Endividamento de consumidores em Porto Velho mantém crescimento em julho

Enquanto o percentual das famílias endividadas, em julho, em nível nacional, caiu -0,15, ficando em 61,9%, ante 62% de junho, o mesmo não ocorreu em Porto Velho, onde o número de famílias endividadas no mesmo período cresceu para 62,4%, ou seja, um crescimento de 1,5% em relação a junho. Com este resultado o endividamento de Porto Velho ultrapassou a média nacional sendo agora 0,8% maior que o endividamento nacional.

A constatação é da Pesquisa de Endividamento e Inadimplência do Consumidor (Peic), feita em conjunto pela Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC) e a Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de Rondônia (Fecomércio-RO). Trata-se do segundo mês consecutivo em que o endividamento cresce. O percentual das dívidas e das contas em atraso cairam -1,3%, porém, negativo mesmo foi o crescimento das famílias que não terão condições de pagar suas contas que saltaram de 4,7%, em junho, para 5,7% em julho, ou seja, um crescimento muito alto de 21,3%.

Segundo o presidente da Fecomércio-RO, Raniery Araujo Coelho, “O crescimento do endividamento por dois meses seguidos retrata as dificuldades da economia, a deterioração do nível de emprego e a incerteza sobre o futuro econômico, mas, nós, comerciantes, não podemos deixar de ser otimistas. Somos maiores do que a crise”.

Entre as famílias com contas em atraso predomina o prazo acima de 90 dias, que representou 56% em Julho, seguida das de até 30 dias que correspondem a 22,1%, e entre 30 e 90 dias que são 19,8%. Só 2,2% não sabem ou não responderam. O tempo médio de atraso voltou a subir dos 61,5 dias de junho para os 67 dias de julho.

O nível de endividamento das rendas das famílias, em julho, teve a predominância das famílias sem dívidas (37,6%), seguido pelos de famílias pouco endividadas (34,5%), os mais ou menos endividados foram 24,7% e os muito endividados permaneceram no mesmo patamar, 3,1%. O tempo médio de comprometimento da renda também permaneceu em 6,6 meses.

Os cartões de crédito continuaram liderando como principal fonte de endividamento (60,9%), sendo acompanhado pelos carnês (44,3%). Depois deles, o crédito consignado (13,7%), o crédito pessoal (9,1%) e, por fim, o financiamento de carro (5,5%).

O Departamento Econômico da Fecomércio considera que os números são reflexos diretos do aumento das dificuldades de acesso ao crédito, bem como das taxas de juros mais elevadas que diminuem a produção e o consumo, tornando o cenário menos favorável e influindo nas perspectivas futuras.

Painel Político, principal fonte de informações políticas de Rondônia. Com noticiário completo sobre economia, variedades e cultura.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *