[COLUNA] – Sobre a candidatura de Eyder Brasil: “Ele terá dois votos, o dele e o do Lebrão”

Deputados se irritam com intrusão do governo na eleição da Mesa Diretora da Assembléia. Relatório da SESDEC podia ter sido usado para cancelar contrato milionário com a TB Serviços, mas foi ignorado. OAB não reajustou anuidade

Alone

“Ele terá dois votos, o dele e o do Lebrão”, a fala é de um deputado novato sobre a candidatura de Eyder Brasil para a presidência da Assembleia Legislativa “com apoio de Marcos Rocha” (que não foi oficializado pelo governador). Eyder passou o dia compartilhando mensagens de apoiadores de sua candidatura em seu perfil no Facebook. Em uma delas, ele chama os colegas de “ratos”. Se a idéia era conseguir votos, realmente ele está no caminho errado.

Emergência

E a quarta-feira está sendo agitada na Assembleia. Deputados passaram o dia entrando e saindo de reuniões para tratar da eleição da Mesa. Alguns que estavam no interior foram chamados “com emergência” por emissários de Brasil. Nos corredores, fala-se em propostas de “40 cargos no governo” para cada um que der apoio à candidatura do único deputado estadual do PSL. Para quem foi eleito falando em “moralidade”, a contradição é gritante. Se de fato for isso que estiver acontecendo, é vergonhoso.

Sem reajuste

A OAB de Rondônia foi uma das poucas seccionais do país que não deu reajuste na anuidade. Os boletos já estão sendo emitidos com os mesmos valores de 2016. Quem pagar até o dia 10/01 tem 15% de desconto na anuidade.

Falando em OAB

Elton Assis, o novo presidente assumiu em 1 de janeiro sem barulho. A solenidade de posse foi discreta, e reuniu um pequeno grupo. Elton pretende implementar uma série mudanças após o fim do recesso do judiciário, dia 20/1, que é quando o “ano judicial” começa de fato.

Sem chance

O deputado federal do MBL, Kim Kataguiri, em um completo desconhecimento da independência dos poderes, ingressou no STF para obrigar a Câmara a promover o voto aberto na eleição da Mesa. Toffoli, presidente da Corte, informou em despacho que “a escolha do presidente da Câmara é um assunto interno do Legislativo” e enterrou a pataquada.

Então…

Um relatório de fiscalização da SESDEC, de março de 2018, apontou uma série de irregularidades no contrato da empresa TB Serviços (que aluga carros para o governo) que permitiam o cancelamento do contrato. Entre as irregularidades apontadas estava a falta de seguro dos veículos, o que, segundo indicou o documento, “há o risco de que, não tendo sido feito o seguro dos veículos locados nos exatos termos da previsão contratual, as obrigações apontadas nas alíneas “a”, “b”, “g” e “n” muito embora estejam sendo adimplidas pela Contratada, não se pode olvidar que esta empresa poderá pleitear, futuramente, o ressarcimento dos valores gastos na manutenção dos veículos em situações nas quais certamente o seguro cobriria, independentemente de culpa do agente público”.

Indo além

O relatório, de 15 páginas, indicou ainda uma série de faltas por parte da empresa, que era notificada formalmente, mas não corrigia as falhas. Mesmo assim, o contrato foi mantido, a nota paga e a TB segue feliz. À título de complementação da informação, o “representante” da empresa que é amigo pessoal do atual superintendente de Gestão e Gastos Públicos, Júnior Gonçalves, chama-se Geraldo Romera P S Gomes, que vem a ser filho da proprietária da empresa. Eles seguem sendo amigos. A TB segue com o contrato. E a gente segue com a conta.

Estudo genético comprova que o diabetes tipo 2 pode causar disfunção erétil

O diabetes tipo 2 pode ser um fator causal na etiologia da disfunção erétil (DE), com a resistência à insulina como provável via de mediação, sugerem resultados de uma análise de associação genômica ampla. Os dados também revelaram um locus genético relacionado com a disfunção erétil. O Dr. Bovijn Jonas, Ph.D., do Big Data Institute, na University of Oxford, no Reino Unido, e colaboradores, reuniram dados de mais de 220.000 homens provenientes de três coortes, dos quais mais de 6.000 tinham disfunção erétil. Os pesquisadores inicialmente mostraram que uma região no cromossomo 6 está associada à disfunção erétil. Sua localização sugere que este quadro seja associado à desregulação do hipotálamo. A seguir, os autores fizeram uma análise de randomização mendeliana que examinou a relação entre as mutações genéticas conhecidamente associadas, neste caso, a fatores cardiometabólicos e ao desfecho de disfunção erétil. A pesquisa, publicada on-line em 20 de dezembro no periódico American Journal of Human Genetics, mostrou que a predisposição genética ao diabetes tipo 2 aumentou o risco de disfunção erétil. Este risco foi impulsionado principalmente pela tendência à resistência à insulina .


Participe do debate. Comente!