Detento de Rondônia morre eletrocutado quando carregava tornezeleira na tomada

Caso foi registrado pela Polícia Militar na zona rural de Vilhena. Empresa responsável pelo dispositivo afirma que irá apurar e colaborar com autoridades

O apenado Evandro Faustina, de 27 anos, morreu durante uma descarga elétrica, enquanto carregava a tornozeleira eletrônica, segundo familiares. O caso foi registrado pela Polícia Militar (PM) no domingo (27), na zona rural de Vilhena (RO), a 700 quilômetros de Porto Velho.

Familiares contaram à PM que Evandro estava na sala da residência, junto com a esposa. Ele usava uma tornozeleira eletrônica na perna esquerda e estava com o plugue na tomada, carregando o dispositivo.

As testemunhas relataram ainda que, durante à tarde, ouviram um trovão, acompanhado de uma descarga elétrica, que provocou queda de energia na casa. Depois disso, a vítima teria morrido ainda no local.

Os familiares do detento reiteraram que a vítima estava deitada no piso, assistindo televisão, enquanto a tornozeleira estava sendo carregada. A mulher estava no sofá, mexendo no celular, que não estava conectado à internet, nem na tomada.

A descarga elétrica teria atingido a rede de energia da casa e depois alcançado Evandro. O homem, após receber o suposto choque, teria falado algumas palavras e morrido em seguida. O corpo foi levado para Presidente Médice (RO) nesta segunda, onde será velado e sepultado.

O boletim de ocorrência foi registrado pela PM como morte acidental. A Polícia Civil informou que, na necropsia, não foi possível confirmar que a morte aconteceu em decorrência de descarga elétrica, pois não havia sinais no corpo da vítima.

Equipamento estaria carregando na tomada, dizem os parentes da vítima (imagem ilustrativa)

Contudo, materiais do corpo foram colhidos e serão encaminhados para o Instituto Médico Legal (IML) de Porto Velho, para verificar o motivo do óbito. O resultado do laudo deve ser emitido nas próximas semanas. O caso está sendo investigado.

A empresa Spacecom, responsável pelo desenvolvimento e fornecimento de tornozeleiras eletrônicas para o estado de Rondônia, informou que irá apurar o caso e contribuir com as autoridades para que a situação seja esclarecida.

“Os equipamentos são aprovados e homologados pela Anatel [Agência Nacional de Telecomunicações]; passam por todos os testes. É muito prematuro colocar a culpa na tornozeleira, antes de todos os fatos serem apurados, desde da rede elétrica da casa da pessoa, estado do equipamento e verificação de todo o ocorrido”, enfatiza o presidente da empresa, Sávio Bloomfield.

Conforme a Spacecom, atualmente, a empresa atua em 16 estados, tendo monitorado mais de 200 mil sentenciados distintos, com uma média de 35 mil monitorados por dia. A Spacecom, localizada em Curitiba (PR), é a maior empresa de monitoramento de sentenciados da América Latina.

A Eletrobrás informou que, na localidade onde o preso morava, não houve nenhum tipo de ocorrência relativo à queda de energia. Porém, para ser mais precisa, seria necessário o número da unidade consumidora da residência.

De acordo com o Tribunal de Justiça de Rondônia (TJ-RO), Evandro cumpria pena por furto, roubo e embriaguez na direção. Ele foi condenado a 9 anos e 11 meses de prisão e já havia cumprido 2 anos e 1 mês. Atualmente, o preso cumpria pena no regime semiaberto.

As informações são do G1/RO

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *