Em depoimento a Moro, Pezão diz que nunca falou com Cabral sobre propina

Também disse que não sabe nada sobre a vida pessoal do ex-governador.

O governador Luiz Fernando Pezão prestou um depoimento de 8 minutos e meio ao juiz Sérgio Moro na tarde desta quinta-feira. Vice-governador, secretário de obras e coordenador de infraestrutura durante a gestão de Cabral, Pezão afirmou que Cabral nunca falou com ele sobre propina, não interferiu na escolha de nenhuma empresa em obras públicas, nem indicou pessoas para participarem da comissão de licitações. Também disse que não sabe nada sobre a vida pessoal do ex-governador.

Pezão foi ouvido por videoconferência, após ser chamado como testemunha de defesa de Cabral. O advogado do ex-governador fez a maior parte das perguntas. Em pelo menos três oportunidades, a resposta de Pezão foi a mesma. Ao ser perguntado se Cabral já havia mencionado a cobrança de vantagens indevidas em obras públicas, se ele interferiu em alguma licitação e se indicou alguém para essa tarefa Pezão disse apenas:

— Nunca.

Segundo o atual governador, Pezão dava autonomia para os secretários escolherem as pessoas que iriam trabalhar com ele. Ele confirmou que já participou de reuniões com o ex-diretor da Petrobras Paulo Roberta Costa, mas nunca discutiu propina:

— Participei de diversas reuniões com o paulo roberto costa, como coordenador de infraestrutura, junto com diversos secretários, de agilizarmos as licenças, principalmente um problema na região do Comperj, para abastecimento de água porque ia crescer muito a região e não teria água ali, com outros diversos secretários.

Questionado pelo procurador Athayde Ribeiro Costa se sabia que Carlos Miranda, considerado pelos investigadores como o operador do ex-governador Sérgio Cabral, pagava contas pessoais do governador em dinheiro, Pezão negou que tivesse conhecimento da vida pessoal de Cabral.

— Não, não sei. Da vida pessoal do governador, eu não conheço.

Embora não soubesse responder sobre o dia a dia de Sérgio Cabral, Pezão afirmou que conhecia Carlos Miranda. Segundo Pezão, os dois se conheceram “com a turma do Sérgio que participou da campanha”. Além da corrida para o governo, o governador disse que os dois também se encontravam em confraternizações.

— Conheci diversas vezes com a turma do Sérgio que participou da campanha de 2007 (sic) quando fui vice-governador, todos amigos dele. E depois também em 2010. E sempre em confraternização, algumas festas que nós participamos juntos.

Na Lava-Jato, Cabral é acusado de ter recebido R$ 2,7 milhões em propina da Andrade Gutierrez, relacionada ao contrato de terraplanagem do Complexo Petroquímico do Rio de Janeiro (Comperj). Além da Andrade, também participaram do contrato Odebrecht e Queiroz Galvão.

Nesta sexta-feira, Pezão deve voltar a prestar depoimento, desta vez perante o juiz Marcelo Bretas, do Rio.

Fonte: extra.globo
Anúncios
Painel Político, é um blog de notícias de Rondônia, com informações sobre política regional, nacional, economia, jurídico e variedades. Siga-nos nas redes sociais, visite-nos diariamente e fique sempre bem informado.

Participe do debate. Deixe seu comentário