Pai denuncia agressões sofridas pelo filho no Colégio Objetivo, em Porto Velho

Menino teria sido agredido com um pedaço de mármore

O empresário George Ramyson resolveu expor através através das redes sociais um problema muito frequente em escolas o bullyng que seu filho vem sofrendo na Unidade 1 do Colégio particular Objetivo, em Porto Velho.

De acordo com a postagem, na última terça-feira o menino teria sido agredido com um uma pedra de mármore por colegas da escola. Segundo o pai do menino, seu filho vai ser obrigado a se transferir porque o Objetivo não adota providências para resolver o caso.
O incidente acabou repercutindo nas redes sociais e um dos diretores da escola, empresário Augusto Peluccio minimizou o caso dizendo que “esse (redes sociais) não é o canal para uma discussão assim”.

POSTAGEM DO PAI

MEU FILHO FOI NOVAMENTE ATACADO POR OUTRO ALUNO NO COLÉGIO OBJETIVO DE PORTO VELHO.
DOIS ANOS SENDO PERSEGUIDO E AGREDIDO DENTRO DO COLÉGIO OBJETIVO!!!!
Na terça-feira (13/09) minha esposa denunciou esta situação ao Ministério Público e HOJE MEU FILHO FOI NOVAMENTE AGREDIDO E ATACADO COM ESTA PEDRA.
A VÍTIMA VAI TER QUE MUDAR DE ESCOLA!!!
NESTA ESCOLA E VITIMA NÃO TEM DIREITOS!!!

PALAVRAS DA MÃE

Quero agradecer a todos que de alguma maneira, em ligações, mensagens e manifestações no face, manifestações de amigo e até mesmo daqueles que não conheço. Obrigada pelo apoio!!!
Hoje depois da raiva, da indignação e da revolta, com a cabeça fria, acordei angustiada, pesarosa e amedrontada, pensando no que poderia ter acontecido com meu filho ontem! Em um lugar onde eu julgava seguro, onde eu achava que ali poderia confiar a vida do meu filho, nesse mesmo lugar ele poderia ter perdido sua vida. Lugar onde é para aprender a fazer o bem e tratar bem ao próximo, ele aprende o que é medo, injustiça regressão e hematomas.
Não entra na minha cabeça como uma família pode ser tão omissa a uma criança que apresenta tantos sinais de violência, uma “escola” omissa que compactua com tudo isso e diz que a lei protege o agressor através do ECA e meu filho que apanhe calado. Mas não vou me calar, vou falar, vou brigar, vou defender assim como toda leoa que protege sua cria!

Quero atitude, quero defesa, quero JUSTIÇA!!! Vou provar para meu filho, que já me questiona que isso não é justo, que justiça existe sim e se a escola não resolve a lei vai resolver!!!

Abaixo, a postagem do diretor do grupo Pellucio

Anúncios
Alan Alex é jornalista, editor do site e da coluna Painel Político. Natural de Porto Velho foi criador e editor do site Portal364, trabalhou na redação dos jornais Diário da Amazônia, Folha de Rondônia, revista Painel Político, foi assessor de imprensa, é roteirista, editor de conteúdo e relações públicas. Também atuou como repórter de TV e rádio. É filiado à ABRAJI.

Participe do debate. Deixe seu comentário