MEC: 1.519 são eliminados do Enem; 236 por uso de celulares

Taxa de abstenção foi de 28,6% entre os 8,7 milhões de inscritos

[su_frame align=”right”] [/su_frame]O ministério da Educação registrou até a noite de domingo 1.519 eliminações do Exame Nacional de Ensino Médio (Enem), sendo 236 pelo uso de celulares. Os números ainda são preliminares, mas o ministro da Educação, Henrique Paim, considerou a taxa expressiva.

Segundo dados do MEC, o número fechado de eliminações no ano passado ficou em torno de 1,5 mil, sendo 47 por uso de celulares. O ministério não soube especificar os casos, mas tratam-se, geralmente, de uso de equipamento proibido na sala de prova ou de comportamento inadequado.

Com a análise dos registros de sala de aula, o número deste ano deve aumentar. “Isso é lamentável, mas queremos continuar aperfeiçoando o processo e ampliando o rigor”, disse o ministro.

O ministério também registrou uma taxa de 28,6% de abstenção entre os 8,7 milhões de inscritos, percentual um pouco inferior ao da última edição. Neste ano, o MEC enviou mensagens de texto a pessoas que haviam faltado e voltaram a se inscrever no Enem, para evitar reincidências. Vamos nos debruçar para estudar que tipo de medidas, medidas mais duras, para que a gente reduza esse número de abstenção”, disse Paim.

Enem tem uma morte e um nascimento
Durante a coletiva, o ministro Henrique Paim lamentou a morte de uma inscrita, Edvania Florindo, 32 anos, que morreu por causa de um edema pulmonar no local onde faria a prova, em Olinda (PE). Ele comemorou, no entanto, o nascimento de um bebê em Caucaia (CE), de uma concorrente que entrou em trabalho de parto durante a prova. “Tivemos uma morte, mas também um nascimento, significa que o Enem representa também a esperança das pessoas, e isso é bastante importante”, disse.

Redação
O ministro Henrique Paim minimizou a declaração de um professor de um curso preparatório no Rio de Janeiro, que disse ter acertado o tema da redação do Enem, sobre publicidade infantil. “Sabemos que os cursinhos trabalham vários temas e que eventualmente um cursinho ou outro pode ter se aproximado”, disse.

Sobre as críticas de que a prova do Enem foi mais focada no conteúdo, Paim considerou ser cedo comentar o aspecto do teste deste fim de semana, já que as questões ainda passarão por uma análise detalhada. “Nós entendemos que esse comentário ‘conteudista’ é preliminar. (…) No ano passado havia comentários que nós tínhamos textos muito complexos, tensos, e nesse ano vimos uma alteração, um pouco mais de objetividade. É precipitado ainda comentar”, disse.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *