Dois novos tipos de rotavírus são identificados no Brasil

Estudo foi publicado na revista científica Journal of General Virology e envolveu pesquisadores do Instituto Adolfo Lutz e do Instituto de Medicina Tropical da USP

Desde 2006, a atual geração de vacinas tem dado conta de prevenir a maior parte dos casos de rotavírus, que causa vômitos, cólicas, diarreia e é responsável por 40% das internações hospitalares de crianças no Brasil.

No entanto, um sinal amarelo foi aceso com a identificação de duas novas cepas no país, de acordo com um novo estudo.

O trabalho, publicado na revista científica Journal of General Virology e que envolveu pesquisadores do Instituto Adolfo Lutz (IAL) e do Instituto de Medicina Tropical da USP, mostrou que uma cepa que mistura material genético de vírus equino com vírus humano é hoje a mais comum nas análises que chegam ao IAL, o qual analisa material do Centro-Oeste, Sul e parte do Sudeste.

O rotavírus equino-humano apareceu no país em 2015. Em 2017, já correspondia a 80% de todas as amostras positivas para rotavírus.

Esse tipo de combinação das partes entre as cepas que infectam animais diferentes não é tão rara, afirma a pesquisadora Adriana Luchs, do Adolfo Lutz. Só que geralmente os vírus resultantes dessas combinações acabam num beco sem saída, infecciosamente falando –eles até conseguem infectar mamíferos ou aves, mas não conseguem ir adiante e infectar outro animal.

A explicação aventada pelos cientistas é que o rotavírus equino-humano teria se propagado pelo país a partir de Foz do Iguaçu, onde foi encontrado pela primeira vez em março de 2015 numa garota de dez anos que não havia sido vacinada. Desde então, o vírus circulou no Paraná até maio de 2016 até se espalhar por outros estados.

A pesquisa de Luchs e colaboradores, apoiada pela Fapesp, também identificou um outro vírus, o DS-1-like G1P[8], que só havia sido encontrado na Ásia. Essa cepa provavelmente chegou com alguém vindo daquele continente.

Apesar de ter sido um achado pontual, em 2013, ele tem importância: é justamente a partir da cepa G1P[8] que foi formulada a primeira vacina contra o rotavírus (da farmacêutica MSD). E ela tem funcionado bem contra todos os parentes que tem esse sobrenome P[8], que identifica uma das proteínas presentes na superfície do vírus, diz Luchs.

Uma emergência desse subtipo poderia indicar que a vacina está deixando de fazer efeito –o que, por ora, é apenas especulação. De todo modo, ressaltam os cientistas, é melhor ficar atento e manter o monitoramento a todo vapor.

A transmissão do rotavírus se dá geralmente pela via fecal-oral, ou seja, uma grande quantidade de vírus é dispersada pelas fezes. Resistentes, os vírus aguardam no ambiente até que surja uma nova oportunidade para infectar algum outro animal, reiniciando o ciclo. Com informações da Folhapress.

Fonte: noticiasaominuto

Os revoltantes casos de abuso sexual contra mulheres em coma ou estado vegetativo

A história de uma paciente em coma que deu à luz no Estado americano do Arizona chocou o mundo

É um exemplo de situação em que as mulheres estão particularmente vulneráveis ​​à agressão sexual e de uma nova vertente para o movimento #MeToo – vítimas que estão fisicamente impedidas de denunciar seus agressores.

A mulher, cujo nome não foi divulgado, deu à luz um menino em 29 de dezembro. Ela é paciente de uma clínica de repouso administrada pela Hacienda Healthcare, na cidade de Phoenix, e está em estado vegetativo há mais de uma década.

Os funcionários da clínica disseram que não sabiam que ela estava grávida até entrar em trabalho de parto.

O técnico em enfermagem Nathan Sutherland, de 36 anos, que trabalhava no local, foi preso acusado de abuso sexual e estupro de vulnerável.

A polícia chegou até ele após obter uma ordem judicial para coletar amostras de DNA, que foram comparadas ao DNA do bebê.

Infelizmente, no entanto, este não é o primeiro episódio de violência sexual contra pacientes do sexo feminino sob cuidado médico prolongado que resultou em gravidez.

Foram registrados casos em todo o mundo, incluindo na Argentina, no Brasil, em Dubai e no Reino Unido, além de pelo menos três ocorrências prévias nos EUA.

Um dos casos aconteceu em Nova York em 1995, quando um auxiliar de uma casa de repouso estuprou e engravidou Kathy Cobb, de 29 anos.

A gravidez foi detectada quando a mulher, em coma há vários anos, estava com quatro meses de gestação.

Os parentes dela eram católicos e foram contra abortar – Kathy levou a gravidez até o fim.

Ela morreu em 1997, pouco antes do primeiro aniversário do bebê.

Seu agressor, John Horace, alegou no tribunal que acreditava que a gravidez poderia “acordá-la”.

Enfermeira segura a mão de paciente
As pessoas com deficiência são quase quatro vezes mais vítimas de estupro e agressão sexual, segundo dados do governo dos EUA

Ele ficou preso por 13 anos.

O caso levou à criação de uma nova legislação no estado de Nova York, que reforçou a checagem dos antecedentes dos funcionários que trabalham em casas de repouso – a “Lei de Kathy”, como ficou conhecida.

Mas as mulheres vulneráveis ​​ainda são muito mais propensas a serem vítimas de violência sexual nos Estados Unidos.

Vulnerabilidade

Dados do Departamento de Justiça divulgados pela emissora de rádio pública NPR, em janeiro de 2018, mostraram que pessoas com deficiência eram quase quatro vezes mais vítimas de estupro e agressão sexual.

“Mais de 80% das mulheres com deficiência serão agredidas sexualmente em suas vidas”, disse um porta-voz da ONG americana Disability Justice.

Outro caso de gravidez durante coma foi registrado na Argentina em 2015, na província de Córdoba, mas reportagens da imprensa local dizem que a família da vítima se recusou a prestar queixa.

Dois anos antes, um enfermeiro na cidade argentina de Bahía Blanca foi condenado a oito anos de prisão por estuprar uma paciente de 60 anos em coma.

No Reino Unido, Andrew Hutchinson, enfermeiro do John Radcliffe Hospital, em Oxford, atacou duas pacientes inconscientes e até filmou as agressões, que ocorreram entre 2011 e 2013.

Ele foi condenado a 15 anos de prisão em março de 2015.

O Rashid Hospital, em Dubai, registrou um caso de abuso sexual contra uma paciente em coma em maio de 2010.

Episódios de abuso envolvendo mulheres em coma ou sedadas também foram registrados no Brasil, como o caso do médico Roger Abdelmassih, acusado de ter cometido 56 agressões sexuais contra pacientes, incluindo várias que estavam sedadas.

Estetoscópio
Uma investigação de 2016 revelou mais de 2 mil casos de abuso sexual envolvendo médicos nos EUA

O tema também foi retratado no cinema. No filme espanhol Fale com Ela (2002), do diretor Pedro Almodóvar, o funcionário de uma clínica de repouso é acusado de engravidar uma paciente em coma – uma dançarina por quem ele era obcecado antes de ser hospitalizada.

O filme ganhou o Oscar de melhor roteiro original.

Tolerância

Em 2016, uma investigação conduzida pelo jornal Atlanta-Journal Constitution descobriu 2,4 mil casos de abuso sexual cometidos por médicos contra pacientes anestesiadas ou sedadas nos Estados Unidos.

Eles ocorreram em todos os Estados desde 1999.

“Metade desses médicos ainda tinha licença médica em 2016”, disse o jornalista Danny Robbins, que publicou a história, à BBC.

Enfermeira atende paciente
A indústria das clínicas de repouso e lar de idosos movimenta bilhões de dólares nos Estados Unidos

“No que diz respeito aos médicos, o sistema protege os predadores.”

As clínicas de repouso e asilos são uma indústria enorme nos Estados Unidos – com receita estimada de US$ 132 bilhões em 2018, segundo relatório da empresa de pesquisa IBIS World.

Hospitais e casas de repouso investiram mais de US$ 73 milhões em lobby no ano passado, de acordo com o OpenSecrets.org, grupo que monitora gastos na política.

Segundo organizações como o Centro Nacional de Recursos de Violência Sexual (NSVRC, na sigla em inglês), casos de violência contra pacientes incapazes de expressar consentimento ainda são raros.

Mas eles destacam a vulnerabilidade dessas pessoas.

“Agressores oportunistas são comuns, nós vemos em todos os lugares em que há vulnerabilidades inerentes”, disse o NSVRC em comunicado.

Woman in a coma
Casos de violência contra pacientes incapazes de expressar consentimento ainda são raros, diz organização

O assédio é muito mais comum: a Hacienda Healthcare, por exemplo, foi alvo de investigação em 2013, após denúncias de que um funcionário do sexo masculino tinha feito comentários de cunho explicitamente sexual às pacientes.

De acordo com o Departamento de Serviços de Saúde do Arizona, o empregado foi demitido, e a Hacienda Healthcare prometeu aumentar a proteção aos pacientes.

Demissão

A BBC entrou em contato com a Hacienda Healthcare para comentar o caso da gravidez da mulher em coma.

Em comunicado, Gary Orman, vice-presidente executivo do conselho de administração da Hacienda, disse que a empresa “aceitará nada menos que um relatório completo desta situação absolutamente horripilante, um caso sem precedentes que devastou todos os envolvidos, da vítima e sua família aos funcionários da Hacienda em todos os níveis da organização”.

“Quero garantir aos nossos pacientes, a seus entes queridos, aos nossos parceiros comunitários, às agências com as quais fazemos negócios e aos moradores do Arizona, que nós continuaremos a cooperar com a polícia de Phoenix e com as instâncias de investigação em todos os níveis, de todas as maneiras possíveis”, disse Orman.

“Faremos tudo que estiver ao nosso alcance para garantir a segurança de cada um dos nossos pacientes e funcionários”.

O escândalo levou o diretor-executivo da Hacienda, Bill Timmons, a pedir demissão no início deste mês.

Bill Timmons
Bill Timmons, que era diretor-executivo da Hacienda, pediu demissão após o escândalo

Em 14 de janeiro, a empresa anunciou que abriu uma auditoria interna “exaustiva” para determinar como a paciente engravidou.

A família da mulher disse, por meio de um advogado, que ela deu à luz um “menino saudável” que será cuidado pelos parentes dela.

BBC Brasil

WhatsApp identifica e acaba com truque que permitia stalkear status

Outra novidade foi a introdução de uma nova disposição de emojis

Quem gostava de ver os Status no WhatsApp, mas não queria deixar a marca, usava um truque bem conhecido – desligava os Recidos de Leitura, olhava a postagem alheia anonimamente e depois reativava a opção de recibos, sem que o comportamento fosse notado. Acabou a festa!

Agora, ao ligar de volta, sua ação será mostrada para quem publicou fotos ou vídeos nos Status, os Stories do WhatsApp. Isso acontecerá mesmo sem que você clique novamente naquele vídeo – fuçou, o aplicativo entregou.

A mudança foi identificada pelo WABetaInfo, site especializado em novidades do WhatsApp. Ele dá a dica para quem quiser olhar aquela fotinho ou vídeo, mas passar despercebido: reativar os Recibos de Leitura 24 horas depois que o Status for publicado. Desta forma, o conteúdo terá expirado e seu autor não conseguirá mais ver quem assistiu ao que estava lá.

Outra novidade foi a introdução de uma nova disposição de emojis, que chegou com ao beta da versão 2.19.21 do WhatsApp para Android.

O drama do bombeiro de Curitiba em busca da filha desaparecida em Brumadinho

Grávida de quatro meses, Fernanda é a filha caçula do sargento dos bombeiros

O sargento Justino, do Corpo de Bombeiros de Curitiba, vive momentos de drama desde a última sexta-feira (25). A filha dele, Fernanda Damian de Almeida, de 30 anos, é uma das vítimas desaparecidas na tragédia de Brumadinho, em Minas Gerais. Ela estava na Pousada Nova Estância com a família do noivo quando a barragem da Vale se rompeu, matando 65 pessoas e deixando outras 279 desaparecidas.

Muito chocado com o que aconteceu, o sargento Justino não estava em condições de falar com a reportagem. O sargento Newman, amigo pessoal de Justino, falou sobre o drama vivido por parentes das vitimas.”Estamos há três dias aqui em Brumadinho passando por momentos difíceis. Infelizmente, depois que ela saiu de Curitiba e veio de passeio até Minas Gerais, aconteceu isso. Estavam em cinco pessoas, todas desaparecidas. É uma situação muito triste. Criei esta menina, por isso estou aqui com o Justino”, descreveu.

De acordo com o sargento, o clima na cidade mineira é chocante. “Vocês não têm ideia da situação do que aconteceu aqui. Tem rochas de uma tonelada que desceram com o barro, em uma altura de oito metros. A esperança de encontrar alguém com vida é mínima. O desespero dos familiares choca”, lamentou.

Grávida de quatro meses, Fernanda é a filha caçula do sargento dos bombeiros, que tem residência no bairro Hauer. Acostumado a salvar vidas, agora Justino se vê impotente em meio ao mar de lama.  A jovem estava estudando na área de engenharia na Austrália. O plano era se reunir com o noivo e a família dele, então hospedados na Pousada Nova Estância, em uma área de mata em Brumadinho, para visitar o Museu de Inhotim.

Da rádio Banda B

Funcionários da Vale e engenheiros que atestaram segurança de barragem em Brumadinho são presos em MG e SP; veja lista

Investigações apontam suspeita de fraude em documentos. Último balanço da Defesa Civil de MG confirmou que 65 pessoas morreram e 279 ainda estão desaparecidas

Cinco pessoas foram presas na manhã desta terça-feira (29) suspeitas de responsabilidade na tragédia da barragem 1 da Mina do Feijão, em Brumadinho (MG), que se rompeu na sexta-feira (25). Dois engenheiros da empresa TÜV SÜD que prestavam serviço para a mineradora Vale foram presos em São Paulo. Em Minas, foram presos três funcionários da Vale.

Na noite de segunda-feira (28), a Defesa Civil de Minas Gerais informou que há 65 mortos e 279 desaparecidos após a tragédia provocada pelo rompimento da barragem da mineradora Vale, na região metropolitana de Belo Horizonte. Nesta terça-feira, começa o quinto dia de buscas no local.

Os investigadores do Ministério Público e da polícia apuram se documentos técnicos, feitos por empresas contratadas pela Vale e que atestavam a segurança da barragem que se rompeu, foram, de alguma maneira, fraudados.

Quem foi preso

  • André Yassuda – engenheiro preso em SP
  • Makoto Namba – engenheiro preso em SP
  • Cesar Augusto Pauluni Grandchamp – funcionário da Vale preso em MG
  • Ricardo de Oliveira – funcionário da Vale preso em MG
  • Rodrigo Artur Gomes de Melo – funcionário da Vale preso em MG

Atestado de segurança

Segundo investigadores, os engenheiros presos em São Paulo participaram de forma direta e atestaram a segurança da barragem número 1 da Mina do Feijão, que se rompeu em Brumadinho.

Os engenheiros Makoto Namba e André Yassuda foram presos em São Paulo, nos bairros de Moema e Vila Mariana, Zona Sul. Eles foram levados para a sede da Polícia Civil e deverão ser encaminhados em seguida para Minas Gerais, após embarcarem no Aeroporto Campo de Marte, na Zona Norte.

Na casa de Makoto Namba, chamou a atenção dos investigadores o fato de haver vários recortes de jornal com informações sobre a tragédia de 2015 de Mariana, da Samarco. Também foram identificados cartões de crédito, computadores e extratos de contas bancárias no exterior.

Licenciamento

Na região metropolitana de Belo Horizonte, foram presos os engenheiros da Vale diretamente envolvidos e responsáveis pelo licenciamento do empreendimento minerário onde fica a barragem que se rompeu. A reportagem tenta contato com a defesa dos presos.

As ordens da Justiça são de prisão temporária, com validade de 30 dias, e foram expedidas pela Justiça no domingo.

Por meio de nota, a Vale informou que “está colaborando plenamente com as autoridades”. “A Vale permanecerá contribuindo com as investigações para a apuração dos fatos, juntamente com o apoio incondicional às famílias atingidas”, diz a nota divulgada após a prisão dos engenheiros.

Buscas e apreensões

A Polícia Federal em São Paulo também participa da operação e cumpre, neste momento, dois mandados de busca e apreensão em empresas que prestaram serviços para a Vale. O nome das empresas ainda não foi divulgado.

Toda a operação é coordenada por policiais, promotores e procuradores de Minas Gerais. A força-tarefa envolve a Polícia Federal, o Ministério Público Estadual e Federal e a Polícia Civil.

As ações em São Paulo são coordenadas por promotores do núcleo da capital do Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco) do MP de São Paulo, e pelo Departamento de Capturas (Decade) da Polícia Civil paulista.

Do G1


Equipamentos do exército de Israel não servem para buscas, dizem bombeiros

“O imagiador que eles têm pegam corpos quentes, e todos os corpos [na região] são frios”, disse o ministro israelense

Os equipamentos trazidos de Israel para Brumadinho (MG) “não são efetivos para esse tipo de desastre”, disse o comandante das operações de resgate, o tenente-coronel Eduardo Ângelo. 

“O ministro de Israel se pronunciou a respeito das dificuldades que eles tiveram. O imagiador que eles têm pegam corpos quentes, e todos os corpos [na região] são frios. Então esse já é um equipamento ineficiente”, disse o tenente-coronel ao jornalista Rubens Valente, da Folha de S. Paulo. “Dos equipamentos que eles trouxeram, nenhum se aplica a esse tipo de desastre”, disse ele.

O militar reconheceu que o detector de imagens poderia ser eficaz para localização de sobreviventes, pois capta o calor humano. Porém, nenhum sobrevivente foi localizado pelas buscas das últimas 48 horas. “O que faz [constitui] a imagem é a temperatura. Quando a temperatura está homogênea, é como se não houvesse nada no solo”.

Nos EUA, Eduardo Costa pede para seguranças darem uns “tapas” em fã bêbado

Costa provocou o rapaz, afirmando que essa atitude é “de quem não fazia sexo”

Eduardo Costa voltou a causar polêmica na mídia. O cantor sertanejo ficou incomodado com um fã, aparentemente embriagado, durante apresentação em Danbury, nos Estados Unidos, e pediu para que seus seguranças o tirassem a força. As informações são da revista Quem.

Costa ainda teria mandado sua equipe “dar uns tapas” no rapaz, que acabou levando uma gravata e sendo imobilizado por um dos quatro homens que trabalham para o cantor.

“Para todo mundo só para olhar para ele, que está querendo chamar a atenção. Meu segurança, tira ele para mim. Resolve aqui para mim. Pode pegar ele. A moça pode deixar, o rapaz você leva. Tira ele e dá uns tapas nele para mim, por favor. Quer fazer graça, vamos deixar ele fazer lá atrás”, disse o cantor durante a apresentação.

Após a ordem, o cantor foi aplaudido pelos outros fãs que estavam no local. “Esse tipo de gente tem que apanhar para aprender a viver. E o outro rapaz, que provocou ele, fica quietinho ou mando buscar.”

Por fim, ainda segundo a revista Quem, Costa provocou o rapaz, afirmando que essa atitude é de quem não fazia sexo. “Com certeza esse tipo de gente não come ninguém. Se for casado alguém vai pegar a mulher dele. Se Deus quiser. Eu estou sem tempo, senão seria eu”, completou.

Detento de Rondônia morre eletrocutado quando carregava tornezeleira na tomada

Caso foi registrado pela Polícia Militar na zona rural de Vilhena. Empresa responsável pelo dispositivo afirma que irá apurar e colaborar com autoridades

O apenado Evandro Faustina, de 27 anos, morreu durante uma descarga elétrica, enquanto carregava a tornozeleira eletrônica, segundo familiares. O caso foi registrado pela Polícia Militar (PM) no domingo (27), na zona rural de Vilhena (RO), a 700 quilômetros de Porto Velho.

Familiares contaram à PM que Evandro estava na sala da residência, junto com a esposa. Ele usava uma tornozeleira eletrônica na perna esquerda e estava com o plugue na tomada, carregando o dispositivo.

As testemunhas relataram ainda que, durante à tarde, ouviram um trovão, acompanhado de uma descarga elétrica, que provocou queda de energia na casa. Depois disso, a vítima teria morrido ainda no local.

Os familiares do detento reiteraram que a vítima estava deitada no piso, assistindo televisão, enquanto a tornozeleira estava sendo carregada. A mulher estava no sofá, mexendo no celular, que não estava conectado à internet, nem na tomada.

A descarga elétrica teria atingido a rede de energia da casa e depois alcançado Evandro. O homem, após receber o suposto choque, teria falado algumas palavras e morrido em seguida. O corpo foi levado para Presidente Médice (RO) nesta segunda, onde será velado e sepultado.

O boletim de ocorrência foi registrado pela PM como morte acidental. A Polícia Civil informou que, na necropsia, não foi possível confirmar que a morte aconteceu em decorrência de descarga elétrica, pois não havia sinais no corpo da vítima.

Equipamento estaria carregando na tomada, dizem os parentes da vítima (imagem ilustrativa)

Contudo, materiais do corpo foram colhidos e serão encaminhados para o Instituto Médico Legal (IML) de Porto Velho, para verificar o motivo do óbito. O resultado do laudo deve ser emitido nas próximas semanas. O caso está sendo investigado.

A empresa Spacecom, responsável pelo desenvolvimento e fornecimento de tornozeleiras eletrônicas para o estado de Rondônia, informou que irá apurar o caso e contribuir com as autoridades para que a situação seja esclarecida.

“Os equipamentos são aprovados e homologados pela Anatel [Agência Nacional de Telecomunicações]; passam por todos os testes. É muito prematuro colocar a culpa na tornozeleira, antes de todos os fatos serem apurados, desde da rede elétrica da casa da pessoa, estado do equipamento e verificação de todo o ocorrido”, enfatiza o presidente da empresa, Sávio Bloomfield.

Conforme a Spacecom, atualmente, a empresa atua em 16 estados, tendo monitorado mais de 200 mil sentenciados distintos, com uma média de 35 mil monitorados por dia. A Spacecom, localizada em Curitiba (PR), é a maior empresa de monitoramento de sentenciados da América Latina.

A Eletrobrás informou que, na localidade onde o preso morava, não houve nenhum tipo de ocorrência relativo à queda de energia. Porém, para ser mais precisa, seria necessário o número da unidade consumidora da residência.

De acordo com o Tribunal de Justiça de Rondônia (TJ-RO), Evandro cumpria pena por furto, roubo e embriaguez na direção. Ele foi condenado a 9 anos e 11 meses de prisão e já havia cumprido 2 anos e 1 mês. Atualmente, o preso cumpria pena no regime semiaberto.

As informações são do G1/RO

Jovem é espancada e morta pelo companheiro durante visita íntima

Vítima de 22 anos foi agredida no rosto e chegou a cair de uma beliche neste domingo (27). Caso será investigado pela Delegacia de Defesa da Mulher

Uma jovem de 22 foi morta pelo companheiro durante uma visita íntima no Centro de Detenção Provisória (CDP) de Jundiaí (SP), neste domingo (27). Conforme apurado pela TV TEM, Nicolly Guimarães Sapucci foi agredida no rosto com vários chutes.

Ainda segundo informações obtidas pela TV TEM, Nicolly e o agressor Michael Denis Freitas, de 25 anos, que cumpre pena por roubo, discutiram e chegaram a cair da beliche em que estavam.

Nicolly foi socorrida e levada ao Hospital São Vicente de Paulo com agressões graves no rosto, que a deixaram desfigurada, e não resistiu aos ferimentos. O corpo foi encaminhado ao IML de Jundiaí e aguarda liberação da família, de Bragança Paulista.

O agressor foi autuado em flagrante por homicídio. O caso será investigado pela Delegacia de Defesa da Mulher de Jundiaí.

De acordo com dados da SAP, de quinta-feira (24), o CDP de Jundiaí tem capacidade para 847 detentos, mas abriga 1.595 presos.

G1/SP


Sisu 2019: resultado é divulgado; veja lista de aprovados na 1ª chamada

Lista pode ser consultada no site do programa. Participantes devem se matricular do dia 30 de janeiro a 4 de fevereiro

O resultado da primeira chamada do Sistema de Seleção Unificada (Sisu) foi divulgado nesta segunda-feira (28). Para acessar a lista de aprovados, é preciso entrar no site do programa.

As matrículas ocorrerão entre 30 de janeiro e 4 de fevereiro. Nesse período, os candidatos precisarão reunir os documentos exigidos e comparecer ao endereço informado pela instituição de ensino em que estudarão.

Para este semestre, são oferecidas 235.476 vagas, em 129 instituições públicas de todo o Brasil.

Lista de espera

Caso o candidato não tenha sido aprovado, precisará manifestar interesse em participar da lista de espera. Entre 28/1 a 4/2, ele deverá escolher uma das opções de curso em que se inscreveu para tentar novamente.

Cada universidade disponibilizará um determinado número de vagas com base nas que não foram ocupadas na 1ª chamada.

O que acontece com quem passar só na segunda opção?

Se o candidato foi selecionado somente na segunda opção de curso, essa será sua única oportunidade de se matricular pelo Sisu. Ele não poderá participar da lista de espera.

Prorrogação das inscrições

Neste ano, as inscrições foram prorrogadas para as 23h59 do último domingo (27), por causa de instabilidades no sistema. Candidatos estavam com dificuldade de entrar no Sisu e marcar as opções de curso desejadas – o site não carregava e, quando abria, exibia uma tela de login com problemas.

O Ministério da Educação (MEC) afirmou que “foi registrada a lentidão do sistema em razão do enorme volume de acessos”.

Notas de corte

Pela primeira vez, o Sisu atualizou as notas de corte parciais de cada curso em cinco momentos do dia: 0h, 7h, 12h, 17h30 e 20h. Nas últimas edições, os índices só eram renovados à meia-noite, diariamente, até o prazo final.