FMI recomenda ao Brasil cautela na política monetária

Riscos ligados à velocidade da aprovação das reformas estruturais e fiscais propostas pelo governo permanecem

O Brasil deve ter cautela na condução de sua política monetária e considerar de forma gradual cortes nos juros, em linha com o ritmo do ajuste fiscal e da convergência para a meta de inflação, recomenda o FMI (Fundo Monetário Internacional) em relatório divulgado nesta terça (15).

Para o fundo, embora o país já tenha dado sinais de que está deixando para trás a pior recessão econômica de sua história, os riscos permanecem, sobretudo ligados à velocidade da aprovação das reformas estruturais e fiscais propostas pelo governo.

“A política monetária tem sido calibrada de forma apropriada, com o aperto dos últimos dois anos justificado pelas fortes pressões inflacionárias”, diz o documento. “Enquanto as condições para um ciclo gradual de alívio estão se formando agora, enquanto as expectativas de inflação convergem para a meta, os diretores [do FMI] recomendam que a política monetária deve permanecer relativamente apertada até que haja mais progresso tangível no ajuste fiscal e as expectativas de inflação se movam mais perto da meta do Banco Central”.

As recomendações fazem parte de uma análise do relatório anual do FMI sobre o país produzido em consulta com autoridades brasileiras, e que havia sido lançado no fim de setembro. A estimativa do fundo é que o PIB (Produto Interno Bruto) fechará o ano com recuo de 3,3% e voltará a terreno positivo em 2017, com crescimento de 0,5%.

Embora a análise tenha sido produzida antes da eleição americana, ela se alinha com os sinais de que o BC será cauteloso na condução da política monetária, reforçados após a reação negativa dos mercados financeiros à vitória de Donald Trump na corrida à Casa Branca.

A estimativa da pesquisa Focus do BC é que a Selic termine o ano a 13,75%, com corte de 0,25% ponto percentual na última reunião do Copom (Comitê de Política Monetária, no fim de novembro. Para 2017, a média das projeções é de que a taxa de juros conclua o ano em 10,75%,

Sobre a vitória de Trump, um economista do FMI disse numa conversa com jornalistas que ainda é cedo para prever qual será o impacto para o Brasil, já que a política econômica do presidente eleito ainda não é clara. Mas observou que a incerteza criada pelo resultado da eleição americana levou a quedas nos mercados financeiros dos países emergentes e desvalorização de suas moedas.

“Também vimos aumentos nas taxas de juros, o que é típico de choques externos causados por incertezas”, disse, sob condição de não ser identificado. “Mas o Brasil tem reservas muito altas e uma política cambial que o tornam capaz de suportar choques externos”.

Na análise do FMI, as prioridades para o Brasil para impulsionar seu crescimento econômico devem ser, além das reformas fiscal e previdenciária, políticas que reduzam os custos para se fazer negócios no país e aumentem a eficiência.

Elas incluem ações para tornar o programa de concessões mais atraente, impulsionando a competitividade e o investimento; simplificação dos impostos; redução de barreiras tarifárias e não-tarifárias; a busca de acordos comerciais fora do Mercosul; e a facilitação de empregos produtivos, com a diminuição de incentivos para o mercado de trabalho informal.

Com informações da Folhapress.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *