Inscrições para 2.780 vagas na UNIR em 2019 encerram nesta terça-feira

As inscrições para o Processo Seletivo Discente 2019 da Fundação Universidade Federal de Rondônia (UNIR) encerram nesta terça-feira (22), às 18 horas. O certame é a porta de entrada para os cursos de graduação da UNIR e os interessados em concorrer às vagas deverão realizar a inscrição gratuitamente, exclusivamente via internet, por meio de formulário eletrônico disponibilizado no portal da UNIR (www.unir.br) ou diretamente no link http://www.certames.unir.br/discente/login.xhtml.

Para 2019 são oferecidas 2.780 vagas em mais de 60 cursos gratuitos de graduação presenciais e a distância, para os 1º e 2º semestres letivos de 2019. As vagas são para os oito campi da UNIR localizados nos municípios de Guajará-Mirim, Porto Velho, Ariquemes, Ji-Paraná, Cacoal, Presidente Médici, Rolim de Moura e Vilhena.

A seleção será realizada exclusivamente a partir das notas obtidas pelos candidatos no Exame Nacional do Ensino Médio (ENEM) de 2018.

A previsão para divulgação do resultado final do Processo Seletivo Discente 2019 é dia 1º de fevereiro, conforme cronograma, e as matrículas dos aprovados devem começar em 11 de fevereiro de 2019.

O início das aulas do 1º semestre será no dia 18 de fevereiro de 2019.

Para saber mais, acesse o edital e seus anexos na página do Processo Seletivo Discente 2019: http://www.processoseletivo.unir.br/certame/exibir/198

Confira os cursos de graduação ofertados pela UNIR no Processo Seletivo Discente 2019:

Campus de Ariquemes: Engenharia de Alimentos e Pedagogia.
Campus de Cacoal: Administração, Ciências Contábeis, Direito e Engenharia de Produção.
Campus de Guajará-Mirim: Administração, Gestão Ambiental, Letras – Língua Portuguesa e Pedagogia.
Campus de Ji-Paraná: Engenharia Ambiental, Estatística, Física, Matemática e Pedagogia.
Campus de Porto Velho: Administração, Arqueologia, Artes Visuais, Biblioteconomia, Ciência da Computação, Ciências Biológicas, Ciências Contábeis, Ciências Econômicas, Ciências Sociais, Computação, Direito, Educação Física, Enfermagem, Engenharia Civil, Engenharia Elétrica, Filosofia, Física, Geografia, História, Letras Espanhol, Letras Inglês, Letras Libras, Letras Português, Matemática, Medicina, Música, Pedagogia, Psicologia, Química e Teatro.
Campus de Presidente Médici: Engenharia de Pesca e Zootecnia.
Campus de Rolim de Moura: Agronomia, Engenharia Florestal, História, Medicina Veterinária e Pedagogia.
Campus de Vilhena: Administração, Ciências Contábeis, Letras e Pedagogia.
Curso oferecido na modalidade de educação a distância: Letras Português (polos de Ariquemes, Buritis, Ji-Paraná, Nova Mamoré e Porto Velho).

Para mais informações, acesse o edital do Processo Seletivo 2019 e o portal de cursos de graduação: www.graduacao.unir.br

#10YearsChallenge: como o Facebook e o Instagram podem usar as informaçãoes recolhidas com as fotos desse desafio viral

O desafio dos dez anos viralizou bem rápido. É apenas uma brincadeira inocente ou pode ser algo mais?

Conhecido como #10YearsChallenge (desafio dos 10 anos, em inglês), o mais recente “desafio” viral nas redes sociais é postar lado a lado uma foto de hoje e outra de dez anos atrás para fazer a comparação.

É apenas uma brincadeira inocente, correto?

Pode ser. Mas como as plataformas de redes sociais sempre encontram uma maneira de lucrar com as modas virais, também pode não ser.

A moda se espalhou rapidamente e aparentemente de maneira orgânica. Participaram desde usuários comuns do Facebook e do Instagram até celebridades e contas oficiais de autoridades.

Nos últimos dias a hashtag acumulou mais de 3,5 milhões de posts só no Instagram

A moda provavelmente vai passar rápido, mas, uma vez postadas, o que será feito com milhões e milhões de imagens com uma informação tão específica (exatamente como a pessoa envelheceu)?

Em vários posts nas redes sociais algumas pessoas demonstraram sua preocupação com as implicações de disponibilizar as fotos com datas.

Uma delas é a especialista em estratégias digitais Kate O’Neill. Em um artigo na revista de tecnologia Wired, ela imagina alguns cenários sobre como as empresas de tecnologia estão se aproveitando da moda (isso, diz ela, se não a tiverem criado).

LEIA A REPORTAGEM COMPLETA NA BBC.

Aprenda a fazer exercício de meditação que ajuda a aliviar ansiedade

Controle respiratório é fundamental para manter bem-estar emocional

O yoga envolve exercícios de controle respiratório chamados pranayamas como um meio de expandir e intensificar o fluxo da energia no interior do corpo para desintoxicar e limpar os canais de energia, fortalecendo a conexão com a vida. “Os pranayamas são muito úteis para o controle da ansiedade”, observa a professora Nambir, que sugere um exercício de meditação especial para ajudar a harmonizar a respiração. A sequência inclui quatro etapas (que podem ser repetidas):

1) Inspire pelas narinas e expire pelas narinas;2) Inspire pela boca e expire pela boca; 3) Inspire pelo nariz e expire pela boca; 4) Inspire pela boca e expire pelo nariz.

A prática é feita com o corpo sentado na postura meditativa, de forma confortável. Indica-se colocar as mãos com as duas palmas voltadas para o peito e polegares se tocando no coração [conforme a ilustração abaixo]. As inspirações e expirações são profundas e completas. E, ao respirar pela boca, o ideal é posicionar os lábios como se fosse assoviar.

Fonte: noticiasaominuto

Bagagem de mão: veja o que pode e o que não pode nas companhias aéreas

Existem algumas regras para a sua bagagem de mão a serem observadas que servem para tornar a sua viagem e a dos outros mais segura e confortável

Levar bagagem de mão em um voo é direto do passageiro. Segundo a Agência Nacional de Aviação Civil (Anac), órgão brasileiro responsável pela regulação do setor de aviação, cada pessoa pode levar uma franquia desse tipo de bagagem com até 10 kg.

Entretanto, algumas outras regras precisam ser seguidas quando o assunto é bagagem de mão . A Agência proíbe, por exemplo, que sejam levados frascos com líquidos contendo mais de 100 mL para voos internacionais.

Mas não é só isso: as companhias aéreas podem ajustar algumas das regras da ANAC para atender a políticas internas de segurança e custo. Nessas horas, é bom saber o que é permitido ou não nesse quesito, indo de acordo com o regulamento de cada uma das principais companhias de aviação do Brasil.

As orientações que virão a seguir vão te ajudar a evitar dores de cabeça na hora de fazer as malas para cinco das principais companhias de aviação que operam em solo brasileiro: Avianca, Azul, Delta Airlines, Gol e LATAM.

LEIA A REPORTAGEM COMPLETA NO IG.

Como as dietas low carb estão diminuindo o consumo de um carboidrato que salva vidas

Estudo encomendado pelo OMS mostra que consumo de fibras reduz as chances de doenças cardíacas e morte prematura.

Comer mais fibras ajuda a reduzir o risco de doenças cardíacas e morte, além de diabetes tipo 2 e câncer de intestino. É o que mostra uma revisão histórica publicada pela revista científica The Lancet.

O levantamento, encomendado pela Organização Mundial de Saúde (OMS) para guiar a formulação de novas diretrizes sobre a quantidade de fibras na dieta, sugere, no entanto, que a maioria das pessoas não está ingerindo quantidade suficiente do nutriente.

As fibras são carboidratos encontrados em alimentos como frutas, verduras, legumes, cereais matinais, pães e massas integrais, feijão, lentilha, grão de bico, nozes e sementes.

Elas são conhecidas por prevenir e tratar a constipação – mas seus benefícios para a saúde vão muito além.

“A evidência agora é esmagadora. É um divisor de águas, as pessoas têm que começar a fazer algo a respeito”, afirmou o professor John Cummings, um dos pesquisadores, à BBC News.

Alerta para dietas low carb

Há uma preocupação de que as pessoas estejam deixando de comer fibras à medida que as dietas low carb, que restringem o consumo de carboidratos, se tornam mais populares.

“Precisamos levar a sério este estudo. Suas descobertas sugerem que, embora cada vez mais populares, qualquer dieta que recomende pouca ingestão de carboidrato deve levar em conta o custo da perda de fibras de grãos integrais”, afirma Nita Forouhi, da Universidade de Cambridge, no Reino Unido.

“Esta pesquisa confirma que o consumo de fibras e grãos integrais são claramente importantes para a saúde no longo prazo.”

Quantidade ideal

A maioria das pessoas ao redor do mundo está consumindo menos de 20g de fibra por dia.

Pesquisadores da Universidade de Otago, na Nova Zelândia, e da Universidade de Dundee, na Escócia, dizem que deveríamos consumir no mínimo 25g de fibra por dia.

Esta seria, segundo eles, a quantidade “adequada” para melhorar a saúde, mas há benefícios em ingerir mais de 30g.

Chegar a essa quantidade, no entanto, pode não ser tão simples. Por exemplo, uma banana por si só pesa cerca de 120g, mas não é composta apenas por fibras. Tirando todos os açúcares naturais e a água, restam apenas cerca de 3g de fibras.

Como consumir 30g?

Elaine Rush, professora de nutrição da Universidade de Tecnologia de Auckland, na Nova Zelândia, preparou a lista abaixo como um exemplo de como atingir a meta diária de 25-30g de fibras:

  • Meia xícara de aveia em flocos: 9g de fibras- Dois Weetabix (cereal matinal de trigo integral): 3g de fibras- Uma fatia espessa de pão integral: 2g de fibras- Uma xícara de lentilhas cozidas: 4g de fibras- Uma batata cozida com casca: 2g de fibras- Meia xícara de acelga: 1g de fibras- Uma cenoura: 3g de fibras- Uma maçã com casca: 4g de fibras

“Não é fácil aumentar a (quantidade de) fibra na dieta”, ela reconhece.

“É uma grande mudança para as pessoas. Um grande desafio”, acrescenta Cummings.

Dicas

O NHS, serviço público de saúde do Reino Unido, oferece algumas dicas para aumentar a ingestão de fibras. Entre elas, estão:

  • Cozinhar batatas com casca
  • Substituir o pão branco, macarrão e arroz por suas versões integrais
  • Escolher cereais matinais ricos em fibras, como mingau de aveia
  • Acrescentar grão de bico, feijão ou lentilha na salada
  • Comer nozes ou frutas frescas na hora do lanche ou da sobremesa
  • Consumir pelo menos cinco porções de frutas ou verduras e legumes por dia

Qual o benefício?

Os resultados da pesquisa sugerem uma redução de 15% a 30% na mortalidade relacionada a todas as causas e doenças cardiovasculares, ao comparar pessoas que consomem mais quantidade de fibra àquelas que comem menos.

O maior consumo de alimentos ricos em fibras também foi associado a uma queda de 16% a 24% na incidência de doenças coronarianas, derrames, diabetes tipo 2 e câncer colorretal.

Após analisar 185 estudos e 58 ensaios clínicos, a revisão sugere que se mil pessoas substituírem uma dieta pobre em fibras (menos de 15g) por uma alimentação rica no nutriente (25-29g), 13 mortes e seis casos de doenças cardíacas poderiam ser evitados.

Foi o que eles observaram no decorrer dos estudos, que costumam monitorar os participantes por uma ou duas décadas.

E quanto mais fibras as pessoas comiam, melhor.

Como a fibra atua no organismo?

Costumava haver a ideia de que as fibras não tinham muita função – que o corpo humano não conseguia digeri-las.

Mas a fibra nos faz sentir saciados e afeta a forma como a gordura é absorvida no intestino delgado, além de servir de alimento para bilhões de bactérias que vivem no intestino grosso.

Funciona como uma espécie de cervejaria, em que as bactérias fermentam as fibras para produzir uma série de compostos químicos.

Isso inclui ácidos graxos de cadeia curta, que são absorvidos pelo organismo e têm efeito em todo o corpo.

“Temos esse órgão preparado para digerir fibras, que muita gente simplesmente não usa muito”, diz Cummings.

Fonte: bbc

Obsessão por felicidade pode deixar você extremamente infeliz

E pior: ainda nos faz interpretar qualquer sensação ruim como fracasso.

A felicidade é algo tão subjetivo quanto científico. Biologicamente, poderíamos falar em serotonina e ocitocina, ou outros nomes difíceis de neurotransmissores (mensageiros químicos) que estão relacionados com a existência dessa sensação. Mas psicologicamente a história é outra. Como a maioria dos sentimentos, substantivos abstratos, felicidade representa algo diferente para cada ser humano. De acordo com a “psicologia positiva”, não precisamos esperar que a felicidade dê as caras: ela está ao alcance das nossas mãos.

Mas até que ela virou uma ditadura não tão feliz assim. Essa obrigação de ser feliz não é novidade, mas ninguém realmente sabe quem primeiro cunhou essa regra – e como ela se tornou o objetivo de vida de quase todo mundo. O que se sabe é que ela vem machucando: “a depressão é o mal de uma sociedade que decidiu ser feliz a todo preço”, diz o escritor francês Pascal Bruckner no livro A Euforia Perpétua. E ele estava certo: um novo estudo da Universidade de Melbourne, Austrália, finalmente concluiu que a infelicidade de muita gente é causada pela tentativa incessante de ser feliz.

A pesquisa, publicada na revista Emotion, descobriu que a “superenfatização” da felicidade, como uma pressão social, pode tornar as pessoas mais suscetíveis ao fracasso e muito mais frágeis a emoções negativas. A “regra” de procurar a todo custo emoções positivas e evitar ao máximo as negativas está aumentando significativamente o estresse a longo prazo.

Para chegar a essas conclusões, os cientistas fizeram um teste: separaram três grupos de estudantes de psicologia australianos, que precisavam realizar anagramas. O primeiro grupo, A, precisava resolver 35 anagramas em 3 minutos. Os participantes não sabiam, mas, dentre os 35 anagramas, havia 15 que eram impossíveis de solucionar – ou seja, eles iriam fracassar. Os estudantes foram colocados em uma sala decorada com dezenas de cartazes motivacionais, notas coloridas, livros de auto-ajuda. O instrutor da sala falava alegremente e fez até discurso sobre a importância da felicidade antes da tarefa começar.

LEIA A REPORTAGEM COMPLETA NO SUPER INTERESSANTE.

Acadêmica da Unir está desaparecida e família busca informações (atualizada)

Brenda Gomes Prata saiu para correr na pista do Espaço Alternativo e não retornou nem deu notícias

A acadêmica do curso de Educação Física da Universidade Federal de Rondônia, Brenda Gomes Prata já foi localizada pela família.

A acadêmica do curso de Educação Física da Universidade Federal de Rondônia, Brenda Gomes Prata está desaparecida desde às 20 horas da última terça-feira, segundo informaram familiares. Ela tem 19 anos e saiu de casa para correr na pista do Espaço Alternativo, em Porto Velho, por volta das 17 horas. Por volta das 20, visualizou uma mensagem enviada em um grupo de Atletas, mas não respondeu.

A família está pedindo ajuda a quem puder dar qualquer informação, já que ela não tem o hábito de dormir fora de casa, nem deixa de dar satisfações.

Ela trajava short preto do Colégio Tiradentes, camisa preta, tênis, e levou apenas o celular e identidade, não levou dinheiro.

Informações podem ser repassadas ao número 69 99343-8152 (Walmar Prata) ou 69 99296 9675 (Ludmila Bianca)

  • ATUALIZADA ÀS 10H42MIN para inclusão da informação de que ela já foi localizada pela família.

Globo anuncia fim do ‘Video Show’ após 35 anos

Último programa será exibido na sexta-feira (11). ‘Sessão da tarde’ passa a ir ao ar mais cedo.

A TV Globo anunciou nesta terça-feira (8) o fim do programa “Video Show” após mais de 35 anos. A última edição vai ir ao ar nesta sexta-feira (11).

O programa que mostrou os bastidores da produção da Globo começou a ser exibido em 1983.

A partir de segunda-feira (14), a “Sessão da tarde” vai começar a ser exibida mais cedo, às 14h. Entre 14 e 18 de janeiro, o “Vale a pena ver de novo”, exibido em seguida, vai ter uma dobradinha, com os capítulos finais de “Belíssima” e o início de “Cordel encantado”.

No dia 21 de janeiro, depois da “Sessão da tarde’, estreia uma nova edição do “Álbum da Grande Família”. O especial vai ao ar de segunda a sexta, com melhores momentos do seriado “A grande família”.

Fonte: g1

Pesquisa liderada por brasileiros aponta que hormônio pode reverter perda de memória causada pelo Alzheimer

A irisina, produzida pelos músculos durante exercício físico, teve efeito positivo contra a doença em camundongos, segundo pesquisa publicada nesta segunda (7) na ‘Nature Medicine’.

Cientistas da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) conseguiram estabelecer uma relação entre os níveis de irisina — um hormônio produzido pelo corpo durante exercícios físicos — e um possível tratamento para a perda de memória causada pela doença de Alzheimer. O estudo, feito em parceria com outras universidades e institutos, foi publicado nesta segunda (7) na revista “Nature Medicine”.

Os testes foram feitos em camundongos com a doença — que produziam o hormônio ao fazer exercícios ou recebiam doses dele. Os autores explicam que três novidades foram descobertas:

  • Existem baixos níveis de irisina no cérebro de pacientes afetados pelo Alzheimer. Essa mesma deficiência foi vista nos camundongos que foram usados como modelo no estudo.
  • A reposição dos níveis de irisina no cérebro, inclusive por meio de exercícios físicos, foi capaz de reverter a perda de memória dos camundongos afetados pelo Alzheimer.
  • A irisina é o que regula os efeitos positivos do exercício físico na memória dos camundongos.

“A grande contribuição do nosso estudo foi mostrar que os níveis desse hormônio estão de fato diminuídos nos cérebros dos pacientes com Alzheimer. Em segundo lugar, foi tentar investigar se repor os níveis desse hormônio no cérebro dos camundongos seria bom para a memória. E nós vimos que, de fato, se você aumentar os níveis de irisina, melhora a memória. E, finalmente, foi demonstrar que a irisina é, justamente, o intermediário entre o efeito benéfico do exercício e a melhora de memória”, explica o professor da UFRJ Sergio Ferreira, um dos autores do estudo.

Algumas outras funções da irisina em vários órgãos do corpo já eram conhecidas, como a de regular o metabolismo do tecido adiposo e até de processos que acontecem nos ossos.

Para os autores Mychael Lourenço e Fernanda De Felice, ambos da UFRJ, as descobertas reforçam a importância dos exercícios físicos no combate à doença. Além disso, lembram, o fato de a irisina ser produzida pelo próprio organismo diminui as chances de efeitos colaterais, o que dá esperança para novos tratamentos.

LEIA A REPORTAGEM COMPLETA NO G1.

Confira 5 hábitos para adotar fora da cama para melhorar o desempenho sexual

Desde beber mais água até evitar usar sapatos de salto alto: mudanças simples do dia a dia podem fazer com que você aproveite ainda mais com seu parceiro entre quatro paredes – e o melhor: tudo comprovado pela ciência!

Que fazer sexo é bom a gente sabe. Quando bem feito, além de proporcionar aquela sensação de prazer, a prática ainda diminui o estresse, ativa o sistema imunológico, previne doenças, melhora o humor, gasta calorias e ainda deixa nossa autoestima lá no alto. Com tantos benefícios assim, qualquer dica que prometa melhorar o desempenho sexual é bem-vinda, não é mesmo?

Mas se você pensou em medicamentos antes da “hora H”, brinquedos eróticos com mil e uma funções ou posições mirabolantes e já desanimou, temos uma boa notícia: há maneiras muito mais simples que podem realmente ajudar a melhorar o desempenho sexual . E sabe o que é melhor? Elas podem ser feitas fora da cama, ao longo do seu dia.

As dicas foram reunidas pela autora de livros sobre relacionamentos e especialista no assunto Tracey Cox, que afirmou ao portal britânico Daily Mail serem todas apoiadas pela ciência. “Elas garantem a revitalização da sua vida sexual – e nenhuma delas envolve realmente fazer sexo”, ressalta Tracey. Confira:

5 passos para melhorar o desempenho sexual

Esqueça os sapatos de salto alto

Seja por questões corporativas, por achar bonito ou sexy, o salto alto é peça indispensável no look diário de muitas mulheres. Porém apesar de lindos, aqueles Louboutin podem estar atrapalhando sua vida sexual.

Uma pesquisa feita pelo médico ginecologista norte-americano de Nova York Eden Fromberg mostrou que usar saltos durante todo o dia pode afetar o orgasmo de uma mulher.

Como? O estudo apontou que quando as mulheres chegam ao orgasmo , a pélvis se arqueia de uma certa maneira. Mas quando você está acostumada a usar sapatos de salto alto, eles fazem com que a pélvis se arqueie de forma diferente, criando uma contração no assoalho pélvico.

Se você está sempre de salto, sua pélvis já está “presa” em uma posição arqueada, o que significa que você arqueia menos durante o orgasmo, diminuindo a intensidade dele.
“Um orgasmo geralmente é como ir de zero a 100. Se você já está há muito tempo usando salto, não vai ter uma experiência completa”, explicou Fromberg naépoca do estudo. Talvez seja o momento de repensar o guarda-roupa.

Beba mais água

Nossas células precisam de água para funcionar. Quanto mais água você beber, mais capazes de transportar oxigênio por todo o nosso corpo e cérebro nossas células serão.

Isso ajuda no metabolismo, garantindo energia suficiente para o sexo e aumentando o fluxo sanguíneo que é necessário para que sintamos excitação e orgasmo – que nada mais é do que a liberação da pressão de todo o sangue que é bombeado para os genitais, de volta para a corrente sanguínea.

Além disso, um corpo hidratado também significa um corpo lubrificado. Esse ponto é bastante importante para as mulheres, já que assegura que nossa vagina esteja úmida e pronta para o sexo, em vez de seca, o que torna a prática desconfortável.

As maravilhas de se estar bem hidratada não favorecem apenas as mulheres. A desidratação também está implicada na disfunção erétil. Isso acontece porque os níveis de hidratação podem reduzir o volume sanguíneo, portanto, beber mais água pode ajudar a manter ereções mais “fortes”.

Outra razão bastante convincente para beber mais de um litro de água por dia é que assim você cheira melhor. Quanto maior o teor de água em seu corpo, menos fedorento seu suor é, sabia? Pois então trate de pegar mais um copo d’água assim que terminar de ler essa reportagem e mantenha-se hidratada.

LEIA A REPORTAGEM COMPLETA NO DELAS.IG