador e editor do site Portal364, trabalhou na redação dos jornais Diário da Amazônia, Folha de Rondônia, revista Painel Político, foi assessor de imprensa, é roteirista, editor de conteúdo e relações públicas. Também atuou como repórter de TV e rádio. É filiado à ABRAJI.

Participe do debate. Deixe seu comentário