Eike Batista já está em casa e deve cumprir prisão domiciliar

O empresário conseguiu habeas corpus na última sexta-feira (28). A decisão foi do Ministro do STF, Gilmar Mendes; ele ficará em sua residência no Rio

O empresário Eike Batista deixou o Complexo de Bangu, no Rio de Janeiro, por volta das 9h30 da manhã de domingo (30). O empresário, que foi preso após deflagração da Operação Eficiência, da Polícia Federal, vai cumprir prisão domiciliar, em sua residência localizada no Jardim Botânico, também no Rio.

O empresário Eike Batista conseguiu habeas corpus no Supremo Tribunal Federal (STF) na última sexta-feira (28), decisão essa tomada pelo Ministro Gilmar Mendes, do STF.  O empresário, antes de chegar a sua residência e que deve cumprir nove medidas cautelares, fará exame de corpo de delito no Instituto Médico Legal.

O empresário, para não voltar para Bangu, deve cumprir a risca nove medidas cautelares, sendo elas:

Ficar afastado da direção e da administração de suas empresas – Grupo X;

Está proibido de ter qualquer contado com pessoas que são rés ou investigadas em processos relacionados à Lava Jato;

Não pode se opor a levantamentos permanentes dos sigilos telefônicos e telemáticos enquanto à medida cautelar estiver vigente;

Não pode se ausentar de sua residência, só em caso de emergências médicas e mediante a informar o ocorrido ao juízo em que corre o processo;

Deve atender todas as comunicações judiciais;

Entregar seu passaporte em até 24 horas;

Não pode mudar o local da prisão domiciliar sem autorização judicial;

Seus advogados devem registrar todas as pessoas que estiveram na residência do empresário; sendo proibida a entrada de pessoas que não sejam seus advogados ou seus parentes. Todos devem constar nos autos para visitação;

Investigações

O empresário e seus representantes legais não podem impedir que agentes da Polícia Federal façam visitas periódicas ao imóvel, mesmo que eles não tenham um mandato do juiz.

O magnata é réu por corrupção ativa, lavagem de dinheiro e organização criminosa. De acordo com as investigações, o empresário teria repassado US$ 16,5 milhões em propina ao então governador do Rio, Sérgio Cabral (PMDB), por meio de contratos fraudulentos com o escritório de advocacia da mulher de Cabral, Adriana Ancelmo, e uma ação fraudulenta que simulava a venda de uma mina de ouro, por intermédio de um banco no Panamá.

Em depoimento na Polícia Federal, Eike Batista confirmou o pagamento para tentar conseguir vantagens para as empresas do grupo EBX, presididas por ele.

Alan Alex é jornalista, editor do site e da coluna Painel Político. Natural de Porto Velho foi criador e editor do site Portal364, trabalhou na redação dos jornais Diário da Amazônia, Folha de Rondônia, revista Painel Político, foi assessor de imprensa, é roteirista, editor de conteúdo e relações públicas. Também atuou como repórter de TV e rádio. É filiado à ABRAJI.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *