Motorista de aplicativo é preso suspeito de estuprar passageira e anotar perfil de rede social no corpo da vítima, em GO

Segundo a Polícia Civil, ele se aproveitou que a jovem, de 22 anos, estava embriagada e não conseguia reagir ao crime.

Um motorista de aplicativo, de 41 anos, foi preso suspeito de estuprar uma passageira e marcar a rede social dele no corpo da vítima, em Goiânia. Segundo a Polícia Civil, ele se aproveitou que a jovem, de 22 anos, estava embriagada e não conseguia reagir ao crime.

O crime aconteceu na madrugada de sexta (11), quando a vítima deixou uma reunião com amigos e seguiu para casa, na região leste da capital. “Foi uma amiga que chamou o motorista pelo aplicativo. A jovem disse que se lembra apenas de flashs, do motorista vestindo a roupa e mandando ela descer do carro na rua da casa dela”, disse a delegada Ana Elisa Gomes.

Em nota, a Uber, empresa na qual o motorista é cadastrado, “lamenta o crime terrível que foi cometido”, que “nenhum comportamento criminoso é tolerado” e que “o motorista foi banido do aplicativo assim que a denúncia foi feita”. Além disto, “repudia qualquer tipo de comportamento abusivo contra mulheres e acredita na importância de combater, coibir e denunciar casos de assédio e violência” (veja íntegra da nota no fim da reportagem).

De acordo com as investigações, o motorista manteve a vítima no carro por três horas, sendo que o percurso deveria durar cerca de 15 minutos. Na manhã de sexta-feira, a jovem procurou a Polícia Civil para denunciar o crime. “Ela fez exames no IML que comprovaram o estupro. Além disso, o motorista anotou o Instagram dele na canela dela usando uma caneta”, relatou a delegada.

O homem foi preso no sábado (12) e ficou em silêncio durante todo o depoimento. Ele vai responder por estupro de vulnerável, devido ao fato da vítima estar embriagada e não conseguir reagir ao crime, e foi encaminhado para o Complexo Prisional de Aparecida de Goiânia.

O carro do suspeito também foi apreendido para ser periciado. De acordo com a polícia, ele já tem passagens pela polícia por contrabando e homicídio culposo no trânsito.

O homem também trabalha em programas de assistência social vinculados à Prefeitura de Aparecida de Goiânia.

Em nota, a Secretaria de Assistência Social de Aparecida de Goiânia informou que, “desde que ficou sabendo da denúncia e da prisão do suspeito” retirou-o da da função que ele ocupava no órgão e o exonerou do cargo em comissão que ele ocupava desde maio de 2017.

LEIA A REPORTAGEM COMPLETA NO G1.

Deixe uma resposta