No Espírito Santo, 144 pessoas foram mortas; PC e PF vão investigar participação de PMs

Corregedoria da Polícia Militar acompanha a investigação

Uma força-tarefa formada por policiais civis e federais vai investigar a participação de policiais militares em crimes com sinais de execução durante a crise de segurança no Espírito Santo, segundo a Secretaria de Segurança Pública do Espírito Santo (Sesp). A Corregedoria da Polícia Militar acompanha a investigação.

O Espírito Santo ficou sem polícia militar nas ruas por causa do protesto de familiares, na porta de batalhões, que impede a saída dos PMs.

A Policial Militar não pode fazer greve porque é proibido pela constituição. Nas ocupações, as mulheres sempre alegam que são elas que estão no comando da paralisação. Mas, para as  autoridades, essa é uma tentativa de encobrir o que, na verdade, seria um motim dos PMs.

Sem a PM, uma onda de violência se instaurou e 144 mortes foram registradas até as 17h deste domingo, 9º dia de protestos, segundo o Sindicato dos Policiais Civis (Sindipol).

Diante do número de crimes, a Sesp acertou com a Polícia Federal a criação de uma força-tarefa para investigar a autoria e motivação dos homicídios registrados na última semana, principalmente nos municípios da Grande Vitória. A hipótese de que policiais da ativa ou da reserva estariam por trás de algumas dessas mortes motivou a ação da Secretaria.

“Isso não está descartado. E há um grupo investigando exatamente esses crimes que aconteceram nos últimos dias. E, se houver a participação de policiais, eles deixam de (ser) policiais e passam à categoria de bandidos. Serão tratados como tais”, afirmou Garcia, em coletiva de imprensa realizada pela alta cúpula da pasta de Segurança Pública do Estado, na sede da secretaria, na manhã de sexta-feira (10).

O secretário não descartou, ainda, a possível participação de grupos de extermínio na onda de violência que eclodiu após o início da paralisação dos policiais militares, no último sábado. Questionado diretamente sobre esse eventual envolvimento, respondeu o seguinte:

“Eu não posso afirmar isso, porque não concluiu-se a investigação. Fica a cargo da investigação. Eu não posso afirmar que há grupos de extermínio, e não posso afirmar que tem militar em greve que está praticando esses crimes. Isso não é uma afirmação plausível, possível de ser feita neste momento”. Neste momento, ele fez uma breve pausa para enfatizar as suas palavras e emendou: “Neste momento”.

Indiciados

O secretário de Segurança Pública, André Garcia, disse nesta sexta-feira (10) que 703 policiais foram indiciados pelo crime de revolta ou motim.

Os PMs serão expulsos da instituição se forem condenados pelo crime de revolta, disse o comandante-geral da PM, Nylton Rodrigues, em entrevista à imprensa.

Esse crime é configurado quando os militares se reúnem, armados, ocupando quartel, agindo contra a ordem recebida de superior, ou negando-se a cumpri-la.

Na quinta-feira (9), 327 policiais militares tinham sido indiciados e, nesta sexta, foram mais 376. Somando os números, dá o total de 703 indiciados em inquérito policial militar.

Câmeras registram saques

Flagrantes registrados pelas câmeras da videomonitoramento da Guarda Municipal de Vila Velha mostram uma família dividindo os produtos saqueados de uma loja. Em outro vídeo, duas pessoas em uma bicicleta carregam sacolas com objetos furtados. Em outro flagrante, homens tiram a embalagem de um fogão e levam o produto nas costas.

Diálogos registrados pelo Ciodes

O Centro Integrado Operacional de Defesa Social (Ciodes) cancelou 7 mil ligações com pedidos de socorro na última semana. Sem polícia militar nas ruas, os pedidos não puderam ser atendidos.

O Fantástico teve acesso com exclusividade a alguns dos chamados. Veja abaixo:

Homem – Eu só médico…
Atendente – Sim
Homem – Quero saber o que vocês podem fazer pra gente. Nós ‘tamos’ ilhados aqui, e gente passando com fuzil aqui na mão.
Atendente – Como, senhor?
Homem – Bandido passando com fuzil.
Atendente – Entendi…
Homem – Mas pelo amor de Deus, tem paciente aqui internado, eles podem invadir aqui, matar paciente aqui no leito.

Atendente – Qual que é a emergência ?
Homem – Mais de dez vagabundos aqui em frente a minha casa, todo mundo altamente armado, tudo trocando tiro, dando um tiro no outro… Tô cheio de criança aqui dentro de casa aqui, tá dando muito tiro.

Homem é baleado e morre ao lado do filho

Na segunda-feira (6), um dos dias mais tensos da semana, Madson Chrizostomo estava no trabalho. O pai, Almir, de 61 anos, achou melhor ir buscar o filho. Os dois seguiam de carro por uma rua quando três assaltantes se aproximaram.

“Eles chegaram, apontaram a arma em cima. Quando meu pai acelerou, o cara pegou e atirou. Aí eu perguntei: ‘pai, te acertou?’ e ele só balançou a cabeça. Aí eu falei: ‘onde?’ e ele apontou as costas. Eu peguei e assumi o volante, porque o sinal estava aberto na principal, e ia bater um monte de carro na gente. Então eu peguei e joguei o carro num canteiro, e só um carro bateu na gente”, contou Madson.

“Parece mentira. Eu não acreditei não. A gente não conseguiu velar o nosso pai no dia. Meu pai teve que ficar na funerária, porque a gente não pôde, não tinha segurança. No enterro do meu pai, muita gente não foi, porque não tinha segurança, alguns parentes que moram distantes, a gente falou: não vem, porque vai colocar a vida de vocês em risco”, disse o filho.

A mãe de Almir lamenta a morte do filho. “Deixou uma saudade muito grande, para todo mundo, para as filhas, para a esposa, para os irmãos, para mim”, diz, chorando, Lourdes Chrizostomo.

Com G1 e Fantástico

 

Anúncios
Alan Alex é jornalista, editor do site e da coluna Painel Político. Natural de Porto Velho foi criador e editor do site Portal364, trabalhou na redação dos jornais Diário da Amazônia, Folha de Rondônia, revista Painel Político, foi assessor de imprensa, é roteirista, editor de conteúdo e relações públicas. Também atuou como repórter de TV e rádio. É filiado à ABRAJI.

Participe do debate. Deixe seu comentário