Fogo de Chão é vendida por US$ 560 milhões para empresa americana

A empresa de investimentos Rhône Capital anunciou nesta terça-feira (20) acordo para comprar a rede de churrascarias Fogo de Chão por US$ 560 milhões.

A oferta da Rhône é toda em dinheiro e os acionistas da Fogo de Chão receberão US$ 15,75 por ação da empresa, valor que representa um prêmio de 25,5% em relação ao fechamento do papel na sexta-feira passada.

“Após um processo de avaliação das opções disponíveis, o conselho de administração está confiante de que esta transação vai dar à Fogo de Chão oportunidade significativa de gerar valor para nossos acionistas e fornecer o melhor caminho adiante para a Fogo de Chão”, disse o presidente-executivo da rede de churrascarias, Larry Johnson, em comunicado.

A aquisição deve ser concluída no segundo trimestre após obter aprovações regulatórias.

Negócios

Esta não é a primeira vez que a rede é vendida. Em 2012, o fundo de investimentos GP Investments anunciou um acordo para a venda de 100% da FC Holdings, empresa de investimento controladora da Fogo de Chão Churrascaria, por um valor de US$ 400 milhões. A compra da FC Holdings foi realizada pelo fundo de investimento Thomas H Lee Partners, dos Estados Unidos.

A Fogo de Chão inaugurou seu primeiro restaurante em 1979 e contava com nove lojas quando a GP Investments e coinvestidores adquiriram uma participação inicial de 35%. Os 65% restantes foram adquiridos em 2011. Atualmente, a rede opera 38 restaurantes nos Estados Unidos e 9 no Brasil e tem duas joint-ventures no México e outras duas no Oriente Médio.

Em 2015, a empresa pediu registro para realizar uma oferta inicial de ações no pregão eletrônico Nasdaq, nos Estados Unidos. A rede de churrascarias precificou sua oferta pública inicial de ações (IPO, na sigla em inglês) em US$ 20 por ação nos Estados Unidos, avaliando a empresa em US$ 545 milhões.

G1

Anúncios
Alan Alex é jornalista, editor do site e da coluna Painel Político. Natural de Porto Velho foi criador e editor do site Portal364, trabalhou na redação dos jornais Diário da Amazônia, Folha de Rondônia, revista Painel Político, foi assessor de imprensa, é roteirista, editor de conteúdo e relações públicas. Também atuou como repórter de TV e rádio. É filiado à ABRAJI.

Participe do debate. Deixe seu comentário