Homossexualidade pode ter motivado crime contra brasileiras em Portugal

O brasileiro Dinai Gomes é, até agora, o principal suspeito

A investigação da Polícia Judiciária portuguesa pode revelar que a homossexualidade de duas das vítimas brasileiras, encontradas mortas em Cascais, Portugal, pode ter motivado o crime. O brasileiro Dinai Gomes é, até agora, o principal suspeito, segundo informação do jornal português ‘i’.

O irmão de duas das vítimas, Vinícius Santana Ferreira confirmou a informação dada pelo jornal português, segundo o Extra. Vinícius é irmão de Michele Santana Ferreira, de 28 anos, que estava grávida, e Lidiana Neves Santana, de 16. Além das duas, Thayane Milla Mendes, de 21 anos, também foi morta.

De acordo com Vinícius, Lidiana mantinha um relacionamento recente com Thayane. As duas se conheceram em Minas Gerais, na cidade de Campanário, no Vale do Rio Doce.

Michele morava em Portugal há nove anos e, no fim do ano passado, convidou a irmã para morar com ela na Europa e Lidiana aceitou o convite. Em janeiro, Thayane se juntou às duas em Portugal.

Após meses de investigação, a Polícia Judiciária descobriu que o principal suspeito, Dinai Gomes, é “extremamente conservador”. Portanto, o relacionamento de duas das vítimas poderia ter motivado a morte das brasileiras.

“Nós sabíamos da homossexualidade da minha irmã, porém, não acredito que esta tenha sido a motivação do crime. Não sei o que passou pela cabeça desse homem, que só pode estar louco”, diz o irmão.

A polícia ainda considera a hipótese de que Dinai pode ter cometido o crime para esconder da esposa que ele deixou no Brasil o seu relacionamento com Michele, que estava grávida. A esposa planejava uma viagem para o Brasil para visiar o suspeito.

Anúncios
Alan Alex é jornalista, editor do site e da coluna Painel Político. Natural de Porto Velho foi criador e editor do site Portal364, trabalhou na redação dos jornais Diário da Amazônia, Folha de Rondônia, revista Painel Político, foi assessor de imprensa, é roteirista, editor de conteúdo e relações públicas. Também atuou como repórter de TV e rádio. É filiado à ABRAJI.

Participe do debate. Deixe seu comentário