PF pede quebra de sigilos bancário e fiscal do presidente do TCU

Ministro da Corte, Raimundo Carreiro, e o filho de Aroldo Cedraz, o advogado Tiago Cedraz, também estão sendo investigados

A Polícia Federal pediu ao Supremo Tribunal Federal (STF) a quebra dos sigilos bancário e fiscal do presidente do Tribunal de Contas da União (TCU), Aroldo Cedraz, do ministro da Corte, Raimundo Carreiro, e do filho do presidente, o advogado Tiago Cedraz. A informação foi revelada nesta terça-feira (15) pelo site da revista Época.

Em julho do ano passado, o dono da empreiteira UTC, Ricardo Pessoa, um dos delatores da Operação Lava Jato, disse ter repassado R$ 1 milhão a Tiago Cedraz, quantia que, segundo afirmou, deveria chegar ao ministro Raimundo Carreiro.

Além disso, em fevereiro deste ano, Pessoa entregou à Polícia Federal uma tabela que indicava pagamentos que somam R$ 2,2 milhões a Tiago Cedraz.

Segundo o G1, a assessoria do TCU informou que o ministro Aroldo Cedraz nega que seja investigado e disse que não tinha conhecimento da quebra de sigilo. Já a assessoria, ao depor na Polícia Federal no ano passado, o ministro Raimundo Carreiro colocou à disposição os sigilos bancário, fiscal e telefônico.

Por meio de nota, a assessoria de Tiago Cedraz informou que ele “já colocou à disposição das autoridades seus sigilos desde o início das investigações.

Anúncios
Painel Político, principal fonte de informações políticas de Rondônia. Com noticiário completo sobre economia, variedades e cultura.

Participe do debate. Deixe seu comentário