Ele matou 492 pessoas no Brasil e ainda está foragido; sua vida agora, virou filme, “O Nome da Morte”

Na vida real, o assassino está solto e escondido em uma cidade do interior do Brasil

Baseado na história real de um pistoleiro que matou quase 500 pessoas, o filme “O Nome da Morte” ganhou o seu primeiro trailer, divulgado nesta terça-­feira (10). O filme, que tem previsão de estreia para 9 de agosto, conta a história de Júlio Santana (Marco Pigossi), um jovem que vive com a família no interior do Brasil.

Por lealdade ao seu tio Cícero (André Mattos), Júlio mata pela primeira vez. Descobre então uma perturbadora vocação, que irá se transformar em ofício.

Religioso, Júlio é atormentado por sua consciência a cada disparo, mas segue adiante, tornando-se um matador de aluguel que afirma ter assassinado 492 pessoas. Na vida real, o assassino está solto e escondido em uma cidade do interior do Brasil. Ele só foi preso uma vez e escapou após subornar um policial.

Cartaz de “O Nome da Morte”

No longa-metragem, dirigido por Henrique Goldman (de “Jean Charles”), Julio é retratado como um homem carinhoso. Ele se casa com Maria (Fabiula Nascimento) e demonstra ser um bom pai de família, enquanto vive um mergulho num país sem lei, onde cada vida tem seu preço. O filme foi baseado no livro homônimo de 2006, escrito pelo jornalista Klester Cavalcanti.

As filmagens ocorreram em 2016, no Tocantins. Pigossi afirmou que a ideia era fugir do estereótipo do matador. “O Julio Santana foge de tudo o que já fiz. Queremos mostrar o lado humano do matador”, afirmou. Já o diretor disse que o desafio foi falar de algo hediondo de maneira natural. “Vivemos em uma sociedade onde impera a impunidade. Em outro contexto, talvez nunca existisse um Julio Santana”, apontou.

As informações são do UOL

Anúncios
Alan Alex é jornalista, editor do site e da coluna Painel Político. Natural de Porto Velho foi criador e editor do site Portal364, trabalhou na redação dos jornais Diário da Amazônia, Folha de Rondônia, revista Painel Político, foi assessor de imprensa, é roteirista, editor de conteúdo e relações públicas. Também atuou como repórter de TV e rádio. É filiado à ABRAJI.

Participe do debate. Deixe seu comentário