Jovem desaparecido deixou ‘chave’ para decifrar livros criptografados, diz família

Bruno Borges, de 24 anos, está desaparecido desde o último dia 27 de março em Rio Branco. Estudante deixou 14 livros escritos à mão e criptografados.

Junto com os 14 livros criptografados deixados no quarto, o estudante de psicologia Bruno Borges, de 24 anos, desaparecido desde o último dia 27 de março, em Rio Branco, também deixou as “chaves” que servem como guia para a decodificação. De acordo com a família, os escritos foram feitos com a utilização de pelo menos quatro códigos diferentes.
A investigação do caso é feita pela Polícia Civil do Acre de maneira sigilosa. Ao G1, o coordenador da Delegacia de Investigação Criminal (DIC), delegado Fabrizzio Sobreira, afirmou que todas as possibilidades estão sendo consideradas para apurar o paradeiro do acreano.
Alguns dos livros do estudante foram escritos à mão em apostilas e outros espalhados – de forma organizada e totalmente simétrica – nas paredes, teto e chão do quarto. Além do material, também foi colocado no cômodo uma estátua do filósofo italiano Giordano Bruno (1548-1600), por quem tem grande admiração, orçada em R$ 7 mil.

A irmã mais velha de Bruno, a empresária Gabriela Borges, de 28 anos, explica que as chaves estavam em uma pasta em um lugar visível.

Chaves devem guiar a decodificação dos 14 livros (Foto: Reprodução/Rede Amazônia Acre)
                     Chaves devem guiar a decodificação dos 14 livros (Foto: Reprodução/Rede Amazônia Acre)

“Não estava em difícil acesso, ele não deixou muita coisa no quarto, além do que foi feito. Só não encontrei uma das criptografias, mas a maioria está lá”, conta.

Até o momento, os familiares conseguiram decifrar pouco conteúdo. “Algumas coisas já conseguimos traduzir, mas é muito conteúdo. Alguém que fosse especializado talvez pudesse tentar fazer de uma forma mais rápida, mas tem muita gente nos procurando e estamos com dificuldade de distinguir quem realmente entende e quem é curioso”, fala a irmã.

Gabriela cita um pouco sobre o que já foi traduzido. Um dos livros, conforme ela, chama-se “A teoria da absorção do conhecimento”. “Tem um que fala sobre a busca da verdade absoluta. Não temos nenhum texto completo. Acreditamos que vai aparecer alguém que sintamos essa confiança. Não queremos divulgar imagens para as pessoas tentarem decifrar”, acrescenta.

Sobre a procura por Bruno, a irmã diz que as informações policiais são sigilosas até mesmo para a família. “A polícia nos fala que continuam procurando. Todos os dias temos falado com o delegado. Eles não divulgam o que estão fazendo, porque dizem que pode atrapalhar o rumo das investigações”, ressalta.

Fonte: g1/ac

Anúncios
Painel Político, é um blog de notícias de Rondônia, com informações sobre política regional, nacional, economia, jurídico e variedades. Siga-nos nas redes sociais, visite-nos diariamente e fique sempre bem informado.

Participe do debate. Deixe seu comentário