Ministro nega prisão domiciliar a João Paulo Cunha

Nesta segunda-feira, Luís Roberto Barroso, ministro responsável pelas ações do processo do mensalão no Supremo Tribunal Federal, negou pedido de prisão domiciliar a João Paulo Cunha. O ex-deputado foi preso em fevereiro deste ano condenado a 6 anos e 4 meses por peculato e corrupção passiva.

A defesa de Cunha pediu a progressão de regime alegando que ele já cumpriu um sexto da pena e que apresentou bom comportamento. Para Barroso, no entanto, o condenado ainda precisa “reparar o dano que causou”, ou seja, devolver aos cofres públicos os R$ 536.440,55 que desviou.

A posição do ministro é a mesma do procurador-geral da República, Rodrigo Janot, que em novembro enviou ao STF um parecer contrário à concessão de regime aberto.

Esta foi a primeira vez que um condenado do mensalão teve progressão de regime negada pelo ministro. O ex-ministro da Casa Civil José Dirceu, o ex-tesoureiro Delúbio Soares e o ex-presidente do PT José Genoino, por exemplo, já deixaram o presídio.

Fonte:Terra

Anúncios
Alan Alex é jornalista, editor do site e da coluna Painel Político. Natural de Porto Velho foi criador e editor do site Portal364, trabalhou na redação dos jornais Diário da Amazônia, Folha de Rondônia, revista Painel Político, foi assessor de imprensa, é roteirista, editor de conteúdo e relações públicas. Também atuou como repórter de TV e rádio. É filiado à ABRAJI.

Participe do debate. Deixe seu comentário