Mendes Júnior admite propina de R$ 8 milhões a Youssef

Executivo da empreiteira, preso pela Operação Lava Jato, disse à Polícia Federal que efetuou pagamento porque foi ameaçado

[su_frame align=”right”] [/su_frame]O vice-presidente-executivo da empreiteira Mendes Júnior, Sérgio Cunha Mendes, admitiu nesta terça-feira, em depoimento à Polícia Federal, que pagou R$ 8 milhões em propina ao doleiro Alberto Youssef, um dos operadores do esquema de corrupção na Petrobras. Mendes foi preso na última sexta-feira na sétima fase da Operação Lava Jato.

De acordo com o advogado Marcelo Leonardo, que defende Mendes, seu cliente aceitou fazer o pagamento porque foi ameaçado por Youssef. Ainda segundo a defesa, a propina era uma exigência do ex-diretor da Petrobras Paulo Roberto Costa. “Se não fizesse o pagamento, a empresa não receberia as faturas que legitimamente tinha direito e não seria mais convidada para participar de outras licitações da Petrobras”, afirmou. “Ele exigia o dinheiro para o diretor da Petrobras da área”, continuou, referindo-se a Costa.

Mendes também disse, em depoimento, que o pagamento foi feito em quatro vezes, de julho de 2011 a setembro de 2011. Segundo o advogado Leonardo, Mendes foi apresentado a Youssef pelo então deputado José Janene (PP-PR), que morreu em 2010. O advogado disse ainda que seu cliente desconhecia o destino do dinheiro, que era depositado em contas das empresas de Youssef.

Ontem, durante depoimento, o diretor de Óleo e Gás da Galvão Engenharia, Erton Medeiros Fonseca, deu à Polícia Federal uma versão semelhante à de Mendes. De acordo com o advogado de Fonseca, José Luís Oliveira Lima, seu cliente aceitou pagar propina ao esquema porque foi ameaçado por Youssef e Costa.

O advogado de Youssef, Antônio Figueiredo Basto, que também esteve na Superintendência da PF em Curitiba nesta terça-feira, evitou comentar as acusações de extorsão por não conhecer o teor dos depoimentos. “Essa é a tese da defesa”, encerrou.

Débora Melo para o Terra

Anúncios
Alan Alex é jornalista, editor do site e da coluna Painel Político. Natural de Porto Velho foi criador e editor do site Portal364, trabalhou na redação dos jornais Diário da Amazônia, Folha de Rondônia, revista Painel Político, foi assessor de imprensa, é roteirista, editor de conteúdo e relações públicas. Também atuou como repórter de TV e rádio. É filiado à ABRAJI.

Participe do debate. Deixe seu comentário