Polícia investiga morte de menino de 2 anos após tomar achocolatado Itambé

Morte foi registrada em Cuiabá, no Mato Grosso, na última semana; Itambé afirma que lote do produto saiu da fábrica pronto para consumo

A Polícia Civil de Cuiabá, no Mato Grosso, investiga o caso de um menino de 2 anos que morreu após tomar um achocolatado da empresa mineira Itambé na última semana. Nesta segunda-feira (29), alguns depoimentos são realizados na Delegacia Especializada de Defesa da Criança e do Adolescente (Deddica).

O menino, que não teve o nome divulgado, morreu na última quinta-feira (25). Em depoimento, a mãe do garotinho, uma jovem de 28 anos, contou que o filho estava resfriado e soltando coriza pelo nariz, mas sem febre há dois dias.

No dia da morte, por volta das 9h, mãe e filho estavam em casa, localizada no bairro Parque Cuiabá, quando a criança pediu algo para comer. A mulher pegou uma caixinha de 200 ml do achocolatado “Itambezinho” e entregou ao garoto.

Minutos após ingerir a bebida, a vítima começou a ficar com falta de ar, “corpo mole e com princípio de desmaio”, segundo a versão da mãe. O menino foi levado para uma policlínica, onde médicos tentaram reanimá-lo por uma hora, mas ele não resistiu.

A mãe contou que tomou um pouco do achocolatado que tinha dado ao filho e teve tonturas e náuseas. O tio do garotinho também bebeu e precisou receber atendimento médico. Segundo a assessoria de imprensa da corporação, cinco caixas do produto, sendo três fechadas e duas abertas foram recolhidas. Entre elas, a vazia que teve o líquido consumido pela criança.

O material foi encaminhado ao Laboratório Forense da Perícia Oficial e Identificação Técnica (Politec) e passará por análises. Exames com amostras colhidas da criança em exame de necrópsia também serão analisados. Ainda não há data para divulgação da conclusão dos laudos.

A investigação do caso está a cargo do delegado titular da Deddica, Eduardo Botelho.

Bebida foi dada pelo vizinho

As cinco caixas de achocolatado foram dadas à família por um vizinho. No dia da morte da criança, ele não foi localizado para passar informações de como adquiriu o produto. O homem também será ouvido pela polícia.

Produto é suspenso

Por medida de segurança, a Coordenadoria de Vigilância Sanitária do Estado de Mato Grosso solicitou interdição cautelar de todos os produtos Itambezinho Chocolate (sabor chocolate, rico em 10 vitaminas), com data de fabricação em 25/05/2016, validade 21/11/2016 e lote MA 21:18.

Posicionamento da empresa

Por meio de nota, a empresa Itambé afirmou que já foi notificada em relação ao caso da criança de Cuiabá e está em contato permanente com a Vigilância Sanitária regional e auxiliando na apuração dos fatos.

A assessoria afirma que o lote do produto recolhido saiu da fábrica localizada em Minas Gerais pronto para consumo e que o achocolatado está no mercado há mais de dez anos e nunca apresentou qualquer problema.

Ainda conforme o comunicado, empresa já disponibilizou as contraprovas para os órgãos oficiais e continuará trabalhando para esclarecimentos do caso.

A reportagem fez contato com Instituto Mineiro de Agropecuária (IMA), mas foi informada que a Itambé tem registro no Serviço de Inspeção Federal (SIF) e está ligada diretamente à Superintendência Federal de Agricultura, Pecuária e Abastecimento em Minas Gerais (SFA-MG) . A assessoria de imprensa da superintendência não foi localizada para comentar o caso.

Boatos em redes sociais

Circulam pelas redes sociais boatos que uma outra criança e um adulto também teriam morrido após o consumo do produto. Porém, a polícia e a empresa afirmam que nenhuma outra denúncia foi realizada.

As informações são do jornal mineiro O Tempo

Anúncios
Alan Alex é jornalista, editor do site e da coluna Painel Político. Natural de Porto Velho foi criador e editor do site Portal364, trabalhou na redação dos jornais Diário da Amazônia, Folha de Rondônia, revista Painel Político, foi assessor de imprensa, é roteirista, editor de conteúdo e relações públicas. Também atuou como repórter de TV e rádio. É filiado à ABRAJI.

Participe do debate. Deixe seu comentário