Estudo revela que ‘1º britânico’ era negro e tinha olhos azuis

Pesquisa com DNA mostra resultado bem distante da referência da aparência nórdica que se tem até hoje

Um estudo liderado pelo Museu de História Natural de Londres revelou que o “primeiro homem britânico” era negro e tinha olhos azuis – bem distante da referência da aparência nórdica que se tem até hoje.

A descoberta foi feita com base em um estudo de DNA mais aprofundado do “Cheddar Man”, o esqueleto completo mais antigo encontrado em território britânico e que foi descoberto em 1903.

Estima-se que o homem primitivo tenha vivido há mais de 10 mil anos na Inglaterra. Os restos mortais foram achados dentro da caverna Gough, que fica no condado de Cheddar, em Somerset, e isso permitiu a conservação do DNA.

De acordo com o diretor do Museu, Chris Stinger, é “surpreendente ver que um britânico, há 10 mil anos, tinha a pele bem escura e os olhos azuis”. O professor ainda explicou que a pesquisa só foi realizada agora graças aos avanços tecnológicos do último ano em matéria de identificação de genoma.

Eles ainda aproveitaram o estudo para recriar o rosto do homem, que tem feições duras típicas dos grupos de coletores-caçadores da época.

Segundo um relatório divulgado nesta quarta-feira (7), as características dos europeus atuais, com pele mais branca, é um “fenômeno recente” na história. Isso porque, de acordo com Stinger, as novas populações que foram chegando à região baseavam-se na agricultura, ingerindo uma menor quantidade de vitamina D.

“Não sugerimos que o ‘Cheddar Man’ evoluiu até desenvolver uma pele mais clara, mas sim que houve ondas de populações de pessoas que dominavam a agricultura e portavam o gene de uma cor de pele mais clara”, destacou.

 

Com informações da Ansa.

Anúncios
Painel Político, principal fonte de informações políticas de Rondônia. Com noticiário completo sobre economia, variedades e cultura.

Participe do debate. Deixe seu comentário