“Eu apostei muito no Brasil”, diz Eike Batista à CPI do BNDES

A Comissão Parlamentar de Inquérito que investiga operações realizadas pelo Banco Nacional do Desenvolvimento Econômico e Social, CPI do BNDES, ouve na tarde desta quarta-feira (29/11) Eike Batista. O empresário foi convocado pelos senadores por supostamente ter sido beneficiado, juntamente com o Grupo EBX, por generosos empréstimos concedidos pela instituição. Além disso, os parlamentares questionam os investimentos realizados pela BNDESPar – o braço de participações do banco estatal – nas empresas de Eike.

A sessão, que estava marcada para começar 14h30, foi iniciada com mais de uma hora de atraso. Elegante e articulado, Eike tem usado sua boa oratória para tentar convencer os senadores de que as negociações entre o BNDES e o grupo de empresas por ele comandadas foram estritamente financeiras e dentro da lei.

No início de sua fala, o empresário solicitou que pudesse exibir um vídeo do Porto do Açu, que fica em São João da Barra, no norte do Rio de Janeiro. O empreendimento foi idealizado por Eike Batista. Ao exibir as imagens institucionais, o empresário – que foi preso, acusado dos crimes de corrupção e lavagem de dinheiro – demonstrou mais uma vez sua veia publicitária. Ele parece muito mais estar conversando com amigos e investidores, do que prestando depoimento à uma CPI, para a qual foi convocado – caso não comparecesse, corria o risco de ser conduzido coercitivamente pela Polícia Federal.

O BNDES foi uma complementação no Açu, eu investi muito dinheiro meu (no porto). Eu apostei muito no Brasil e espero que um novo ciclo como esse chegue em breve

(Eike Batista, empresário acusado por corrupção e lavagem de dinheiro)

O empresário é acusado de participar de esquema de corrupção envolvendo o ex-governador Sérgio Cabral. Segundo o Ministério Público Federal, ele teria mentido em depoimento ao dar explicação sobre o pagamento de R$ 1 milhão ao escritório de advocacia de Adriana Anselmo, mulher de Cabral. Atualmente, Eike Batista cumpre recolhimento domiciliar noturno, por determinação do Supremo Tribunal Federal (STF). Na decisão, a Corte também o proibiu de deixar o país e manter contato com outros investigados. Ele também deve comparecer periodicamente em juízo para prestar informações sobre suas atividades.

Fonte: metropoles

Anúncios
Painel Político, é um blog de notícias de Rondônia, com informações sobre política regional, nacional, economia, jurídico e variedades. Siga-nos nas redes sociais, visite-nos diariamente e fique sempre bem informado.

Participe do debate. Deixe seu comentário