No PP, homens indicarão mulheres para receber recursos do fundo eleitoral

Critério consta de resolução aprovada pela direção nacional do partido entregue ao TSE

Na resolução entregue ao TSE (Tribunal Superior Eleitoral) em que especifica como será a distribuição dos recursos do fundo eleitoral entre seus candidatos, o PP estipulou que os homens indicarão as candidatas mulheres que desejam beneficiar.

O novo fundo eleitoral, de R$ 1,7 bilhão, foi criado para financiar as campanhas depois que as doações de empresas foram proibidas. A única exigência objetiva do TSE é que os partidos destinem, no mínimo, 30% do que receberem para candidaturas de mulheres.

A direção nacional do PP definiu que, para atingir os 30% exigidos, os homens abrirão mão de uma parte que seria deles.

Assim, um candidato homem vai indicar a candidata mulher que ele quer que receba a parte subtraída da dele.

Dois especialistas ouvidos pela Folha sob condição de anonimato disseram que esse critério, que subordina a mulher ao homem, subverte o objetivo da regra, que era fomentar a participação feminina na política.

O ideal, para um dos especialistas consultados, era que os partidos repassassem os 30% para o movimento de mulheres, e elas decidissem como usar o recurso.

O tesoureiro do PP, deputado Ricardo Barros (PR), afirmou que a opção do partido, na verdade, privilegia as mulheres. Segundo ele, uma candidata a deputada, por exemplo, receberá sua parte do fundo, como qualquer outro postulante à Câmara, e mais o que os candidatos homens lhe repassarem.

A sigla decidiu que vai dar R$ 2 milhões para os deputados federais, de qualquer gênero, que forem tentar a reeleição.

O PP é um dos 12 partidos que já remeteram ao TSE seus critérios de distribuição interna do “fundão”. Faltam 23 partidos submeterem a documentação à corte eleitoral, exigência para que recebam o recurso público. A campanha eleitoral começará em 16 de agosto.

Anúncios
Painel Político, principal fonte de informações políticas de Rondônia. Com noticiário completo sobre economia, variedades e cultura.

Participe do debate. Deixe seu comentário