Prisão de motorista embriagado causa confusão entre PM e Civil no DF

Um novo embate entre a Polícia Civil e a Polícia Militar foi registrado na madrugada desta terça-feira (27/2). Segundo informações preliminares, o motivo da briga seria a prisão de um motorista embriagado. O caso foi registrado na 12ª Delegacia de Polícia (Taguatinga), onde ocorreu toda a confusão. A unidade da PCDF chegou a ser cercada por equipes da PM e o clima ficou tenso.

O motorista embriagado se envolveu em um acidente em Vicente Pires. Ele foi levado à delegacia pelos militares. O delgado plantonista Yuri Santana de Brito Rocha teria pedido para que os PMs levassem o preso ao hospital, já que ele estaria machucado. Os PMs, no entanto, teriam se recusaram a recebê-lo de volta, alegando que a Polícia Civil havia recolhido o detido.

Diante da confusão, o delegado deu voz de prisão para a equipe da PM. De acordo com os militares, Yuri Rocha teria falado que eles eram “frouxos”. Dois oficiais compareceram à unidade e também receberam voz de prisão. Viaturas da Patamo, da Rotam e do batalhão da área foram ao local para apoiar os colegas. O delegado, por sua vez, teria dito que pediria reforço à Divisão de Operações Especiais (DOE) da Polícia Civil.
Segundo o Termo Circunstanciado de Ocorrência (TCO) registrado na DP, a equipe de plantão verificou que o preso apresentava uma lesão na coxa esquerda. Os agentes teriam informado ao comandante da guarnição, o sargento Clênio Gonçalves de Souza, que o conduzido precisava de atendimento médico e pediram que o detido fosse levado ao hospital. O sargento, de acordo com a PCDF, teria tido que não atenderia a solicitação, pois o preso poderia se autolesionar no cubículo da viatura e não iria colocá-lo no banco traseiro.

A partir dessa hora, o clima começou a esquentar. De acordo com TCO, o delegado teria sido avisado da situação e reforçado o pedido. “Desrespeitosamente, (o sargento) sorriu dando as costas para a autoridade policial sem que o mesmo terminasse a conversa, momento em que o Dr. Yuri deu voz de prisão”, destaca um trecho da ocorrência.

Acompanhado de outros militares que discordavam da atitude do delegado, o sargento Souza teria se recusado a assinar o termo circunstanciado por desacato. Os oficiais defenderam que se o sargento fosse autuado, seria crime militar e, assim, ele deveria ficar sob a custódia da PMDF e a lavratura do Termo Circunstanciado seria efetuada na Corregedoria da corporação. Eles também teriam ameaçado levar o delegado para a unidade militar.

“Após este fato, se fez presente a esta delegacia 12 viaturas da PMDF estacionadas no pátio com os rotolights acionados e pelo menos 50 militares, sendo que alguns deles exibiam armamento de grosso calibre”, narra a ocorrência.

Os militares seguiram para a Corregedoria, onde esperam a presença do delegado plantonista. O preso foi levado ao hospital por uma viatura do Corpo de Bombeiros.

Foi arbitrada uma fiança de R$ 1 mil para o motorista embriagado. O veículo dele foi liberado a um condutor habilitado. O resultado do teste do etilômetro apontou concentração de álcool igual a 0,80 mg/l, acima dos 0,33 mg/l considerados crime.

As informações são do Metrópole

Alan Alex é jornalista, editor do site e da coluna Painel Político. Natural de Porto Velho foi criador e editor do site Portal364, trabalhou na redação dos jornais Diário da Amazônia, Folha de Rondônia, revista Painel Político, foi assessor de imprensa, é roteirista, editor de conteúdo e relações públicas. Também atuou como repórter de TV e rádio. É filiado à ABRAJI.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *