Motorista que atropelou 17 pedestres em Copacabana alega ataque epilético e laudo descarta bebida alcoólica

Antônio de Almeida Anaquim, de 41 anos, que atropelou 17 pessoas na praia de Copacabana, na Zona Sul do Rio de Janeiro, na noite desta quinta-feira (18), diz que não se lembra do acidente. Uma bebê de oito meses morreu e treze pessoas seguem internadas nos hospitais Miguel Couto, na Gávea, e Souza Aguiar, no Centro. O condutor não estava alcoolizado, segundo resultado de exame feito pelo Instituto Médico-Legal (IML).

De acordo com o jornal ‘O Globo’, o condutor disse aos policiais que “não bebe” e que sofreu um ataque epilético. Os policiais encontraram um medicamento indicado para o tratamento da doença dentro do veículo.

Antônio afirmou que ficou desacordado no momento do acidente e que fazia “questão de realizar o exame de corpo de delito” para comprovar seu relato.

Tudo que se sabe sobre o atropelamento em Copacabana

Um motorista atropelou 17 pessoas na noite desta quinta-feira (18) na praia de Copacabana, na Zona Sul do Rio de Janeiro. Uma bebê de oito meses morreu e treze pessoas seguem internadas nos hospitais Miguel Couto, na Gávea, e Souza Aguiar, no Centro. O condutor vai responder em liberdade por homicídio culposo.

O acidente ocorreu por volta das 20h 30. O carro atravessou tanto a ciclovia, como o calçadão, e só parou no início da faixa de areia. Imagens que circulam nas redes sociais mostram feridos na orla após o atropelamento.

Um exame feito pelo Instituto Médico-Legal (IML) apontou que motorista Antônio de Almeida Anaquim, de 41 anos, não havia ingerido bebida alcoólica. O condutor disse aos policiais que sofreu um ataque epilético. A Polícia encontrou um medicamento indicado para o tratamento da doença dentro do veículo.

Um inquérito foi aberto na 12ªDP (Copacabana) e Antônio vai responder em liberdade por homicídio culposo. A polícia ouviu testemunha, entre elas a mulher que estava dentro do veículo no momento do acidente. Ela teria confirmado a tese de que o motorista desmaiou após sofrer um ataque epilético.

De acordo com o site do Detran, a carteira de habilitação de Antônio está bloqueada. Nos últimos 5 anos, ele acumulou 62 pontos e 14 multas. Nesta sexta-feira (19), o departamento informou que o motorista cometeu um crime de trânsito e que seu documento será cassado.

O último balanço da Secretaria Municipal de Saúde informou que das 16 vítimas, nove com ferimentos mais graves foram levadas para o Hospital Municipal Miguel Couto, na Gávea. Destas, três já receberam alta e seis permaneciam internadas. Um australiano, de 68 anos, está em estado grave. O turista sofreu traumatismo craniano e respira por aparelhos.

Os outros sete feridos foram socorridos no Hospital Souza Aguiar, entre elas a mãe da bebê que morreu. O hospital ainda não confirmou o quadro de saúde da paciente. Inconformado, o pai da menina chamou o motorista de “assassino” e pede Justiça.

Anúncios
Painel Político, principal fonte de informações políticas de Rondônia. Com noticiário completo sobre economia, variedades e cultura.

Participe do debate. Deixe seu comentário