Por que a ação da Taurus está caindo após decreto facilitar compra de arma?

Três fatores explicam a queda, segundo o economista Pedro Coelho Afonso

Quem não acompanha o mercado financeiro pode estar confuso com a forte queda das ações da fabricante de armas Taurus na Bolsa de Valores. Na véspera, os papéis da empresa despencaram mais de 20%, após o presidente Jair Bolsonaro assinar decreto que facilita a posse de armas no país. Nesta quarta, a empresa opera em forte queda mais uma vez.

O tombo acontece depois de a Taurus passar por uma onda de alta no ano passado e no início deste ano. Do começo de 2019 até segunda-feira, as ações da empresa dobraram de preço. Mas por que os papéis da Taurus estão caindo tanto? Facilitar a compra de armas não é positivo para a empresa?

Três fatores explicam a queda, segundo o economista Pedro Coelho Afonso: venda de ação para embolsar lucro, frustração com o decreto e possibilidade de maior concorrência no setor de armas.

Investidores estão embolsando lucro

De acordo com o economista, a queda nas ações da Taurus depois de um fato importante (a assinatura do decreto sobre a posse de armas) é algo normal no mercado de renda variável e reflete um movimento de venda de ações para embolsar lucros.

“A Bolsa se antecipa ao fato sempre, e as ações se valorizam com essa expectativa. Quando chega próximo ou no dia do anúncio já não existe mais novidade, pois todo o ajuste de preço já havia sido feito antes. Agora é o momento de muitos venderem e realizarem o lucro de dias atrás”, disse.

Quando há mais investidores querendo vender ações do que aqueles querendo comprar, é normal que os preços caiam, de acordo com Afonso. “No curto prazo, é natural haver essa queda. Mas no médio e no longo prazo, a tendência é de estabilização”, afirmou.

LEIA A REPORTAGEM COMPLETA NO UOL.

Deixe uma resposta