Lutadora de jiu-jítsu é baleada na cabeça na própria festa de aniversário, em Manaus

Homens armados invadiram o local e anunciaram o assalto. Um deles perguntou pela vítima e efetuou três tiros

Uma lutadora de jiu-jítsu de 24 anos foi baleada na cabeça na madrugada deste domingo (27) no bairro Japiim, na Zona Sul de Manaus. Segundo familiares, Patrícia da Cunha Leite estava comemorando o aniversário quando três homens invadiram o local, anunciando o assalto. De acordo com a Polícia Civil, um dos suspeitos perguntou pela vítima, e atirou logo em seguida.

De acordo com a Polícia Civil, por volta das 3h deste domingo, policiais militares receberam uma denúncia de que homens em um carro modelo Corsa estariam cometendo assaltos pelo Japiim. Em diligência, a PM conseguiu identificar os suspeitos próximo à Avenida Tefé, na Zona Sul da capital.

No mesmo momento, a PM também recebeu a denúncia de que o trio estaria envolvido em uma tentativa de homicídio momentos antes da abordagem.

A Polícia Civil informou que os três chegaram no local onde Patrícia estava comemorando o aniversário, e anunciaram o assalto. Em um certo momento, um dos suspeitos perguntou pela lutadora. Após ninguém responder, um deles reconheceu a vítima e efetuou três disparos na cabeça da lutadora.

Ela foi socorrida e encaminhada ao Hospital e Pronto-Socorro João Lúcio. Os três suspeitos foram presos e levados ao 1º Distrito Integrado de Polícia (DIP). Com eles, foram apreendidos objetos roubados, além de um simulacro de arma de fogo. A arma utilizada no crime não foi encontrada com o trio.

Um deles, de 33 anos, já respondia em liberdade por um homicídio ocorrido em maio de 2009. Eles permanecem na sede do 1º DIP até esta segunda-feira (28), quando serão encaminhados a uma audiência de custódia.

A Rede Amazônica entrou em contato com a Secretaria de Estado de Saúde (Susam) para saber sobre o estado de saúde da vítima, mas, até a tarde deste domingo, não obteve resposta.

Corpo é encontrado com marcas de tiros dentro de carro em RO

Vítima morreu após ser atingida com cerca de cinco tiros em Monte Negro. Suspeitos fugiram em uma motocicleta, segundo testemunha.

Um homem de 38 anos foi assassinado na manhã deste domingo (20) no Setor 02 de Monte Negro (RO) no Vale do Jamari. Ele estava dentro de uma camionete quando os suspeitos atiraram e fugiram em uma motocicleta.

De acordo com a Polícia Militar (PM), a vítima trabalhava como comprador de gado. No momento do crime ele estava em frente a uma residência na rua Ronilson Medeiros. Uma testemunha ouviu os disparos e viu dois suspeitos passando em uma motocicleta. Ela não conseguiu identificá-los.

O Sargento PM Alexandrino informou que a vítima pode ter baixado a janela do veículo para falar com o atirador.

“Foi pela janela esquerda, os suspeitos aparentemente pararam do lado da janela, a vítima estava ao telefone, inclusive foi encontrada com telefone na mão ainda. Ele baixou a janela para o seu algoz e eles dispararam aproximadamente de quatro a cinco tiros de .40”, disse o PM.

Até o momento do registro da ocorrência a polícia não tinha informações sobre os suspeitos e se a vítima estava sofrendo ameaças. A Polícia Civil de Monte Negro investigará o homicídio.

Fonte: g1

Criança de 3 anos é morta e enterrada pela mãe e padrasto em SP

p

Os autores do assassinato confessaram o crime e vão responder por homicídio e ocultação de cadáver

Um casal foi preso na manhã deste domingo (20), em Cruzeiro, no interior de São Paulo, suspeito de matar e enterrar uma criança de 3 anos. Os autores do assassinato, que são a mãe e o padrasto do menino, confessaram o crime e vão responder por homicídio e ocultação de cadáver. As informações são do G1.

O garoto estava desaparecido desde a madrugada desse sábado (19). Na delegacia, ao prestarem depoimento sobre o sumiço da vítima, o casal indicou onde havia enterrado a criança. A causa e a motivação do crime ainda estão sendo investigados.

Fonte: noticiasaominuto

Vendedora assassinada em shopping no CE relatou ter recebido ameaças

Homem furtou arma de delegacia, invadiu loja em shopping e atirou em ex-companheira.

A vendedora Lidiane Gomes da Silva, assassinada na manhã desta terça-feira (15) pelo ex-companheiro dentro de um shopping em Maracanaú, havia relatado a um amigo, em conversa pelo WhatsApp, que sofria ameaças após a separação. O homem se matou em seguida, de acordo com a Polícia Civil.

“Deixei aquele louco. Ele falou um monte de chantagem. Me ameaçou. Mas hoje ele tá mais conformado”, disse a vítima, em um trecho da conversa. “Eu disse que, se ele não parasse, eu ia fazer um B.O. [boletim de ocorrência] contra ele. Aí ele parou, agora ele só liga”, continua Lidiane.

De acordo com a Polícia Civil, Alighiery Silva, o ex-companheiro de Lidiane invadiu a loja de um shopping na Grande Fortaleza e atirou em Lidiane, que morreu na hora. A arma usada no crime foi furtada de uma escrivã do 24º Distrito Policial, onde ele trabalha.

O shopping se manifestou por meio de nota informando que “acionou o mais rápido possível as autoridades competentes e que segue prestando todo o suporte necessário para o esclarecimento dos fatos”. A administração do shopping afirmou ainda que “transmite sua solidariedade aos familiares dos envolvidos e reforça que seguirá prestando todo o suporte necessário aos entes das vítimas”.

Lojas fechadas

Uma testemunha do crime afirmou ao G1 que ouviu “três, quatros” tiros sendo disparados contra Lidiane. Os disparos assustaram as pessoas que estavam no shopping, e alguns lojistas fecharam as portas.

“Me escondi dentro de uma loja, foram uns três, quatro tiros e muitas pessoas fecharam as lojas. Depois de um tempo é que a gente saiu. O que a gente sabe é que ela é funcionária de uma loja do shopping e veio um homem, a matou e depois se matou”, disse a testemunha.

Equipes da Polícia Militar do Ceará (PMCE), do Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP) da Polícia Civil e da Perícia Forense do Estado do Ceará (Pefoce) foram acionados para o local e deram início aos primeiros levantamentos da investigação.

Fonte: g1

Atirador mata vendedor de carro ao lado da esposa e deixa família em choque

O vendedor foi atingido na região do tórax e, principalmente, na cabeça

Um vendedor de carro de 33 anos foi morto a tiros em frente ao condomínio onde mora, no bairro Capão Raso, em Curitiba. Carlos Renato dos Santos foi atingido por diversos disparos de arma de fogo ao lado da esposa, que não foi ferida. O atirador fugiu em um carro de cor escura. Santos tem passagem pela polícia e o crime pode ter relação com acerto de contas. A família chorava bastante durante o atendimento da polícia no local.

O crime foi registrado por volta das 9h30, na rua Vereador Adeodato Volpi, em Curitiba, no momento em que o vendedor e a esposa embarcavam no veículo da família, um Golf, estacionado em frente ao condomínio. A Polícia Civil foi acionada e o delegado Osmar Feijó disse que a esposa acreditava ser um assalto.

“Ele estava saindo com a esposa, estava fora do carro ainda, entrando, quando chegou um veículo, que a esposa não conseguiu identificar, achou que ela assalto e gritou pedindo socorro, mas já viu os disparos. A pessoa fugiu e a vítima foi morta com quatro ou cinco tiros”, descreveu à Banda B.

Testemunhas ouviram cerca de oito disparos de arma de fogo. O vendedor foi atingido na região do tórax e, principalmente, na cabeça. “Ele já tinha passagem pelo crime de receptação, ele trabalhava com a venda de veículos. Parece que nessa prisão dele estava com um veículo clonado, essas são as primeiras informações, vamos checar e levantar tudo isso”, completou.

O corpo de Santos foi recolhido ao Instituto Médico Legal (IML) de Curitiba e a Divisão de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP) investiga o crime. “Tudo indica que seja algum desentendimento, um acerto de contas, até mesmo ligado a atividade dele de venda de veículos”, finalizou o delegado Feijó. Santos deixou a esposa e dois filhos pequenos.

Fonte: bandab

Motorista de Uber é encontrada morta dentro de carro no Rio

O passageiro suspeito recebeu voz de prisão e foi levado para a Delegacia

Uma motorista do aplicativo Uber foi encontrada morta dentro de seu carro, na madrugada desta terça-feira (8) na Baixada Fluminense. O passageiro estava no veículo e foi preso. Ele é suspeito de ter abusado sexualmente da vítima e depois matá-la por asfixia.

De acordo com o jornal O Globo, Edvaldo Feliz Duarte dos Santos, de 34 anos, foi autuado em flagrante. Ele foi localizado num Gol prata por policiais militares do 15º BPM (Duque de Caxias) às margens da Rodovia Washington Luiz, na pista sentido Petrópolis, em Duque de Caxias, na Baixada Fluminense.

A vítima, Katia Valéria Nunes Bastos, de 47 anos, também estava no veículo.

Os PMs faziam um patrulhamento quando avistaram o carro e se aproximaram. Uma equipe de socorro da Concer foi chamada e constatou a morte.

Ainda de acordo com O Globo, o suspeito recebeu voz de prisão e foi levado para a Delegacia de Homicídios da Baixada Fluminense (DHBF).

A Uber divulgou uma nota na qual afirma: “Ficamos chocados em saber que a motorista parceira foi vítima desse crime terrível. Nossos sentimentos estão com a família da Katia neste momento de dor. A Uber repudia todo tipo de comportamento violento contra mulheres e acredita na importância de combater, coibir e denunciar casos que envolvam qualquer forma de assédio ou violência. A empresa informa que o usuário envolvido foi banido e que está totalmente à disposição para colaborar com as autoridades no curso das investigações, nos termos da lei”.

Fonte: noticiasaominuto

Homem atira em adolescente de 14 anos que se negou a namorar com ele

A adolescente estava sendo ameaçada há um mês, mas evitou contar para os familiares

Um homem de 20 anos é suspeito de balear uma adolescente de 14 no último sábado (29/12), em Bebedouro (SP). De acordo com familiares, a jovem havia mantido um breve relacionamento com o acusado há cerca de seis meses e ele não se conformava com o fato dela negar seguir adiante com a relação.

Um homem de 20 anos é suspeito de balear uma adolescente de 14 no último sábado (29/12), em Bebedouro (SP). De acordo com familiares, a jovem havia mantido um breve relacionamento com o acusado há cerca de seis meses e ele não se conformava com o fato dela negar seguir adiante com a relação.

Segundo o G1, Natasha Rodrigues foi atingida no tórax e pescoço. Ela está internada na Santa Casa de Barretos (SP), passou por cirurgia e é mantida na Unidade de Terapia Intensiva (UTI) em quadro considerado gravíssimo. O criminoso fugiu após os disparos e segue foragido.

Thais Paula, prima da vítima, afirmou que Natasha estava indo a um bar comprar chicletes quando foi abordada pelo homem. “Ele já estava rondando ela durante o dia. A amiga chamou para ir até a casa dela para pegar dinheiro e comprar chiclete. A Natasha ficou sentada na calçada. Elas foram juntas para o bar e ele as seguiu. Ele perguntou se ela não daria outra chance a ele. Minha prima disse que não e continuou andando. Ele falou para ela não virar as costas pra ele de novo. Quando ela virou, ele atirou”, contou.

A adolescente estava sendo ameaçada há um mês, mas evitou contar para os familiares. Ela ficou com o suspeito há alguns meses, mas não chegou a namorá-lo. A irmã dela havia descoberto mensagens no celular de Natasha no dia anterior ao crime, mas ela pediu para não dizer nada.

Fonte: metropoles

Como uma lata de coca-cola e uma garrafa de água ajudaram a resolver um caso de assassinato após 30 anos

Um assassinato ocorrido há quase 30 anos foi desvendado com a ajuda do acaso, de uma garrafa d’água e uma lata de refrigerante.

Em novembro de 1989, dias depois do Dia de Ação de Graças, Mandy Stavik, de 18 anos, saiu para correr com sua cachorra, Kyra, perto da casa onde morava no Estado de Washington, no noroeste dos Estados Unidos.

Horas depois, o animal voltou sozinho para a casa. A família de Stavik a registrou como desaparecida.

Dois dias depois, seu corpo foi encontrado flutuando no rio Nooksack, a cerca de cinco quilômetros de casa, com sinais de violência e vestígios de sêmen.

A polícia guardou as amostras de DNA colhidas no corpo, já que a tecnologia para analisar o material ainda era incipiente na época.

Os investigadores começaram a procurar os possíveis assassinos e pediram ajuda à população para resolver o crime, mas o tempo passou e nenhum resultado foi alcançado.

Colaboração voluntária

Até que um vizinho do condado de Whatcom, onde o crime ocorreu, disse à polícia que um homem identificado como Timothy Bass poderia ter “algum envolvimento” no caso, afirmou o xerife de Whatcom, Bill Elfo, em dezembro de 2017.

GETTY IMAGES

Timothy Bass, hoje com 51 anos, era funcionário da rede de padarias Franz Bakery e passou a ser considerado suspeito do crime.

A polícia começou a investigá-lo em 2013, mas não tinha provas suficientes para obter um mandado de busca em sua casa ou trabalho ou para forçá-lo a fornecer amostras do seu DNA.

No início de 2017, entretanto, uma colega de trabalho do homem soube das suspeitas e se ofereceu para colaborar com os investigadores.

“Senti uma obrigação moral humana básica de ajudar (…) Esperaria que alguém fizesse o mesmo por mim se tivesse sido a minha filha”, disse ela, de acordo com documentos judiciais citados pelo o jornal local Bellingham Herald.

Prova válida

Em agosto de 2017, a mulher entregou às autoridades uma lata de Coca-Cola e uma garrafa d’água que Graves havia descartado, segundo a imprensa local.

Uma análise laboratorial das embalagens mostrou que o DNA de Bass correspondia ao DNA recuperado do corpo de Stavik.

“Os homens e mulheres do gabinete do Xerife do condado de Whatcom aguardam ansiosamente o julgamento de Timothy Bass e justiça para Mandy e sua família. Eles fizeram todos os esforços possíveis para resolver este (crime) terrível…”, tuitou Jeff Parks, do gabinete do Xerife.

A probabilidade de as amostras de DNA serem compatíveis era de uma em 11 trilhões, de acordo com o xerife Elfo.

A polícia prendeu Bass em dezembro de 2017 pelo assassinato da jovem.

Na época do assassinato, Bass morava a cerca de dois quilômetros da casa dela, explicou o xerife.

Em agosto passado, um tribunal declarou que as provas que a colega dele entregou à polícia eram válidas, após o advogado do réu alegar que a polícia as havia obtido sem um mandado.

O julgamento de Bass terá início em abril.

Se ele for condenado, sua pena poderá chegar a 20 anos de prisão, segundo informou na quinta-feira o jornal Bellingham Herald.

Fonte: bbc

Médico é preso suspeito de matar a esposa grávida em SP

Um médico de 28 anos foi preso nesta quarta-feira, 19, em Ribeirão Preto (SP), sob a suspeita de ter matado a esposa, que estava grávida de cinco meses. Ela foi encontrada morta no mês passado no apartamento do casal, em Rondonópolis (MT), e o marido teve a prisão preventiva decretada pela Justiça.

O suspeito, Fernando Veríssimo Carvalho, foi localizado na casa de seus pais, no bairro Cidade Universitária, e encaminhado à Central de Flagrantes. Policiais contaram que ele não ofereceu resistência.

Ainda nesta quarta-feira, ele deve viajar mais de mil quilômetros de volta à Rondonópolis, cidade onde Beatriz Soares Milano, de 23 anos, foi encontrada morta no dia 24 de novembro, dentro do quarto, com a suspeita de ter sofrido pancada na cabeça.

Em depoimento à polícia, Carvalho falou que, na noite da morte, saiu com a mulher para jantar. O casal teria retornado por volta das 23 horas. A mulher foi para o quarto, enquanto que ele ficou na sala bebendo e vendo TV. A partir daí, ele diz que pegou no sono no sofá e acordou às 3 horas, quando se deparou com a mulher morta sobre a cama.

Foi o próprio marido quem acionou o socorro e, sem sinais aparentes de violência, o corpo seguiu para exames na Politec (Perícia Oficial e Identificação Técnica). Ao ficar pronto, o laudo teria apontado traumatismo craniano e a investigação foi iniciada, mas o marido já havia deixado a cidade.

Fonte: noticiasaominuto

Policial é suspeito de assassinar garota de programa transexual em MT

Uma transexual foi assassinada a tiros neste domingo (9), em Rondonópolis, no Mato Grosso.

De acordo com o boletim de ocorrência da Polícia Militar, a vítima de 20 anos trabalhava em um ponto de prostituição quando foi baleada por um suposto cliente.

Segundo o G1, uma testemunha relatou a PM que ouviu o barulho de um disparo e correu até lá onde viu um carro, modelo Siena de cor prata, saindo do local. Ainda segundo a testemunha, o memo carro teria parado perto e tentado contratar a profissional.

Mostrando uma arma, ele teria se apresentado como agente da Polícia Federal. A vítima se recusou a entrar no carro e teria sido baleada pelo suposto cliente.

Uma ambulância foi chamada até o local e prestou os primeiros socorros à vítima. Victória foi levada às pressas até o Hospital Regional, mas não resistiu ao ferimento e acabou morrendo.

A Delegacia Especializada de Homicídio e Proteção à Pessoa (DHPP) investiga o caso.

Fonte: noticiasaominuto