Superintendente do MTE apresenta Projeto Escola do Trabalhador na Fecomércio-RO

O superintendente do Ministério do Trabalho e Emprego em Rondônia, Maurício Vaz, apresentou na manhã desta quarta-feira 31.10 durante reunião do Conselho do Sesc e do Senac o projeto Escola do Trabalhador – Ensino a Distância, voltado para a qualificação de trabalhadores brasileiros e o combate ao desemprego.

Segundo Maurício Vaz, o projeto foi lançado no ano passado e já conta com mais de 4.550 inscrições em Rondônia e a meta é inscrever pelo menos 20 mil jovens. O Ministério está em busca de parceiros para divulgar maciçamente o projeto para qualificar o maior número possível de estudantes no Estado.

Ao falar sobre a questão do desemprego no País, o superintendente disse que a falta de qualificação tem sido um dos grandes gargalos do jovem para o ingresso no mercado de trabalho. “A fila dos bons já está cheia. Hoje você tem que estar na fila dos ótimos para lutar por um bom emprego”, citou Maurício Vaz.

Durante a conversa com o presidente Raniery Coelho, Maurício Vaz elogiou o trabalho do Sistema Fecomércio/Sesc/Senac/IFPE, que também possui um trabalho de excelência na qualificação de jovens para o mercado de trabalho através do Senac, e disse que a parceira com o sistema para ampliar a divulgação do projeto no Estado será de grande valia.

Segundo o presidente Raniery Coelho, o sistema Fecomércio/RO está à disposição do Ministério do Trabalho para essa parceria de divulgação do Projeto Escola do Trabalhador. “Um grande projeto, que possui a marca do Ministério do Trabalho e a capacidade técnica da UnB na realização dos cursos. Certamente trará inúmeros benefícios na qualificação dos jovens que estão em busca de seu primeiro emprego”, elogiou o presidente.

Na semana passada, o Governador do Estado de Rondônia Daniel Pereira, assinou o protocolo de intenções com o Ministério do Trabalho para ampliar qualificação profissional em 25 tipos de cursos a distância que abrangem desde a área de gestão e negócios, até a produção industrial, informação e comunicação, além de turismo, hospitalidade e lazer.

Os cursos têm em média duração de 40 horas, são online e gratuitos e sem exigência de grau de escolaridade e nem idade mínima. Para se inscrever basta acessar o endereço da Escola do Trabalhador (http://escola.trabalho.gov.br/) e fornecer o número do CPF e e-mail.

Bitcoin faz 10 anos: um brinde à livre concorrência – Por Fernando de Magalhães Furlan

Depois de dez anos da publicação do White Paper de Satoshi Nakamoto sobre o bitcoin e a tecnologia que o concebeu, a blockchain, muito mudou o cenário em torno das criptotecnologias.

Hoje o bitcoin é exponencialmente mais popular do que há uma década, e muito mais valioso. De São Paulo a Jacarta, de Hong Kong a Talinn, hoje é normal se deparar com cidadãos comuns, como um motorista ou guia de turismo, que investem em ativos criptográficos, como as chamadas criptomoedas, por exemplo.

O bitcoin foi inicialmente concebido como uma alternativa ao sistema financeiro tradicional, como uma solução peer-to-peer (usuário-usuário) rápida, econômica e confiável de meio de pagamento e inclusão financeira.

A sua utilização mais popularizada hoje em dia, de ativo ou investimento financeiro, veio com o reconhecimento do mercado do valor do novo ativo digital. Para se ter uma referência do potencial de inclusão digital e financeira dos criptoativos, há hoje mais investidores nesse mercado do que em ações e valores mobiliários.

Mas as inúmeras aplicações da tecnologia por trás do bitcoin e outros ativos criptográficos é a grande promessa para o futuro. A blockchain, ou “rede de blocos”, é uma evolução de qualquer sistema atual de contabilidade, controle ou auditoria, proporcionando uma plataforma de registro de informações e dados de livre ingresso, transparente, continuamente auditável, com privacidade e, ao mesmo tempo, rastreabilidade, além da garantia da irreversibilidade, ou seja, uma vez feito o registro, ele não poderá ser apagado.

Aplicações da tecnologia a setores como o de cadeias de suprimentos (supply chain), commodities agrícolas, sistemas de defesa, contratos inteligentes, transações imobiliárias, remessa de valores, dentre tantas outras prometem custos menores, rapidez, transparência e segurança, contribuindo para o bem-estar da sociedade.

Uma das aplicações da criptotecnologia com maior potencial de gerar riqueza e desenvolvimento econômico é a de valores mobiliários, ou seja, a capitalização coletiva de pequenos e promissores negócios. Ao proporcionar garantia e segurança ao investidor, por meio da blockchain ou outra espécie de tecnologia de registro distribuído (distributed ledger techonology – DLT), o acesso de pequenas empresas a fontes de investimento e capitalização é sensivelmente incrementado.

Outro segmento com grande potencial de gerar ganhos à sociedade é o de desburocratização e popularização de serviços financeiros. Quanto mais opções no mercado para o usuário de serviços, maior o grau de diversificação, diferenciação e qualidade dos produtos oferecidos.

Por que somente alguns poucos e gigantescos bancos podem oferecer serviços financeiros triviais e cotidianos, como transferência de valores, câmbio e pagamento de contas, dentre outros? Por que o pequeno investidor deve ser obrigado a usar um banco para comprar ou vender ativos financeiros? E por que devemos pagar tarifas de serviços ou taxas de administração tão altas?

Como qualquer tecnologia disruptiva, a criptotecnologia rompe padrões de oferta de produtos e serviços que fazem o consumidor questionar a lógica obsoleta e ultrapassada da realidade anterior. Esse questionamento naturalmente levará à conclusão pela tentativa de manutenção do “estado das coisas”, cultivando velhos e superados procedimentos pelo bem da margem de lucro e da comodidade de “não se mexer em time que está ganhando”.

Quem perde é a concorrência, a competição no mercado, que faz as empresas inovarem, melhorarem a qualidade e reduzirem os preços.

Mas nem tudo é notícia ruim: o Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) está investigando a prática de abuso de poder econômico por parte dos bancos, por conta do encerramento de contas correntes de empresas que negociam criptoativos; a CVM flexibilizou o investimento em fundos estrangeiros que aplicam em criptoativos; o FMI publicou um guia sobre criptoativos para legisladores; e até o Banco Central autorizou o aporte de capital estrangeiro em empresas de tecnologia financeira, como sociedades de crédito direto e sociedades de empréstimo entre pessoas, o que contribuirá para o aumento da concorrência em serviços financeiros.

Com um novo governo e um Congresso fortemente renovado, o setor da criptoeconomia buscará garantir a inovação, o empreendedorismo e a livre concorrência por meio da já criada Frente Parlamentar Mista de Ativos Digitais e Blockchain, bem como pela permanente disponibilidade de interface com o Poder Executivo.


Fernando de Magalhães Furlan é doutor pela Universidade de Paris 1 e presidente da Associação Brasileira de Criptoativos e Blockchain (ABCB). Foi secretário executivo do MDIC e presidente do Cade.

GOL retira voos de Porto Velho e passageiros terão que remarcar passagens

Duas rotas diretas da Gol Linhas Aéreas entre Porto Velho e Rio Branco no Acre (1794 PVH/RBR), e Porto Velho e Brasília-DF (1795 PVH/BSB) foram suspensas pela empresa. A notícia foi confirmada pela companhia na semana passada, que afirmou que está “apenas gerenciando a capacidade em resposta às condições de mercado que não se recuperaram tão rapidamente quanto esperávamos”. A companhia afirma que vai continua a atender com três voos semanais.

Os passageiros que já possuem bilhetes marcados a partir destas datas devem entrar em contato com as agências de viagens onde compraram as passagens. O anúncio de suspensão das rotas vai na contramão das companhias aéreas brasileiras, que estão aumentando as frequências para o Estado.

Em busca de reverter a situação evitando impactos para a economia do estado e prejudicial a Associação Brasileira de Agências de Viagens de Rondônia (ABAV/RO, tratou de buscar apoio e se uniu a Federação do Comércio (FECOMERCIO) para buscar soluções imediatas contra a decisão da empresa aérea em cancelar os voos. “Estamos preocupados com as Agências de Viagens que já venderam bilhetes desses voos que foram cancelados. Eles terão que ser remarcados, comprometendo as conexões e implicando em menos lugares para sair do Estado e na consequente alta das tarifas”, afirmou Shirlene Santos, presidente da ABAV/RO

Ainda não se tem um levantamento de quantos passageiros serão prejudicados com a troca de datas de viagens. Mais de uma centena de pessoas já compraram passagens para os voos que foram retirados pela empresa aérea. Muitos se perguntam se vão conseguir embarcar, e outros correm para desmarcar compromissos de trabalho por conta da decisão que pegou todos de surpresa.

Patrícia Poletti, engenheira

(Patrícia tem viagem de trabalho marcada para Rio Branco e teve voo cancelado/Reprodução)

 

Um dos clientes que esperavam embarcar em um desses voos, é a engenheira Patrícia Poletti que comprou a passagem para Rio Branco há várias semanas. “Estamos aqui desesperados meu marido e eu, pois temos de ir a trabalho no Acre, na data que marcamos a viagem. Estamos todos até agora sem uma definição. Os funcionários não dão informação correta, estamos aqui sem nenhuma definição… Vários voos cancelados, uma irresponsabilidade total”, contou.

Luiza Ferreira Molica, estudante

 

A estudante de medicina, Luiza Ferreira Molica, conta que comprou o bilhete há 3 meses. Ela estuda em Brasília. “É lamentável pois agora ficamos sem saber como agir” disse. A estudante disse que entrou em contato com a agencia de viagens, e descobriu que mesmo as empresas foram pegas de surpresa. “Agora terei que remarcar para outro dia, mas já informei que não quero mais viajar pela Gol”, garantiu a estudante.

No fim da semana passada a Associação Brasileira de Agências de Viagens junto com a Federação do Comércio, estiveram com o governador Daniel Pereira, que garantiu que intermediara as negociais para que os voos não sejam retirados. As duas entidades entregaram ao governador uma “Carta de Repudio” a decisão da empresa aérea Gol de retirar os voos.

DIREITO DO PASSAGEIRO

Seu voo sofreu alteração involuntária por parte da companhia aérea. O que você pode fazer?

As companhias aéreas podem fazer alterações de horário e data do seu voo. Essas mudanças são chamadas de alteração involuntária.

Quando isso acontece, a companhia aérea permite o cancelamento ou remarcação sem custos, antes da data do voo.

Lembramos que, para remarcações e reembolsos, a alteração feita pela companhia deve ser superior a 31 minutos. Esse é um critério da própria companhia aérea.

Caso não concorde com o novo voo proposto pela companhia, você poderá escolher outras opções de data e horário, mantendo o trecho inicial comprado de acordo com as outras opções disponibilizadas pela companhia aérea. Ou seja, é necessário manter a origem e destino.

No caso da Gol, é possível remarcar o seu embarque no intervalo de três dias anteriores ou três dias posteriores ao embarque original (de acordo com a disponibilidade na cia aérea) ou na data original, em horário diferente do inicial.

Por fim, mas não menos importante, a alteração da data ou hora deve ser solicitada, no mínimo, 48 horas antes do voo original e 30 horas antes do novo voo. Em último caso a Associação Brasileira de Agências de Viagens de Rondônia (ABAV/RO, ou a agencia onde o bilhete foi comprado.

Do Rondoniaovivo

Empresário que adere ao Repis tem mais vantagem e economia na folha de pagamento

Termina nesta quarta-feira, dia 31 de outubro, o prazo final para micros e pequenos empresários aderirem ao Repis – Regime Especial de Pisos Salariais – um benefício concedido pela legislação que permite ao empresário o acesso a uma folha de pagamento mais enxuta, podendo contratar até 11 funcionários, mantendo as mesmas obrigações trabalhistas como salário, FGTS, 13º e férias.

Além desses benefícios, as micro e pequenas empresas aderentes ao Repis, ainda podem oferecer inúmeras vantagens aos seus funcionários através do Sistema Fecomércio-Sesc-Senac em Rondônia é no Brasil. O Sesc, por exemplo, oferece recreação no Sesc campestre, restaurante com alimentação balanceada, Educação Infantil e Ensino Fundamental, atividades esportivas e serviços odontológicos; já o Senac oferece cursos profissionalizantes, qualificação profissional e ensino à distância em várias áreas do conhecimento.

Faça sua adesão e compare as vantagens. Com a desoneração de sua folha, a economia de gastos será uma forma de lucrar ou ter mais condições de contratação e investimento no seu negócio.

ADESÃO

Para aderir ao Repis, basta o empresário ou o seu contabilista acessar o site fecomercio-ro.com.br e preencher o formulário de requerimento, optando pela sua adesão e emitindo a taxa associativa. Pense bem e leve essa economia para dentro de sua empresa.

Acesse www.fecomercio-ro.com.br ou ligue no 69 2182 3400 e faça sua adesão.

Governo reajusta diesel a partir de novembro em RO, DF e outros 12 estados

O Conselho Nacional de Política Fazendária (Confaz) atualizou a tabela com os preços de combustíveis a serem usados como o valor médio ao consumidor a partir de quinta-feira (1). O chamado preço médio ponderado ao consumidor final (PMPF) do óleo diesel aumentou em 13 estados e no Distrito Federal. O ato da secretaria-executiva do Confaz foi publicado hoje (29) no Diário Oficial da União.

Os novos valores abrangem Alagoas, Amazonas, Amapá, Ceará, Goiás, Minas Gerais, Paraíba, Paraná, Rio de Janeiro, Rio Grande do Norte, Rondônia, Rio Grande do Sul, São Paulo e o Distrito Federal. Os estados que efetivaram os maiores aumentos foram Ceará, de R$ 3,25 o litro para R$ 3,58 o litro, e Rio de Janeiro, de R$ 3,42 para R$ 3,67.

Greve de caminhoneiros provoca fila para abastecimento de combustível em posto de gasolina no Rio de Janeiro.
A partir de 1 de novembro preços de combustíveis a serem usados como o valor médio ao consumidor serão reajustados – Arquivo/Agência Brasil

O PMPF serve de base para o recolhimento do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) feito pelas refinarias no ato da venda dos combustíveis aos postos de gasolina.

Em relação ao óleo diesel, apenas o Maranhão efetivou uma pequena redução nessa nova tabela, de R$ 3,53 o litro para R$ 3,52. Considerando todos os estados, o PMPF do óleo diesel vai variar de R$ 2,81 o litro, no Espírito Santo, a R$ 4,45, no Acre.

Em julho, o preço do óleo diesel caiu em vários estados como parte do acordo para encerrar a paralisação dos caminhoneiros no mês de maio. De lá para cá, muitos preços já recuperaram o patamar anterior, como é o caso do estado do Amazonas que, em julho, havia baixado o preço médio do diesel para R$ 3,36 o litro e, na nova tabela, foi para R$ 3,80. A Paraíba também chegou a reduzir o preço do diesel para R$ 3,23 e, agora, passou para R$ 3,67.

Gasolina

Considerando todos os estados, o preço médio da gasolina comum vai variar de R$ 4,30 o litro, no Paraná, a R$ 5,35, no Acre, a partir de 1º de novembro. O preço médio da gasolina comum aumentará em 14 estados: Alagoas, Amazonas, Ceará, Goiás, Maranhão, Minas Gerais, Paraíba, Pernambuco, Paraná, Rio de Janeiro, Rio Grande do Norte, Rondônia, Rio Grande do Sul e São Paulo.

Os maiores aumentos foram no Ceará, de R$ 4,17 para R$ 4,60, e em Minas Gerais, de R$ 4,87 para R$ 5,09. No caso da gasolina, tiveram redução no preço médio ao consumidor o Amapá, de R$ 4,35 para R$ 4,34, e o Distrito Federal, de R$ 4,89 para R$ 4,84.

Além da gasolina comum e do óleo diesel, a tabela do PMPF traz os preços de referência da gasolina premium (aditivada), diesel S10, gás liquefeito de petróleo (GLP – gás de cozinha), querosene da aviação, álcool etílico hidratado combustível (etanol), gás natural veicular (GNV), gás natural industrial e óleo combustível.

Gás de cozinha

O gás de cozinha fica mais caro em sete estados e no Distrito Federal. Os aumentos mais expressivos foram em Minas Gerais, de R$ 5,52/kg para R$ 6,17/kg, e no Rio de Janeiro, de R$ 4,84/kg para R$ 5,41/kg. Mato Grosso e Roraima são os estados com o GLP mais caros do país, R$ 7,37/kg e R$ 7,07/kg, respectivamente.

Por outro lado, o gás de cozinha fica mais barato em cinco estados: Alagoas, Amazonas, Goiás, Maranhão e Rio Grande do Norte. Os estados com o GLP mais baratos são Espírito Santo (R$ 4,53/kg) e Sergipe (R$ 4,78/kg).

O Confaz é constituído pelos secretários de Fazenda, Finanças ou Tributação de cada estado e do Distrito Federal e presidido pelo ministro da Fazenda. O objetivo do conselho é adotar medidas para aperfeiçoar a política fiscal dos estados e torná-la compatível com as leis da federação.

A tabela do PMPF é atualizada a cada duas semanas e está disponível na página do Confaz.

Após eleições, dólar cai mais de 1% e opera no patamar de R$ 3,60

Na última sessão, na sexta-feira (26), a moeda dos EUA fechou a R$ 3,6518.

O dólar opera em queda nesta segunda-feira (29), no patamar de R$ 3,60, após Jair Bolsonaro (PSL) ser eleito presidente do Brasil e o futuro ministro da Fazenda, Paulo Guedes, dizer que a prioridade será a reforma da previdência. A moeda chegou a ser negociada a R$ 3,5823.

Continue lendo “Após eleições, dólar cai mais de 1% e opera no patamar de R$ 3,60”