Ponte entre Brasil e União Europeia é aberta no Amapá após 6 anos pronta

Cerimônia neste sábado (18) não teve presença de ministros brasileiros.
Mesmo com abertura, veículos de cargas são proibidos, apenas de passeio.

Sem a presença de ministros brasileiros, foi aberta oficialmente para a passagem de veículos neste sábado (18) a Ponte Binacional Franco-Brasileira, que vai ligar por via terrestre o Brasil e a União Europeia a partir da divisa entre o Amapá e a Guiana Francesa. A estrutura pronta desde 2011 custou cerca de R$ 70 milhões, e dependia de acordos entre os dois países e de obras do lado brasileiro.

A cerimônia aconteceu dos dois lados da ponte, que tem 378 metros de extensão e liga as cidades de Oiapoque, no Amapá, e Saint-Georges, na Guiana Francesa. Apesar da abertura, podem trafegar pela estrutura somente veículos de passeio, estando ainda proibido o transporte de cargas, o que segundo o governo brasileiro deve acontecer até o meio do ano. Apesar da inauguração a passeagem de veículos será iniciada na segunda-feira (20).

A estrutura substitui o uso regular de balsas no rio Oiapoque. As regras para travessia, como exigência de visto, estão mantidas e condicionadas ao pagamento de um seguro para os veículos brasileiros, que varia de 250 a 450 euros, dependendo do modelo do carro. A ponte ficará aberta de segunda-feira à sexta-feira, das 8h às 18h, e aos sábados, das 8h às 12h. A travessia não será liberada aos domingos por enquanto.

Participaram da cerimônia de corte da faixa o governador do Amapá, Waldez Góes, além da prefeita de Oiapoque, Maria Orlanda, senadores e deputados do estado. Com a ausência de ministros do Governo Federal, estiveram membros da Polícia Federal (PF), Polícia Rodoviária Federal (PRF) e do Departamento Nacional de Infraestrutura e Transportes (Dnit).

Do lado francês, estavam autoridades militares, além dos prefeitos de Saint-Georges e da Guiana Francesa. A ministra do Meio Ambiente, Segolene Royal, estava com presença confirmada, mas não participou. A ponte foi idealizada em 1997 entre os ex-presidentes do Brasil e França, Fernando Henrique Cardoso e Jacques Chirac.

Um dos problemas que visitantes do lado brasileiro podem enfrentar, com a abertura da ponte, é a falta de pavimentação de parte da Rodovia BR-156, único acesso de Oiapoque para a capital Macapá. Construída há mais de 40 anos, a estrada ainda tem um trecho com pouco mais de 100 quilômetros sem asfalto. Com as chuvas do período invernoso, a região está tomada por atoleiros que limitam e retardam o tráfego.

Nessas condições, a viagem pode demorar mais de 12 horas.

Abertura definitiva

Além dos acordos internacionais, a estrutura alfandegária do lado brasileiro da ponte ainda não foi concluída. A construção está nos serviços de terraplenagem, e tem previsão de conclusão para o primeiro semestre de 2017, dependendo das chuvas, disse o Dnit. O lado francês está concluído desde 2011.

A construção vai abranger uma área de 21,7 mil metros quadrados com serviços de iluminação, circuito de TV, instalações elétricas, além da parte de mobilidade urbana.

Após o término da obra, a alfândega será entregue para a Secretaria de Patrimônio da União (SPU), futura responsável pela administração do espaço. A estrutura vai conter postos da Anvisa, Polícia Rodoviária Federal, Polícia Federal, Ibama e Receita Federal. Cada órgão será responsável pela aquisição dos próprios equipamentos.

Fonte: g1/ap

Anúncios
Painel Político, é um blog de notícias de Rondônia, com informações sobre política regional, nacional, economia, jurídico e variedades. Siga-nos nas redes sociais, visite-nos diariamente e fique sempre bem informado.

Participe do debate. Deixe seu comentário