No primeiro dia de inscrições, site do Sisu apresenta lentidão

O Ministério da Educação reconheceu o problema

Quem tenta entrar no site do Sistema de Seleção Unificada (Sisu) nesta terça-feira, 22, primeiro dia de inscrições, está enfrentando dificuldades. Em alguns momentos, o site nem sequer carrega.

O Ministério da Educação reconheceu o problema e afirmou que o Sisu “registrou uma lentidão na manhã desse primeiro dia de inscrições devido ao grande número de acessos”, mas que o “sistema está em processo de normalização até o final do dia”.

De acordo com a pasta, até 12h foram realizadas 441.157 inscrições. Até o momento, está mantido que o prazo final para as inscrições vai até as 23h59 da sexta-feira, 25, pelo horário Brasília.

O processo seletivo, aplicado desde 2010, é o mecanismo utilizado por universidades públicas para oferecer vagas a estudantes que realizaram o Exame Nacional de Ensino Médio (Enem). Além de ter feito a edição de 2018 do exame, os candidatos precisam ter alcançado nota superior a zero na prova de Redação. Para a edição do primeiro semestre de 2019, serão ofertadas 235.476 vagas em 129 instituições de ensino superior de todo o País. Saiba aqui tudo sobre o cronograma e inscrições do Sisu 2019.

Fonte: noticiasaominuto

Estão abertas as inscrições para o Sisu 2019 e Bolsas de estudo para ingresso em faculdades

Há oportunidades em faculdades públicas e particulares de todo o Brasil. Saiba em qual delas você atende os requisitos necessários para se candidatar

Depois de saber o resultado do Enem chegou a hora dos estudantes realizarem a inscrição nas mais variadas oportunidades de acesso a um curso superior. Dentre as formas de ingresso na universidade, estão com as inscrições abertas o 1º processo seletivo Sisu 2019 e as bolsas de estudo 2019.1 do Educa Mais Brasil. Para se candidatar vale observar se atende os requisitos necessários para vaga.

O Sisu está ofertando 235.476 mil vagas em universidades públicas, número menor se comparado com a seleção 2018.1, com menos de 4 mil oportunidades para esse semestre. Detalhe que contribui para uma disputa ainda mais acirrada, pois um dos requisitos para concorrer é ter a pontuação obtida no Enem compatível a nota de corte do Sisu. Ao realizar a inscrição no sistema de seleção unificada o estudante fica isento do vestibular na instituição, mas antes de se candidatar deve conferir quais as universidades que aceitam o Sisu.

Já o Educa Mais Brasil concede para o semestre 2019.1 mais de 400 mil bolsas de estudo para faculdades particulares em todo o país, com descontos de até 70% nas mensalidades. A proposta do programa é aberta a todas as pessoas que desejam ingressar no ensino superior, mas não têm condições de arcar com a mensalidade integral do curso. No site do programa é possível encontrar diversas bolsas para cursos, principalmente os mais concorridos como: Administração, Direito e Pedagogia na modalidade à distância ou presencial.

“As bolsas de estudo vêm sendo cada vez mais considerada entre as alternativas de ingresso em uma graduação. Isso porque a oferta de vagas é contínua, ou seja, temos oportunidades durante todo ano em diversas instituições reconhecidas e com uma mensalidade mais acessível. Ao contrário dos programas públicos que também ofertam chances de entrar em uma faculdade, no entanto são limitados quanto ao número de vagas oferecidas e período de inscrições”, explica a diretora de expansão e relacionamento do Educa Mais Brasil, Andréia Torres.

Inscrições Sisu

O período de inscrições acontece entre os dias 22 e 25 de janeiro, na página do Sisu. O candidato deve ter em mãos o número de inscrição, a senha cadastrada do Enem 2018 e seguir um passo a passo de como se inscrever no Sisu 2019. É permitido escolher até duas opções de vagas e sinalizar por ordem de preferência: instituições de ensino, local da vaga, curso e turno, além da modalidade de concorrência.

Bolsas de estudo para graduação

Quem optar por cursar em uma faculdade privada neste 1º semestre do ano e estudar pagando menos, pode se inscrever para as bolsas de estudo do Educa Mais Brasil. Para se candidatar não é necessário ter feito o Enem. A inscrição é gratuita e realizada exclusivamente pelo site www.educamaisbrasil.com.br, onde o interessado clica na modalidade graduação e faz filtros por cidade, pelo curso ou instituição, escolhe a bolsa de preferência e faz o cadastro informando os dados pessoais. A aprovação pode ser acompanhada pelo portal do aluno no próprio site do programa.

MEC desmonta grupo que avaliava ensino em tempo integral, diz jornal

Segundo ‘O Globo’, servidores foram exonerados sem qualquer transição; ministério declarou que processo é ‘natural’

O ministro Ricardo Vélez Rodríguez desmontou a Assessoria Estratégica de Evidências da Educação, que avaliava o programa de ensino em tempo integral implantado pelo governo federal. Segundo o jornal “O Globo”, o MEC não sabe quando será formado um novo grupo para cuidar da área.

O programa fazia parte da reforma do ensino médio, sancionada em fevereiro de 2017.

De acordo com o jornal, todos os servidores que compunham essa assessoria foram exonerados de suas funções, sem que houvesse transição das ações em andamento para uma nova equipe, o que coloca em xeque os projetos desenvolvidos.

Segundo “O Globo”, essas exonerações abrirão espaço para Vélez alocar seus indicados mais próximos, uma vez que a Assessoria Estratégia de Evidências é diretamente ligada ao gabinete.

A pasta declarou ao jornal que “é natural que na montagem da atual equipe do MEC essas mudanças sejam realizadas”.

Até o momento, o MEC repassou a estados mais de R$ 1,5 bilhão para desenvolver esse projeto, que contempla cerca de 465 mil matrículas, conforme dados disponíveis no portal da pasta.

Fonte: noticiasaominuto

Inscrições para 2.780 vagas na UNIR em 2019 encerram nesta terça-feira

As inscrições para o Processo Seletivo Discente 2019 da Fundação Universidade Federal de Rondônia (UNIR) encerram nesta terça-feira (22), às 18 horas. O certame é a porta de entrada para os cursos de graduação da UNIR e os interessados em concorrer às vagas deverão realizar a inscrição gratuitamente, exclusivamente via internet, por meio de formulário eletrônico disponibilizado no portal da UNIR (www.unir.br) ou diretamente no link http://www.certames.unir.br/discente/login.xhtml.

Para 2019 são oferecidas 2.780 vagas em mais de 60 cursos gratuitos de graduação presenciais e a distância, para os 1º e 2º semestres letivos de 2019. As vagas são para os oito campi da UNIR localizados nos municípios de Guajará-Mirim, Porto Velho, Ariquemes, Ji-Paraná, Cacoal, Presidente Médici, Rolim de Moura e Vilhena.

A seleção será realizada exclusivamente a partir das notas obtidas pelos candidatos no Exame Nacional do Ensino Médio (ENEM) de 2018.

A previsão para divulgação do resultado final do Processo Seletivo Discente 2019 é dia 1º de fevereiro, conforme cronograma, e as matrículas dos aprovados devem começar em 11 de fevereiro de 2019.

O início das aulas do 1º semestre será no dia 18 de fevereiro de 2019.

Para saber mais, acesse o edital e seus anexos na página do Processo Seletivo Discente 2019: http://www.processoseletivo.unir.br/certame/exibir/198

Confira os cursos de graduação ofertados pela UNIR no Processo Seletivo Discente 2019:

Campus de Ariquemes: Engenharia de Alimentos e Pedagogia.
Campus de Cacoal: Administração, Ciências Contábeis, Direito e Engenharia de Produção.
Campus de Guajará-Mirim: Administração, Gestão Ambiental, Letras – Língua Portuguesa e Pedagogia.
Campus de Ji-Paraná: Engenharia Ambiental, Estatística, Física, Matemática e Pedagogia.
Campus de Porto Velho: Administração, Arqueologia, Artes Visuais, Biblioteconomia, Ciência da Computação, Ciências Biológicas, Ciências Contábeis, Ciências Econômicas, Ciências Sociais, Computação, Direito, Educação Física, Enfermagem, Engenharia Civil, Engenharia Elétrica, Filosofia, Física, Geografia, História, Letras Espanhol, Letras Inglês, Letras Libras, Letras Português, Matemática, Medicina, Música, Pedagogia, Psicologia, Química e Teatro.
Campus de Presidente Médici: Engenharia de Pesca e Zootecnia.
Campus de Rolim de Moura: Agronomia, Engenharia Florestal, História, Medicina Veterinária e Pedagogia.
Campus de Vilhena: Administração, Ciências Contábeis, Letras e Pedagogia.
Curso oferecido na modalidade de educação a distância: Letras Português (polos de Ariquemes, Buritis, Ji-Paraná, Nova Mamoré e Porto Velho).

Para mais informações, acesse o edital do Processo Seletivo 2019 e o portal de cursos de graduação: www.graduacao.unir.br

Aumenta pela primeira vez desde 2011 nota máxima na redação do Enem

Em 2017, apenas 53 dos mais de 4,7 milhões de participantes alcançaram a nota máxima

O número de participantes com a nota máxima na redação do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) aumentou pela primeira vez desde 2011. Em 2018, ao todo, 55 estudantes obtiveram nota mil. Na outra ponta, o número de redações nota zero caiu para menos da metade de 2017.

Em 2011, dos cerca de 4 milhões de participantes do Enem, 3,7 mil tiraram a nota máxima. Desde então, apesar do aumento no número de candidatos, o número de redações nota mil só caiu. Em 2017, apenas 53 dos mais de 4,7 milhões de participantes alcançaram a nota máxima.

Em 2018, segundo os dados divulgados hoje (18) pelo Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep), do total de 4,1 milhões de redações corrigidas, 55 obtiveram o máximo desempenho em todos os quesitos avaliados. O tema da edição do ano passado foi Manipulação do comportamento do usuário pelo controle de dados na internet.

O número de estudantes que zeraram a redação caiu, passando de 309.157, em 2017, o que representou 6,54% do total de candidatos, para 112.559 em 2018, 2,73% do total de participantes.

Em 2017, quando o tema da redação foi Desafios para formação educacional de surdos no Brasil, o maior motivo para zerar a redação foi fuga ao tema. Já no ano passado, mais estudantes deixaram a prova em branco.

Apesar dos resultados positivos nas notas máximas e mínimas, a média de desempenho na redação caiu em 2018 em relação a 2017. A nota média dos estudantes nessa prova em 2017 foi 558 pontos. Em 2018, foi 522,8 pontos.

Os resultados do Enem foram divulgados nesta sexta-feira. Os estudantes podem acessar na Página do Participante e saber quanto obtiveram nas provas de linguagem, ciências humanas, ciências da natureza, matemática e redação.

Em média, comparando com os resultados de 2017, os estudantes tiveram melhor desempenho em 2018 nas provas de linguagem, matemática e ciências humanas. A proficiência média passou de 510,2 pontos para 526,9pontos em linguagem; de 519,3 para 569,2 em ciências humanas; e de 518,5 para 535,5 em matemática. Em ciências da natureza o desempenho médio caiu de 510,6 para 493,8.

No dia 18 de março, o Inep divulgará o espelho da redação, ou seja, detalhes da correção dessa prova. Isso é feito após os processos seletivos dos programas federais. A correção tem função apenas pedagógica e não é possível interpor recurso.

Fonte: agenciabrasil

Inep divulga notas do Enem na sexta-feira

Resultado será divulgado na internet, na Página do Participante, e no aplicativo oficial do exame

Nesta sexta-feira (18), mais de 4,1 milhões de estudantes que fizeram o Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) no ano passado terão acesso às notas das provas. O resultado será divulgado na internet, na Página do Participante, e no aplicativo oficial do Enem.

Os participantes terão acesso a quanto obtiveram em cada uma das provas: linguagens, ciências humanas, ciências da natureza, matemática e redação. A nota dos treineiros, aqueles que ainda não concluíram o ensino médio e fizeram a prova apenas para testar os conhecimentos, será divulgada apenas em março, 60 dias depois dos demais participantes.

A nota do Enem é calculada usando a chamada teoria de resposta ao item (TRI), que não estabelece previamente um valor fixo para cada questão. O valor varia conforme o percentual de acertos e erros dos estudantes naquele item.

Assim, se a questão tiver grande número de acertos será considerada fácil e, por essa razão, valerá menos pontos. O estudante que acertar um item com alto índice de erros, por exemplo, ganhará mais pontos por ele.

O Enem foi aplicado nos dias 4 e 11 de novembro de 2018. Desde o dia 14 de novembro, estão disponíveis as provas e os gabaritos oficiais. Também estão disponíveis vídeos com os enunciados e as opções de respostas da videoprova em Língua Brasileira de Sinais (Libras).

O Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais (Inep) divulgará ainda, em data a ser definida, o espelho da redação, ou seja, detalhes da correção dessa prova. Isso é feito após os processos seletivos dos programas federais. A correção tem função apenas pedagógica e não é possível interpor recurso.

O que fazer com as notas?

Com os resultados, os estudantes poderão concorrer a vagas no ensino superior público pelo Sistema de Seleção Unificada (Sisu), a bolsas em instituições privadas, pelo Programa Universidade para Todos (ProUni), e para participar do Fundo de Financiamento Estudantil (Fies).

O primeiro processo que terá as inscrições abertas é o Sisu. Para participar é preciso fazer a inscrição online no período de 22 a 25 de janeiro. Os estudantes já podem consultar, na página do programa, as vagas disponíveis. São mais de 235,4 mil vagas distribuídas em 129 universidades públicas de todo o país.

Além dos programas nacionais, os estudantes podem usar as notas para cursar o ensino superior em Portugal. O Inep tem convênio com 37 instituições portuguesas. A lista está disponível na página da autarquia. Segundo o Inep, atualmente mais de 1,2 mil brasileiros usaram o Enem para ingressar nessas instituições.

Fonte: agenciabrasil

Inscrições para ProUni serão abertas a partir do próximo dia 29

O processo seletivo é para o primeiro semestre de 2019

As inscrições para o Programa Universidade para Todos (ProUni), que oferece bolsas de estudo integrais e parciais em instituições de ensino superior privadas, serão abertas no próximo dia 29 de janeiro e vão se estender até as 23h59 do dia 1º de fevereiro.

O processo seletivo é para o primeiro semestre de 2019 e tem como foco estudantes egressos do ensino médio na rede pública ou de escolas particulares caso tenham sido bolsistas integrais, pessoas com deficiência e professores da rede pública. O candidato também precisa ter renda familiar per capita de até três salários mínimos.

Ter realizado a última edição do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) e não ter diploma de ensino superior são outros requisitos para participar do programa. As inscrições dever ser feitas pelo site do programa do Ministério da Educação (MEC).

Para ter bolsa integral do ProUni, o candidato deve ter renda familiar per capita de até 1,5 salário mínimo. As parciais (50%) são voltadas para quem tem renda familiar per capita de até três salários mínimos.

O programa foi criado em 2004 e institucionalizado pela Lei nº 11.096, em 13 de janeiro de 2005, durante o governo do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Ele ocorre uma vez por semestre e, de acordo com o MEC, foram ofertadas 242.987 bolsas, no primeiro semestre, e 174.289, no segundo semestre, no ano passado.

O MEC informa que, desde sua criação até o processo seletivo do segundo semestre de 2018, mais de 2,4 milhões de estudantes já foram atendidos pelo programa, dos quais 69% foram com bolsas integrais. O número de bolsas disponíveis para o primeiro semestre deste ano ainda será divulgado.

Ao se inscrever no ProUni, o estudante deve informar o número de inscrição na edição de 2018 do Enem e a senha cadastrada no exame, e-mail e telefone atualizados, além de seus dados cadastrais e referentes ao seu grupo familiar. Também deve indicar, em ordem de preferência, opções de instituição, local de oferta, curso, turno e tipo de bolsa.

Chamadas

Serão feitas duas chamadas do ProUni e os resultados serão divulgados nos dias 4 e 18 de fevereiro. Os aprovados na primeira chamada terão de se apresentar nas faculdades para comprovar informações e prestar processo seletivo próprio da unidade, caso a entidade o tenha, entre os dias 4 e 12 de fevereiro. Para a segunda chamada, o prazo será de 18 a 25 de fevereiro.

O registro de aprovação ou reprovação no Sistema Informatizado do Prouni (Sisprouni), assim como a emissão dos termos de concessão ou reprovação de bolsa serão feitos pelas instituições de ensino superior entre os dias 4 e 15 de fevereiro, para a primeira chamada, e 18 de fevereiro a 1º de março, para a segunda.

Espera

Os candidatos também podem participar da lista de espera do ProUni, mas precisam se cadastrar no site do programa nos dias 7 e 8 de março. As faculdades terão como acessar a lista no dia 11 de março e os estudantes que se inscreverem devem se apresentar nas instituições nos dias 11 e 12 de março. O registro de aprovados e reprovados para a lista de espera do ProUni será realizado no período de 14 a 21 de março.

Notas

O MEC estabelece que a nota mínima para participar no ProUni é de 450 pontos na média aritmética das notas obtidas nas provas do Enem. O cálculo é feito a partir da soma das notas das cinco provas do exame e, depois, dividindo por cinco. Outra exigência é que a nota da Redação deve ser maior do que zero.

Fonte: noticiasaominuto

MEC volta atrás e anula mudanças que davam margem a erros em livros

Governo de Bolsonaro havia publicado nova versão de um edital que orienta produção de material escolar; no documento, deixava de exigir referência bibliográfica e permitia propaganda

O Ministério da Educação (MEC) voltou atrás da nova versão do edital que orienta a produção de livros escolares. A pasta havia publicado uma atualização do documento e, entre outros pontos, deixava de exigir das editoras referências bibliográficas que apoiem a estrutura editorial dos livros, o que, na prática, pode permitir a aprovação de livros sem qualidade, com erros e ainda visões de mundo particulares.

Além disso, o novo edital suprimia trechos, como o compromisso com a agenda da não violência contra as mulheres e a promoção das culturas quilombolas e dos povos do campo.

Para membros do time do presidente, esses seriam temas da esquerda. O primeiro ato do novo ministro da Educação, Ricardo Vélez Rodriguez, foi desmontar uma secretaria do MEC responsável por ações de diversidade, como direitos humanos e relações étnico-raciais.

Além disso, o deputado Eduardo Bolsonaro, filho do presidente, publicou no Twitter no último dia 5 que os professores não deveriam ensinar sobre feminismo.

O novo edital de compras de livros didáticos ainda excluía orientação às editoras para que ilustrações retratassem “a diversidade étnica da população brasileira, a pluralidade social e cultural do país”. Um trecho que vetava publicidade nos livros didáticos também havia sido excluído. A publicidade em material didático é vetada por resolução do Conselho Nacional dos Direitos da Criança e do Adolescente por ser considerada abusiva.

LEIA A REPORTAGEM COMPLETA NO NOTÍCIAS AO MINUTO.

Livros do ensino médio terão que integrar diferentes disciplinas

Os livros didáticos para as escolas públicas de ensino médio do país não serão mais por disciplina, mas por áreas de conhecimento. A mudança visa adequar a produção de livros à reforma do ensino médio e à nova base curricular, mas desafia redes de ensino, professores formados por disciplina e as editoras.

As obras que devem chegar às escolas em 2021 deverão ser organizadas pelas áreas de ciências da natureza, ciências humanas, linguagens e matemática. Assim, os livros precisam integrar disciplinas como história, geografia, filosofia, sociologia, física, química e biologia nas áreas correspondentes.

Só português e matemática terão obras específicas, de acordo com as regras do novo PNLD (Programa Nacional de Livro Didático) 2021. Essas duas disciplinas serão as únicas obrigatórias nos três anos do ensino médio, conforme prevê a reforma da etapa, aprovada de forma acelerada pelo governo Michel Temer. Também há a previsão para que as editoras desenvolvam conteúdos a serem aplicados a distância.

O governo Temer homologou, em novembro, novas diretrizes curriculares do ensino médio que permitem 20% da carga horária a distância. Para alunos do curso noturno, essa autorização chega a 30% e, para a Educação de Jovens e Adultos, 80%.

A reforma do ensino médio prevê que a grade dos estudantes do ensino médio seja dividida em dois blocos. Uma parte será comum, em que os conteúdos são vinculados ao definido pela base. A outra parte será a partir da escolha dos alunos entre cinco áreas (caso haja oferta nas escolas): linguagens, matemática, ciências da natureza, ciências humanas e ensino técnico.

O plano inicial da atual gestão era soltar o edital do PNLD 2021 antes do fim do mandato, para consolidar a reforma do ensino médio e a base curricular da etapa –bandeiras do governo Temer. A base referente ao ensino médio foi entregue em dezembro, mesmo com o texto final considerado ainda com algumas falhas.

O MEC decidiu recuar, porém, e o edital só deve ser divulgado no primeiro bimestre de 2019. As editoras teriam o ano de 2019 para escrever os materiais didáticos para que, em 2020, ocorra todo o processo de avaliação, escolha e compra das obras.

As redes estaduais concentram mais de 80% das matrículas de ensino médio. Secretários de Educação dos estados pressionavam o MEC para que o edital não saísse ainda em 2018.

O entendimento é que há muitas lacunas para a implementação do novo ensino médio e lançar o edital com pressa poderia causar dificuldades de implementação. “É importante para amadurecer o próprio modelo desse novo ensino médio, com os itinerários [as áreas de aprofundamento que serão escolhidas pelos alunos] e as orientações do MEC sobre eles”, disse o secretário de Educação de Pernambuco, Fred Amancio.

A base, por exemplo, não traz detalhes sobre como serão organizados esses itinerários. A ausência de referências fez com que um dos relatores do documento no CNE (Conselho Nacional de Educação), Chico Soares, abrisse mão de assinar o documento final.

Nem a equipe técnica do MEC sabe como será o processo de escolha das obras, uma vez que cada escola terá de encomendar livros a partir da escolha de qual itinerário cada aluno optará.

Também não há informações sobre como a equipe do presidente eleito, Jair Bolsonaro (PSL), irá encaminhar o processo de reforma do ensino médio, a base curricular e os processos de escolha de livros didáticos. Na campanha, Bolsonaro prometeu alterações no currículo e uma de suas bandeiras é o combate a supostas doutrinações de esquerda na educação.

Os livros didáticos são apontados como as maiores ferramentas de ensino, principalmente pelas dificuldades de gestão pedagógica que as redes enfrentam.

No plano do PNLD 2021, apresentado para editoras em audiência pública no dia 17 de dezembro, estão previstos manuais do professor e caderno de práticas integradoras.

Os livros didáticos teriam a função, então, de colaborar com a formação dos docentes com relação ao previsto na base curricular e no novo ensino médio.

Fonte: noticiasaominuto

Primeira edição do Sisu 2019 deve abrir mais de 235 mil vagas

O Ministério da Educação (MEC) informou hoje (17) que o Sistema de Seleção Unificada (Sisu) vai ofertar, no primeiro semestre do ano que vem, 235.476 vagas distribuídas em 129 universidades públicas de todo o país. Para concorrer ao processo seletivo, os candidatos deverão se inscrever pela internet, na página eletrônica do programa, de 22 a 25 de janeiro.

Segundo as regras do programa, para disputar a vaga, é necessário que o candidato tenha feito as provas do Exame Nacional de Ensino Médio (Enem) de 2018 e obtido nota acima de zero na prova de redação. As pontuações individuais do Enem poderão ser consultadas a partir do dia 18 de janeiro.

O edital do Sisu permite que os candidatos se inscrevam em até duas opções de vaga, indicando, em ordem de preferência, as instituições de educação superior nas quais deseja ingressar, local de oferta, curso, turno e a modalidade de concorrência. Caso seja aprovado em ambas vagas, o estudante, porém, deve optar por uma delas.

A primeira edição do Sisu 2019 será constituída de uma única chamada regular, e o resultado será divulgado em 28 de janeiro.

O prazo para que as matrículas ou registros acadêmicos dos candidatos selecionados sejam efetuados nas instituições para as quais forem chamados será de 30 de janeiro a 4 de fevereiro.

Fonte: agenciabrasil