Encontro nacional de juízes negros discute identidade e racismo

Brasília recebeu nesta quarta-feira (10/5) o 1º Encontro Nacional de Juízas e Juízes Negros. Nas palavras do desembargador Sandoval Gomes de Oliveira, único magistrado negro no Tribunal de Justiça do DF e Territórios (TJDFT), o “evento ficará para a história”. Em um discurso bastante aplaudido, Sandoval destacou a trajetória de luta para ocupar o alto posto no Judiciário da capital e a importância de se discutir “a identidade negra na magistratura brasileira” — tema do evento.

“Sou filho de lavadeira e mestre de obra. Trabalhei como engraxate, vendedor de picolé, cobrador de ônibus e hoje sou desembargador.” diz Sandoval Oliveira, desembargador
O magistrado afirmou que o Brasil tem uma dívida histórica com a raça negra, “proveniente de séculos de exploração e opressão” e, apesar das conquistas, como a lei de cotas, ainda é preciso avançar no sentido da rejeição de qualquer discriminação racial. “A adesão plena ao respeito universal deve ser idealizada como uma forma de banir a condenável ideia de superioridade entre os seres humanos”, destacou.

Primeiro encontro
Inédito no Judiciário brasileiro, o encontro debaterá, até sexta-feira (12/5), assuntos como a igualdade racial na magistratura e o racismo na sociedade.

Na abertura, realizada no TJDFT, estiveram presentes a ministra dos Direitos Humanos, Luislinda Valois; o ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Luiz Fux; o desembargador Humberto Adjuto Ulhôa, do TJDFT; e o ator Milton Gonçalves, entre outros.

Coordenadores do evento, os juízes Fábio Esteves e Edinaldo César Junior, presidentes da Associação dos Magistrados do DF (Amagis-DF) e Associação dos Magistrados de Sergipe (Amase), respectivamente, comemoraram a oportunidade de debater temas importantes. “Este encontro promete construir e chamar atenção”, disse Fábio.

“Nós negros vivemos sós. Fui o único negro da sala de aula, sou o único no restaurante que frequento, o único no meu tribunal. Estamos cansados de sermos sozinho, cansados de sermos o primeiro disso ou daquilo. Queremos identidade”, registrou Edinaldo.

Representatividade
Segundo o ministro do STF Luiz Fux, que também discursou durante a abertura do encontro, uma pesquisa realizada pelo Conselho Nacional de Justiça evidenciou a disparidade no sistema: 84,5% dos magistrados brasileiros são brancos, enquanto apenas 15,6% são negros. “Num país que se declara que não é racista, isso é uma verdadeira mentira.” O ministro defendeu a importância da realização do evento.

Fonte: metropoles.com

Anúncios
Painel Político, é um blog de notícias de Rondônia, com informações sobre política regional, nacional, economia, jurídico e variedades. Siga-nos nas redes sociais, visite-nos diariamente e fique sempre bem informado.

Participe do debate. Deixe seu comentário