O Governo da Cooperação obteve liminar em ação direta de inconstitucionalidade para suspender os efeitos da lei, aprovada pela Assembleia Legislativa de Rondônia, que tornava sem efeito punições a policiais militares, principalmente aos que fizeram greve em Rondônia.

Confúcio Moura impetrou ação direta de inconstitucionalidade junto ao Tribunal de Justiça do Estado sustentando que a Lei Estadual número 3.275/2013 é inconstitucional, na medida em que “torna sem efeito todos os atos, sindicâncias
e processos administrativos no âmbito da policia militar”. Para o governador, o ato da Assembleia Legislativa, ao propor o projeto de lei, fere a competência de iniciativa legislativa do Chefe do Executivo.

O desembargador Rowilson Teixeira, presidente do Tribunal de Justiça, concedeu liminar para suspender os efeitos da lei desde o início de sua vigência até o julgamento do mérito.

ÍNTEGRA DA DECISÃO

Tribunal Pleno
Despacho DO PRESIDENTE
Direta de Inconstitucionalidade
Número do Processo :0005361-24.2014.8.22.0000
Requerente: Governador do Estado de Rondônia
Requerida: Assembleia Legislativa/Estado de Rondônia
Procurador: Procuradoria-Geral da Assembléia Legislativa do
Estado de Rondônia( )
Interessado (Parte Passiva): Estado de Rondônia
Procurador: Juraci Jorge da Silva(OAB/RO 528)
Relator:Des. Rowilson Teixeira

Vistos.

Trata-se de ação direta de inconstitucionalidade ajuizada pelo Governador do Estado de Rondônia em face da Assembleia
Legislativa do Estado de Rondônia, tendo como interessado o próprio Estado de Rondônia. Sustenta que a Lei Estadual n. 3.275/2013, é inconstitucional, na medida em que “torna sem efeito todos os atos, sindicâncias e processos administrativos no âmbito da policia militar”, visto que fere a competência de iniciativa legislativa do Chefe do Executivo, por entender o requerente que se trata de lei que dispõe sobre servidores públicos militares e que a teor do art. 39, § 1º, II, ‘b’, da Constituição estadual, competiria ao Governador do Estado a deflagração do processo legislativo relativo a qualquer disposição de servidores públicos militares.

Alega também inconstitucionalidade material sob o manto da violação da Separação dos Poderes, tendo em vista que
ao suspender atos administrativos do executivo, invade sobremaneira a competência funcional do Governador, violando
não só a Constituição Estadual, mas, principalmente, o Texto Constitucional da República.

Diante das supostas inconstitucionalidades, pugna pela liminar a fim de suspender a eficácia da norma até julgamento final da
presente ação constitucional.

É o breve relato da exordial.

Decido.

Analisando o texto normativo da Lei Estadual n. 3.275/2013 (vide texto à fl. 10), constata-se aparente vício normativo.
Com efeito, estabelece a Constituição Estadual:

Art. 39. A iniciativa das leis complementares e ordinárias cabe a qualquer membro ou Comissão da Assembleia Legislativa,
ao Governador do Estado, ao Tribunal de Justiça, ao Tribunal de Contas, ao Ministério Público, à Defensoria Pública e aos
cidadãos, na forma prevista nesta Constituição.

§ 1°. São de iniciativa privativa do Governador do Estado as leis que:
I – fixem, organizem ou alterem os efetivos da Polícia Militar e do Corpo de Bombeiros Militar, observadas as diretrizes
estabelecidas na legislação federal;
II – disponham sobre:
a) criação de cargos, funções ou empregos públicos na administração direta e autárquica ou aumento de sua remuneração;
b) servidores públicos do Estado, seu regime jurídico, provimento de cargos, estabilidade e aposentadoria de civis, reforma e transferência de militares para a inatividade;

Observa-se, assim, que a iniciativa do Chefe do Executivo, quer seja em matéria do servidores públicos ou militares – em
qualquer aspecto destes – é flagrantemente estampada no Texto Constitucional Estadual, cuja contrariedade contamina
formalmente qualquer lei em desacordo.

Sobre o alcance do conceito de matéria relativa a servidores públicos já decidiu a Suprema Corte que:

AÇÃO DIRETA DE INCONSTITUCIONALIDADE – PROMOÇÃO DE PRAÇAS DA POLÍCIA MILITAR E DO CORPO DE
BOMBEIROS – REGIME JURÍDICO DOS SERVIDORES PÚBLICOS – PROCESSO LEGISLATIVO – INSTAURAÇÃO
DEPENDENTE DE INICIATIVA CONSTITUCIONALMENTE RESERVADA AO CHEFE DO PODER EXECUTIVO –
DIPLOMA LEGISLATIVO ESTADUAL QUE RESULTOU DE INICIATIVA PARLAMENTAR – USURPAÇÃO DO PODER
DE INICIATIVA – SANÇÃO TÁCITA DO PROJETO DE LEI – IRRELEVÂNCIA – INSUBSISTÊNCIA DA SÚMULA
Nº 5/STF – INCONSTITUCIONALIDADE FORMAL – EFICÁCIA REPRISTINATÓRIA DA DECLARAÇÃO DE
INCONSTITUCIONALIDADE PROFERIDA PELO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL EM SEDE DE CONTROLE NORMATIVO
ABSTRATO – AÇÃO DIRETA JULGADA PROCEDENTE. OS PRINCÍPIOS QUE REGEM O PROCESSO LEGISLATIVO
IMPÕEM-SE À OBSERVÂNCIA DOS ESTADOS-MEMBROS.

– O modelo estruturador do processo legislativo, tal como delineado em seus aspectos fundamentais pela Constituição
da República, impõe-se, enquanto padrão normativo de compulsório atendimento, à observância incondicional dos
Estados-membros. Precedentes.
– A usurpação do poder de instauração do processo legislativo em matéria constitucionalmente reservada à iniciativa de
outros órgãos e agentes estatais configura transgressão ao texto da Constituição da República e gera, em consequência,
a inconstitucionalidade formal da lei assim editada.

Precedentes.

A SANÇÃO DO PROJETO DE LEI NÃO CONVALIDA O VÍCIO DE INCONSTITUCIONALIDADE RESULTANTE DA USURPAÇÃO DO PODER DE INICIATIVA.

– A ulterior aquiescência do Chefe do Poder Executivo, mediante sanção do projeto de lei, ainda quando dele seja
a prerrogativa usurpada, não tem o condão de sanar o vício radical da inconstitucionalidade. Insubsistência da Súmula nº
5/STF. Doutrina. Precedentes.
SIGNIFICAÇÃO CONSTITUCIONAL DO REGIME JURÍDICO DOS SERVIDORES PÚBLICOS (CIVIS E MILITARES).
– A locução constitucional “regime jurídico dos servidores públicos” corresponde ao conjunto de normas que disciplinam
os diversos aspectos das relações, estatutárias ou contratuais, mantidas pelo Estado com os seus agentes. Precedentes.
A QUESTÃO DA EFICÁCIA REPRISTINATÓRIA DA DECLARAÇÃO DE INCONSTITUCIONALIDADE “IN ABSTRACTO”.
– A declaração final de inconstitucionalidade, quando proferida pelo Supremo Tribunal Federal em sede de fiscalização
normativa abstrata, importa – considerado o efeito repristinatório que lhe é inerente – em restauração das normas estatais
anteriormente revogadas pelo diploma normativo objeto do juízo de inconstitucionalidade, eis que o ato inconstitucional,
por ser juridicamente inválido (RTJ 146/461-462), sequer possui eficácia derrogatória. Doutrina. Precedentes (STF).
(STF – PLENO – ADI 2867, Relator(a): Min. CELSO DE MELLO, julgado em 03/12/2003, DJ 09-02-2007 PP-00016 EMENT VOL-02263-01 PP-00067 RTJ VOL-00202-01 PP-00078)
E ainda:

AÇÃO DIRETA DE INCONSTITUCIONALIDADE. LEI COMPLEMENTAR Nº 241/2002, DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO. REGIME JURÍDICO, PROMOÇÕES E TRANSFERÊNCIA PARA A RESERVA DOS SERVIDORES PÚBLICOS MILITARES ESTADUAIS. INICIATIVA DE LEI RESERVADA AO CHEFE DO PODER EXECUTIVO. VIOLAÇÃO AO ART. 61, § 1º, II, F, DA CARTA MAGNA.
Ao prever a promoção, de graduação ou posto, a ser conferida aos Militares Estaduais que estejam na reserva remunerada
ou reformados, tratou a Lei em exame, incontestavelmente, de matéria atinente ao regime jurídico, promoções e transferência
para a reserva dos servidores militares estaduais, cuja elaboração normativa, sem a iniciativa do Governador, viola
o previsto no art. 61, § 1º, II, f da Carta Maior, comando que jurisprudência desta Corte entende ser de observância
obrigatória para os Estados e Distrito Federal, por encerrar corolário do princípio da independência dos Poderes.

Precedentes: ADI 872-MC, Rel. Min. Sepúlveda Pertence, ADI 2.466-MC, Rel. Min. Moreira Alves, ADI nº 250, Rel. Min. Ilmar
Galvão, ADI 2.742, Rel. Maurício Corrêa e ADI nº 2.393, Rel. Min. Sydney Sanches. Ação direta de inconstitucionalidade
cujo pedido se julga procedente. (STF – PLENO – ADI 2748, Relator(a): Min. ELLEN GRACIE, julgado em 21/08/2003, DJ 12-09-2003 PP-00028 EMENT VOL-02123-01 PP-00145)

Neste espectro conceitual, tem-se que toda referência temática a servidor público – civil e/ou militar – a ser normatizado pela via
ordinária legislativa, deverá ser composta pela iniciativa – para deflagração do respectivo processo legislativo – do Chefe do
Executivo, que no presente caso não ocorreu, comprometendo a constitucionalidade da citada norma. Ainda que se desprezasse tal contaminação de iniciativa legislativa, evidencia-se ofensa ao Postulado Constitucional da Separação dos Poderes, haja vista que ao suspender atos, sindicâncias e processos administrativos – afetos ao administrador público, na qualidade de Chefe do Executivo – invadiu esfera em outro Poder, ferindo sua capacidade de autotutela, administração e mais ainda, em sua discricionariedade administrativa, pois retirou qualquer possibilidade daquele agente público de cotejar demandas administrativas que lhe são inerentes, como seria também se o Governador baixasse decreto suspendendo todos atos e processos administrativos da Assembleia Legislativa, engessando-a administrativamente.

A lei pode muito, porém, não pode tudo, está vinculada à postulados constitucionais, dentre os quais, o da Separação
dos Poderes. Exponencial e elucidativo o aresto da Suprema Corte que diz: Ação direta de inconstitucionalidade: medida cautelar: L. estadual (RS) 11.475, de 28 de abril de 2000, que introduz alterações em leis estaduais (6.537/73 e 9.298/91) que regulam
o procedimento fiscal administrativo do Estado e a cobrança judicial de créditos inscritos em dívida ativa da fazenda pública
estadual, bem como prevê a dação em pagamento como modalidade de extinção de crédito tributário.

I – Extinção de crédito tributário criação de nova modalidade (dação em pagamento) por lei estadual: possibilidade do
Estado-membro estabelecer regras específicas de quitação de seus próprios créditos tributários. Alteração do entendimento
firmado na ADInMC 1917-DF, 18.12.98, Marco Aurélio, DJ 19.09.2003: conseqüente ausência de plausibilidade da
alegação de ofensa ao art. 146, III, b, da Constituição Federal, que reserva à lei complementar o estabelecimento de normas
gerais reguladoras dos modos de extinção e suspensão da exigibilidade de crédito tributário.

II – Extinção do crédito tributário: moratória e transação: implausibilidade da alegação de ofensa dos artigos 150, § 6º e
155, § 2º, XII, g, da CF, por não se tratar de favores fiscais.

III – Independência e Separação dos Poderes: processo legislativo: iniciativa das leis: competência privativa do Chefe do
Executivo. Plausibilidade da alegação de inconstitucionalidade de expressões e dispositivos da lei estadual questionada, de
iniciativa parlamentar, que dispõem sobre criação, estruturação e atribuições de órgãos específicos da Administração Pública,
criação de cargos e funções públicos e estabelecimento de rotinas e procedimentos administrativos, que são de iniciativa
reservada ao Chefe do Poder Executivo (CF, art. 61, § 1º, II, e), bem como dos que invadem competência privativa do Chefe
do Executivo (CF, art. 84, II). Conseqüente deferimento da suspensão cautelar da eficácia de expressões e dispositivos
da lei questionada.

IV – Participação dos Municípios na arrecadação de tributos estaduais. 1. IPVA – Interpretação conforme, sem redução
de texto, para suspensão da eficácia da aplicação do § 3º do art. 114, introduzido na L. 6.537/73 pela L. 11.475/2000, com
relação ao IPVA, tendo em vista que, ao dispor que “na data da efetivação do respectivo registro no órgão competente deverá
ser creditado, à conta dos municípios, 25% do montante do crédito tributário extinto”, interfere no sistema constitucional
de repartição do produto da arrecadação do IPVA (50%). 2. Deferimento da suspensão cautelar do § 3º do art. 4º da L.
11.475/2000 (“Os títulos recebidos referentes às parcelas pertencentes aos municípios, previstas no inciso IV do art. 158
da Constituição Federal, serão convertidos em moeda, corrente nacional e repassados a esses, pela Secretaria da Fazenda,
no dia do resgate dos certificados”), pois a norma deixa ao Estado a possibilidade de somente repassar aos Municípios
os 25% do ICMS só quando do vencimento final do título, que eventualmente pode ter sido negociado.

V – Precatório e cessão de crédito tributário: plausibilidade da alegação de ofensa ao art. 100, da CF, pelos arts. 5º e seu parágrafo único e 6º, ambos da lei impugnada, que concedem permissão para pessoas físicas cederem a pessoas jurídicas créditos contra o Estado decorrentes de sentença judicial, bem como admitem a utilização destes precatórios na compensação dos tributos: deferimento da suspensão cautelar dos mencionados preceitos legais.

VI – Licitação (CF, art. 37, XXI) – não ofende o dispositivo constitucional o art. 129 da L. 6.537/73 c/ a red. L. 11.475/00 –
que autoriza a alienação dos bens objetos de dação por valor nunca inferior ao que foi recebido e prevê a aquisição de tais
bens por município, mediante o pagamento em prestações a serem descontadas das quotas de participação do ICMS.

VII – Demais dispositivos cuja suspensão cautelar foi indeferida.
(STF – PLENO – ADI 2405 MC, Relator(a): Min. SEPÚLVEDA PERTENCE)

Deste modo, neste ponto, revela mais outra inconstitucionalidade, cujos vícios (formal e material) ensejam juridicamente abertura para suspensão da norma impugnada, aliada a necessidade do perigo da demora ante à lei em análise, que reproduz efeitos inequívocos na atuação do administrador.

Pelo exposto, presentes os requisitos, concedo a liminar e suspendo a eficácia da Lei Estadual n. n. 3.275/2013, desde o início de sua vigência até o final da presente demanda.

Notifiquem-se o Presidente da Assembleia Legislativa do Estado bem como o Estado de Rondônia, para apresentar defesa da norma, na pessoa de seu representante legal, Procurador- Geral do Estado, no prazo legal. Após, à d. Procuradoria de Justiça.
Redistribua-se.

Porto Velho – RO, 29 de maio de 2014.
Desembargador Rowilson Teixeira
Presidente do Tribunal de Justiça do Estado de Rondônia

Redação Painel Político

Redação Painel Político

Painel Político, principal fonte de informações políticas de Rondônia. Com noticiário completo sobre economia, variedades e cultura.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *