Eduardo Cunha é hostilizado e tietado em aeroporto de Brasília

O ex-deputado também foi chamado de “golpista”

O ex-deputado Eduardo Cunha (PMDB) foi o centro das atenções no saguão do aeroporto Presidente Juscelino Kubitschek, em Brasília, na tarde desta quinta-feira. Ele foi tanto hostilizado, quanto tietado. Cunha teve o mandato cassado na última segunda-feira acusado de ter mentido na Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) que investigava crimes contra a Petrobrás.

“O dia que o senhor tiver uma arma na cabeça ou tomar um murro por causa de um celular, o senhor vai saber o que é segurança”, gritou uma mulher enquanto ele deixava o saguão. Cunha sorriu e seguiu em frente. O ex-deputado também foi chamado de “golpista”. Por outro lado, uma multidão de curiosos pediu fotos com ele, que parou para atender. Um grupo passou a gritar o nome de Cunha e “Fora, PT”, respondido por um coro de “Fora, Cunha”.

Eduardo Cunha vira alvo de selfie, mas não escapou de gritos de “Fora, Cunha”
Eduardo Cunha vira alvo de selfie, mas não escapou de gritos de “Fora, Cunha” Foto: Michael Sá

O resultado da votação para a cassação do deputado foi de 450 a 10 pela perca do mandato. Para ele, o resultado foi fruto de uma conjuntura que reuniu a articulação do governo e a proximidade das eleições municipais, além de ter sido alimentado por um desejo de “vingança” nutrido por aliados de Dilma.

Eduardo Cunha vira alvo de selfie, mas não escapou de gritos de “Fora, Cunha”
Eduardo Cunha vira alvo de selfie, mas não escapou de gritos de “Fora, Cunha” Foto: Michael Sá

“É o conjunto político, do processo de vingança, da conjuntura. E aí eu culpo o governo hoje, não porque o governo tenha feito nada para me cassar, mas quando o governo patrocinou a candidatura do presidente que se elegeu em acordo com o PT, o governo, de uma certa forma, aderiu à agenda da minha cassação”, disse na saída da sessão.

Eduardo Cunha vira alvo de selfie, mas não escapou de gritos de “Fora, Cunha”
Eduardo Cunha vira alvo de selfie, mas não escapou de gritos de “Fora, Cunha” Foto: Michael Sá

Cunha referia-se à eleição de Rodrigo Maia (DEM-RJ) ao comando da Casa, candidatura que contou com o apoio de aliados de Dilma justamente por ser a mais competitiva em contraposição ao candidato mais identificado com Cunha.

Eduardo Cunha vira alvo de selfie, mas não escapou de gritos de “Fora, Cunha”
Eduardo Cunha vira alvo de selfie, mas não escapou de gritos de “Fora, Cunha” Foto: Michael Sá

“Eu disse que o governo é culpado quando fez o patrocínio, porque quem elegeu o presidente da Casa foi o governo, quem derrotou o candidato Rogério Rosso (PSD-DF) foi o governo”, afirmou, negando no entanto, que seja de seu feitio fazer ameaças.

Eduardo Cunha vira alvo de selfie, mas não escapou de gritos de “Fora, Cunha”
Eduardo Cunha vira alvo de selfie, mas não escapou de gritos de “Fora, Cunha” Foto: Michael Sá

A cassação de Cunha marca o fim, ao menos por ora, de sua carreira política, já que com a Lei da Ficha Limpa a perda do mandato o deixa inelegível por oito anos, mas não encerra a controvérsia que cerca o deputado. Cresce agora, no ambiente político, o temor que faça uma delação premiada no âmbito da Lava Jato, podendo envolver integrantes do atual governo.

As informações são do jornal Extra

Alan Alex é jornalista, editor do site e da coluna Painel Político. Natural de Porto Velho foi criador e editor do site Portal364, trabalhou na redação dos jornais Diário da Amazônia, Folha de Rondônia, revista Painel Político, foi assessor de imprensa, é roteirista, editor de conteúdo e relações públicas. Também atuou como repórter de TV e rádio. É filiado à ABRAJI.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *