OAB entra com ação no Supremo para assegurar constitucionalidade de cotas

In Advocacia, Brasil, Direito & Justiça

A Ordem dos Advogados no Brasil (OAB) entrou com ação no Supremo Tribunal Federal (STF) para que a Corte declare a constitucionalidade da Lei nº 12.990/2014, que reserva 20% das vagas em concursos públicos para negros nos órgãos da administração federal.

[su_frame align=”right”] [/su_frame]A ação foi protocolada uma semana após um juiz da Paraíba garantir a um candidato aprovado em um concurso público para o Banco do Brasil direito a ser nomeado na frente de candidatos que se autodeclararam negros e que obtiveram notas menores. Na decisão, o juiz considerou a lei inconstitucional.

Para a OAB, a implementação das cotas nas seleções para o serviço público é um instrumento necessário para combater a discriminação racial. Além disso, a entidade entende que o sistema cotas em concursos e nas universidades públicas não configura tratamento privilegiado à população negra. “Contudo, como já restou amplamente demonstrado, não se trata de privilégio, mas de correção das distorções sociais historicamente consolidadas”, diz a Ordem.

 

Na ação, a OAB também lembrou que o STF reconheceu, em 2012, a validade da reserva de vagas nas universidades públicas com base no sistema de cotas. A ação declaratória de constitucionalidade foi distribuída para o ministro Roberto Barroso. Ainda não há previsão para julgamento.

 

Deixe sua opinião via Facebook abaixo!

You may also read!

Mulher é retirada de voo da Latam por embarcar com cachorro em bagagem de mão

Espalhe essa informação Tripulação flagrou a irregularidade antes da decolagem. Incidente causou atraso de 40 minutos Uma passageira foi

Read More...

As páginas do Facebook que usam fotos de crianças doentes para ganhar cliques – e dinheiro

Espalhe essa informação O Facebook deletou duas contas que usavam fotografias de uma criança doente sem autorização da família

Read More...

VX, a poderosa arma química que matou o norte-coreano Kim Jong-nam; conheça e assista o ataque

Espalhe essa informação O produto foi declarado pela ONU como uma arma de destruição em massa Autoridades da Malásia

Read More...

Deixe uma resposta

Mobile Sliding Menu