[COLUNA] – Marcos Rocha já empregou 3.200 comissionados, e ele está certo, é mais barato que concursados

Brasileiro elegeu candidatos do PSL que prometeram mudanças e a implantação do "Estado Mínimo", que prevê a terceirização ampla e irrestrita. Cargos de livre nomeação são bem mais baratos a máquina pública que os servidores efetivos, que acumulam gratificações. O problema é que eles não estão enxugando nada, estão apenas empregando os amigos

Brasileiro elegeu candidatos do PSL que prometeram mudanças e a implantação do “Estado Mínimo”, que prevê a terceirização ampla e irrestrita. Cargos de livre nomeação são bem mais baratos a máquina pública que os servidores efetivos, que acumulam gratificações. O problema é que eles não estão enxugando nada, estão apenas empregando os amigos

Empregou geral

A caneta Bic de Marcos Rocha deve ter acabado a tinta de tanto assinar nomeações de cargos comissionados nos últimos dias. Desde o dia 3 deste mês, já foram nomeados mais de 3.200 cargos (eram 3.122 até ontem, 17, mas o DIOF desta sexta trouxe pelo menos mais 100 nomeações). Para se ter uma idéia do que representa esse número, em 2007, a Associação Nacional dos Procuradores de Estado, ingressou com uma ação no STF contra Ivo Cassol porque ele havia criado 1.306 cargos comissionados em seu governo, que contava com pouco mais de 900 comissionados. Confúcio, em 2013, anunciou que reduziria 1.800 cargos com a extinção de algumas secretarias, fez isso no primeiro momento, depois mandou uma reforma que não apenas aumentava a quantidade de cargos, como também os valores.

Desenhando

Cargos de livre nomeação são importantes, a grande maioria reclama pelo fato de não ter sido escolhido, porque nesses casos o critério é, de fato, “quem indica”, o que torna a coisa desigual. Não adianta reclamar que o governo tem que fazer concurso, não tem. Ao menos foi para isso que elegeram Jair Bolsonaro, Marcos Rocha, Wilson Witzel e tantos outros que prometeram “mudar isso ai, talquei”? A grande questão é que eles não querem o “fim dos privilégios”, eles querem é privilegiar os seus. E é por isso que agora parte do eleitorado está decepcionada (porque tem aqueles que ainda acreditam, mas tem gente que acredita que a Terra é plana, então nem vale a pena discutir).

O correto

Seria eles começarem a reduzir os cargos comissionados, trocando-os por contratos terceirizados, onde o governo paga para que empresas assumam os encargos. O grande problema do serviço público são os penduricalhos que vão se acumulando com o passar dos anos. Cinco cargos comissionados de livre nomeação são mais baratos que um servidor efetivo. Se o governo liberal que foi eleito com a promessa de estado mínimo começar a implantar a terceirização ampla e irrestrita, quem sabe “muda isso ai, talquei”? Portanto vamos parar de mimimi.

Concluindo

A tendência é que nos próximos anos os concursos públicos sejam cada vez mais restritos à cargos como magistratura, promotores e delegados, e os cargos técnicos sejam ocupados por funcionários de empresas terceirizadas. Este ano mesmo, não existe nenhuma previsão de concurso em nível federal.

Voltando

Marcos Rocha já mostrou que o que fala não é o que pratica. A primeira oportunidade que teve pegou diárias, botou a esposa à tiracolo (também ganhando diária) e foram para a posse do capitão. Voltou, empregou a ex-mulher com um cargo comissionado com status de secretaria. E esta semana a atual fez algumas mudanças no mínimo questionáveis para o bom andamento do trabalho.

Olha essa

A secretária e primeira dama Luana Nunes exigiu que sua secretaria de Ação Social fique no mesmo prédio onde funciona o gabinete do governador. Para que isso aconteça, ela colocou o departamento de Comunicação e o Cerimonial em um prédio secundário, o que atrapalha o serviço dos profissionais, já que o governador está sempre em agenda, e além da importância do registro, tem as regras de recepção que são feitas pelo cerimonial.

Carro descaracterizado

Ela também solicitou um carro para uso pessoal, mas descaracterizado, ou seja, sem identificação. A SEAS tem frota própria, mas não serve para ela. Não sei até que ponto isso é legal, mas deve estar amparado em algum daqueles decretos feitos para atender caprichos dos governantes de plantão.

Queda de braço

Nesta sexta-feira esposas e mães de detentos fizeram um bloqueio na Estrada da Penal em protesto a suspensão das visitas no fim de semana nas unidades prisionais, em função da “operação padrão” adotada pelos agentes penitenciários, em retaliação ao veto, por Marcos Rocha, do PCCS da categoria, que estava incluso no orçamento. Nem mesmo advogados estão autorizados a entrar. Os agentes alegam que o procedimento é para garantir a segurança, já que a legislação determina que tenha um agente para cada cinco presos, sendo que atualmente são 7 agentes para 800 apenados.

Da Reserva

Marcos Rocha deve convocar os policiais militares da reserva para que eles assumam o presídio. Essa informação circulou durante a campanha e pelo jeito deverá ser concretizada nos próximos dias. A idéia é deixar os agentes penitenciários falando sozinhos.

Teste no sangue do cordão umbilical pode alertar para risco de hipoxia neonatal

A presença do microRNA no sangue do cordão umbilical pode ser sinal de iminência da encefalopatia hipóxico-isquêmica (EHI) em neonatos, o que representa uma potencial vantagem em relação aos atuais métodos diagnósticos, sugere nova pesquisa. Em um estudo com 160 crianças nascidas a termo, dois microRNA específicos (miR-374a-5p e miR-376c-3p) diferenciaram as crianças com asfixia perinatal (AP) e encefalopatia hipóxico-isquêmica, das crianças saudáveis. Para aumentar a sua aplicação clínica, os pesquisadores também identificaram um terceiro microRNA (miR-181b-5p) que pode ajudar a determinar quais neonatos se beneficiariam do uso da hipotermia terapêutica. A necessidade de uma forma melhor de mensurar a encefalopatia hipóxico-isquêmica após asfixia perinatal levou os pesquisadores a buscar um teste quantificável, robusto e disponível precocemente para ajudar a definir a conduta nas primeiras horas após o nascimento. Os resultados foram publicados on-line no dia 28 de dezembro no periódico JAMA Neurology. Os microRNA podem ser dosados no sangue do cordão umbilical de forma não invasiva. Os pesquisadores dizem que a identificação destes pequenos ácidos ribonucleicos é a melhor informação disponível para este diagnóstico diferencial, e pode ser feita através de exames rápidos de reação em cadeia da polimerase (PCR, do inglês Polymerase Chain Reaction) na própria unidade de saúde. A pesquisa sobre microRNA ainda é relativamente nova; estudos anteriores sobre miR-374a e miR-376c foram direcionados ao câncer. A encefalopatia hipóxico-isquêmica neonatal pode causar deficiência neurológica de longo prazo e morte em neonatos.


Participe do debate. Comente!