fbpx

O repórter Fausto Macedo do jornal Estadão de São Paulo informa que o Ministério Público Federal no Maranhão (MPF/MA) recorreu da decisão da Justiça Federal no Estado que colocou em liberdade Lidiane Rocha, ex-prefeita de Bom Jardim, município situado a 230 quilômetros da capital São Luís. A Procuradoria da República afirma que ‘Lidiane e seu grupo possuem grande capacidade de coagir testemunhas, pessoas humildes e de pouca instrução’. Investigação da Polícia Federal atribui à ex-prefeita desvios de R$ 15 milhões da verba de merenda escolar durante sua gestão. Segundo a Procuradoria, testemunhas ‘têm medo de colaborar em razão de ameaças’.

A prefeita foi solta por decisão do juiz federal José Magno Linhares Moraes, que atribuiu a prisão de Lidiane como “pressão da mídia” e que ela não representava mais perigo, já que perdeu o cargo.  Na decisão publicada no dia 10 de outubro, o juiz questionou o fato de o Ministério Público Federal ainda não ter denunciado a ex-prefeita.Para o MPF houve ‘um possível equívoco’. “De fato, o inquérito policial foi relatado no dia 17 de setembro de 2015, porém, até o momento, o Ministério Público Federal no Maranhão não recebeu os autos, o que impossibilita o oferecimento de denúncia”, afirma a Procuradoria.

Acompanhando o caso à distância, PAINEL POLÍTICO não acredita muito em uma punição exemplar para a prefeita ostentação. É capaz dela emagrecer um pouqinho e melhorar as selfies, mas prisão, prisão mesmo…

Alan Alex é jornalista, editor do site e da coluna Painel Político. Natural de Porto Velho foi criador e editor do site Portal364, trabalhou na redação dos jornais Diário da Amazônia, Folha de Rondônia, revista Painel Político, foi assessor de imprensa, é roteirista, editor de conteúdo e relações públicas. Também atuou como repórter de TV e rádio. É filiado à ABRAJI.

1 thought on “MPF recorre de soltura da “prefeita ostentação”

  1. Essa vai ser apenas mais uma que roubou milhoés dos cofres publicos e depois saiu sem pagar nada à justiça, enrolação até cair no esquecimento.

Deixe uma resposta