Idoso manda matar veterinário que sumiu com seu poodle

O médico veterinário Fernando Augusto de Souza Moura, 62, que ficou desaparecido por três dias antes de ser encontrado morto na terça-feira (26), às margens do rio Negro, foi assassinado porque teria “dado fim” em um cachorro Poodle, animal de estimação de Dorval Vieira Rodrigues, policial aposentado de 82 anos, o “Vavá”, que confessou ser o mandante do crime.

Além de “Vavá”, outras três pessoas foram presas pela Secretaria de Segurança Pública (SPP) por participarem do assassinato do veterinário. José Bernardo de Oliveira, 61, o “Zé Canoeiro”, Zacarias Araújo Duarte, 44, o “Timbau”, e o feirante Evandro Souza dos santos, 40, o “Peixeiro”, foram capturados em cumprimento de mandado de prisão preventiva, ainda na terça-feira (26).

Conforme o secretário executivo de inteligência da SSP, Thomaz Vasconcelos, a morte do veterinário foi encomendada por vingança. Dorval confessou à policia que quis se vingar de Fernando porque o médico veterinário “deu fim” no animal de estimação dele, um cachorro Poodle chamado de “Beethoven” que era muito querido, há cerca de um ano.

De acordo com Dorval, a esposa dele quem pediu para Fernando “sumir” com o cachorro porque ela não gostava de “Beethoven”. A mulher, que não teve o nome revelado, viu o número de telefone de Fernando em um jornal e “contratou” os serviços dele. Após o desaparecimento, Dorval ainda tentou encontrar o bicho de estimação, mas nem a esposa dele nem Fernando ajudaram o “Vavá”.

Segundo a polícia, Dorval iria desembolsar R$ 10 mil para que o trio assassinasse o veterinário como vingança pelo sumiço de “Beethoven”. O médico veterinário foi atraído para uma emboscada no sábado (23), onde foi chamado para verificar o estado de saúde de um “falso” animal em um barco na orla do bairro Educandos, Zona Sul. Desde aí, Fernando não havia sido mais localizado. Ele foi morto com tiro.

De acordo com investigações da SSP, “Zé Canoeiro” quem efetuou disparo contra Fernando e os outros dois ajudaram a sumir com o corpo. Apolícia ainda procura por Jardel Brito da Silva, 29, que seria o piloto da canoa que levou o corpo até o local de desova, na orla do Rio Negro. Todos serão indiciados por homicídio qualificado e serão levados à cadeia pública; apenas Dorval ficará na carceragem da Delegacia Geral do Amazonas.

Durante coletiva de imprensa nesta quarta (27), Dorval afirmou que a intenção não era assassinar o veterinário, e sim deixá-lo sem as pernas, em cadeira de rodas, “para sentir dor”. Até o momento, a esposa de Dorval ainda não prestou depoimento à polícia. O cachorro “Beethoven” também não foi localizado e nem se sabe se o animal está vivo.

Anúncios
Alan Alex é jornalista, editor do site e da coluna Painel Político. Natural de Porto Velho foi criador e editor do site Portal364, trabalhou na redação dos jornais Diário da Amazônia, Folha de Rondônia, revista Painel Político, foi assessor de imprensa, é roteirista, editor de conteúdo e relações públicas. Também atuou como repórter de TV e rádio. É filiado à ABRAJI.

Participe do debate. Deixe seu comentário